Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Pílula de leucemia “pode ​​derreter” células cancerígenas

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, houve um número estimado de 48.610 novos casos de leucemia no ano passado, com 23.720 mortes pela doença. Agora, uma nova pesquisa sugere que uma pílula tomada duas vezes por dia pode transformar o câncer de sangue em uma doença tratável e permitir que os pacientes evitem a quimioterapia.

A equipe, liderada por pesquisadores da Weill Cornell Medical College, em Nova York, concentrou suas pesquisas na leucemia linfocítica crônica (LLC) – a segunda forma mais comum da doença entre os adultos.

A LLC é uma doença do sangue e da medula óssea que pode ocorrer quando a medula óssea produz uma quantidade excessiva de linfócitos – um tipo de glóbulo branco.

Estes linfócitos tornam-se anormais e são incapazes de prevenir a infecção. O aumento do número destas células do sangue também deixa espaço limitado para glóbulos brancos saudáveis, glóbulos vermelhos e plaquetas. Isso pode causar anemia, infecção e sangramento fácil.

A LLC geralmente é tratada com medicamentos quimioterápicos. Embora a maioria dos pacientes responda a essas drogas, os pesquisadores dizem que a maioria dos pacientes recai e precisa de ciclos repetidos dos tratamentos.

Com cada ciclo, os períodos de remissão tendem a diminuir. Os pesquisadores dizem que, como resultado, os pacientes geralmente param de responder ao tratamento ou são forçados a parar devido a efeitos colaterais graves.

De acordo com os pesquisadores, esses efeitos colaterais são um resultado da medicação quimioterápica sendo incapaz de distinguir entre células saudáveis ​​e células cancerígenas.

Com isso em mente, a equipe de pesquisa se propôs a encontrar um tratamento alternativo.

Resultados ‘notáveis’ para o idelalsib

Para o seu estudo, publicado em, os pesquisadores testaram uma combinação de dois medicamentos-alvo – medicamentos que podem atacar as células cancerígenas sem danificar as células saudáveis ​​- em 220 pacientes com leucemia linfocítica crônica que não puderam se submeter à quimioterapia.

Os tratamentos combinados foram:

  • Rituximab e idelalsib, ou
  • Rituximab e uma pílula placebo.

Os pesquisadores descobriram que, em comparação com o grupo que recebeu rituximabe e placebo, os pacientes que receberam rituximabe e idelalsib evitaram a progressão da doença por um período mais longo.

Ao monitorar os pacientes 6 meses após o tratamento, 93% dos pacientes que receberam tratamento com rituximabe e idelalsib não apresentaram progressão da doença, em comparação com 46% dos pacientes que foram tratados com rituximabe e um placebo.

Além disso, os pesquisadores descobriram que 81% dos pacientes responderam ao tratamento com rituximabe e idelalsib, enquanto apenas 13% responderam ao tratamento com rituximabe e placebo.

E um ano após a linha de base do estudo, 92% dos pacientes tratados com rituximabe e idelalsib ainda estavam vivos, em comparação com 80% dos pacientes com rituximabe e placebo.

A equipe de pesquisa diz que a combinação de rituximabe e idelalsib mostrou-se tão bem-sucedida em pacientes que o estudo foi interrompido precocemente para que todos os pacientes prescrevessem o tratamento.

Comentando os resultados, o Dr. Richard Furman, do Weill Cornell Medical College e principal pesquisador do estudo, diz:

“Nós vimos respostas incríveis em pacientes que usaram idelalisib. O câncer rapidamente desapareceu. Esses tipos de respostas foram vistos em pacientes que não responderam à quimioterapia”.

Dr. Furman observa que os pacientes resistentes à quimioterapia tendem a ser os pacientes mais difíceis de tratar. Mas ele diz que até mesmo esses pacientes responderam ao tratamento dentro de uma semana.

‘Essas drogas vão mudar a vida dos pacientes’

Estas novas descobertas seguem a partir de um ensaio clínico de fase II que a equipe realizou no ano passado, que descobriu que o ibrutinib – também um medicamento contra o câncer – foi eficaz contra o linfoma de células do manto. Esta é uma forma rara de leucemia.

O Dr. Furman já usa o ibrutinibe como a primeira opção de tratamento para os pacientes, permitindo que eles evitem a quimioterapia completamente.

Ele diz que essas descobertas mais recentes, combinadas com suas pesquisas anteriores, sugerem que o ibrutinibe e o idelalisibe podem ultrapassar a quimioterapia como a opção de tratamento preferencial para a leucemia.

Ele adiciona:

“Essas drogas vão mudar a vida de muitos pacientes. Dadas as toxicidades a longo prazo da quimioterapia, levando à insuficiência da medula óssea, infecções e morte, movendo a terapia na frente no algoritmo de tratamento e fornecendo a todos os pacientes é o próximo passo. “

recentemente relatou um estudo detalhando como um processo celular de combate a infecção pode ser uma causa de leucemia infantil.

Like this post? Please share to your friends: