Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Pode déjà vu nos dizer o que vem a seguir?

Você já teve aquela estranha sensação de passar por uma pessoa e saber que já a viu antes? Talvez você até pense que sabe o que pode acontecer no momento seguinte. Essa sensação estranha é conhecida como “déjà vu” (“já visto”). Mas por que isso ocorre?

espelho retrovisor

Anos atrás, como um calouro na faculdade, sentei-me para assistir a uma série animada com meus amigos de uma noite. No momento em que o primeiro episódio começou, tive essa sensação forte e estranha de que já tinha visto tudo antes.

No entanto, eu sabia, sem sombra de dúvida, que aquela era minha primeira vez, e eu nunca tinha ouvido falar daquele show antes de meus amigos me indicarem.

O que eu experimentei então foi algo que, pelo menos informalmente, muitas pessoas experimentam em algum momento de sua vida: déjà vu, ou a misteriosa sensação de que algo novo é inesperadamente familiar.

Poucos pesquisadores se interessaram muito por esse fenômeno, mas Anne Cleary, da Universidade Estadual do Colorado em Fort Collins, é quem o fez.

Ela tem prestado atenção especial à mecânica cerebral dessa experiência há alguns anos e, recentemente, ela estendeu seu projeto para responder à pergunta: a sensação de premonição frequentemente associada ao déjà vu tem uma base real?

Os resultados deste estudo – que Cleary co-liderou com o ex-aluno de pós-graduação Alexander Claxton – já foram publicados na revista.

Um fenômeno de lembrança frustrada

Em sua nova pesquisa, Cleary e Cox induziram a experiência do déjà vu nos participantes do estudo a fim de testar a co-ocorrência de sentimentos premonitórios e ver se tais sentimentos eram consistentes com a situação real.

Em outras palavras, os pesquisadores queriam ver se as pessoas que tiveram uma experiência de déjà vu poderiam realmente prever o que viria a seguir, ou se essa sensação era apenas um truque da mente.

Para induzir o déjà vu, Cleary usou uma estratégia que ela havia testado com sucesso em um estudo anterior.

Em 2012, ela argumentou que a sensação de “já ter visto” é um fenômeno relacionado à memória, semelhante à sensação de palavras que nos iludem – bem como quando temos uma palavra “na ponta da nossa língua”, por assim dizer. mas, por mais que tentemos, não podemos nos lembrar disso, apesar de sabermos que sabemos disso.

Cleary descobriu que quando experimentamos déjà vu, pode ser porque o contexto nos lembra de algo que já vimos ou experimentamos na vida real, mas que não podemos mais lembrar corretamente.

Assim, podemos ter a sensação de que já estivemos em um lugar totalmente novo, se, por exemplo, nos lembrar de um lugar antes visto de um trem, mas que já não estamos conscientes de que já vimos.

“Não podemos nos lembrar conscientemente da cena anterior, mas nossos cérebros reconhecem a similaridade”, explica Cleary. “Essa informação surge como a sensação inquietante de que estivemos lá antes, mas não podemos determinar quando ou por quê.”

Tanto o sentimento de déjà vu quanto o de “ponta da língua” são conhecidos como fenômenos de “metamemória”: quando sabemos que nos lembramos, ou que devemos lembrar, algo.

“Minha hipótese de trabalho é que déjà vu é uma manifestação particular de familiaridade. Você tem familiaridade em uma situação em que você acha que não deveria ter, e é por isso que é tão chocante, tão impressionante.”

Anne Cleary

Déjà vu e premonições

Em seu estudo recente, Cleary e Cox fizeram os participantes experimentarem o déjà vu pedindo-lhes que explorassem paisagens virtuais 3D.

A estratégia era simples: as paisagens eram mapeadas de forma idêntica, mas pareciam completamente diferentes – por exemplo, às vezes os participantes viam a cena do ferro-velho, enquanto em outras vezes eles tinham um jardim de sebes.

Em cada caso, “o movimento através da cena parou antes de uma virada crítica”. Portanto, todos os participantes sentiram que já haviam visto uma paisagem em particular porque tinham – mas de uma forma completamente diferente.

Então, os pesquisadores testaram se os participantes com déjà vu que achavam que poderiam prever o próximo turno seriam capazes de fazê-lo corretamente, ou se estavam apenas sendo enganados por seus cérebros.

Tal truque da mente, explica Cleary, seria explicado por uma teoria particular da memória, que argumenta que armazenamos memórias para que possamos aprender a “prever” situações futuras. Isso pode nos permitir garantir que sobrevivamos e prosperemos.

Os pesquisadores viram que aproximadamente metade dos participantes que relataram déjà vu também disseram que tinham sensações premonitórias. Mas “a probabilidade de escolher o turno correto durante […] o déjà vu” não era mais forte do que a probabilidade de escolher uma direção errada.

Em resumo, enquanto podemos pensar que podemos prever o que vai acontecer a seguir em uma experiência de déjà vu, essa impressão permanece sem fundamento na realidade.

Agora, Cleary está conduzindo experimentos de acompanhamento focados no sentimento de que “você só sabe o que deve acontecer a seguir”.

Ao fazer isso, ela espera obter uma melhor compreensão do que causa esse sentimento e se ele está realmente relacionado à sensação de familiaridade.

Like this post? Please share to your friends: