Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Parkinson: Poderia esta droga existente parar a progressão da doença?

Os pesquisadores descobriram que uma molécula na droga niclosamida tênia pode ser capaz de proteger contra danos neuronais relacionados à doença de Parkinson. As descobertas nos aproximam de retardar ou até mesmo impedir a neurodegeneração nessa doença.

mãos idosas segurando comprimidos e água

Os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) estimam que cerca de 500.000 indivíduos nos Estados Unidos têm a doença de Parkinson, e que a cada ano, cerca de 50.000 pessoas são diagnosticadas com a doença.

A doença ainda não tem cura, mas os pesquisadores estão trabalhando duro para tentar entender melhor e projetar drogas que retardam a degeneração dos neurônios.

Recentemente, os cientistas têm se concentrado em uma proteína-chave chamada PINK1, que acredita-se ter um papel protetor contra a neurodegeneração.

No início deste ano, pesquisadores da Universidade de Dundee, na Austrália, examinaram o papel do PINK1, na esperança de que ele “levasse ao desenvolvimento de novos medicamentos que poderiam ser projetados para” ligar “o PINK1 em benefício de pacientes com Parkinson. “

Agora, pesquisadores da mesma universidade – em colaboração com cientistas da Universidade de Cardiff, no Reino Unido – podem ter encontrado tal droga.

A equipe foi liderada pelo Dr. Youcef Mehellou, da Faculdade de Farmácia e Ciências Farmacêuticas da Universidade de Cardiff, e pelo Dr. Miratul Muqit, neurologista consultor da Unidade de Fosforilação e Ubiquitinação da Proteína MRC na Escola de Ciências da Vida da Universidade. de Dundee.

Eles mostram que uma droga normalmente usada para tratar infecções por tênia pode nos aproximar da paralisação da neurodegeneração relacionada à Parkinson.

Erica Barini é a primeira autora do artigo e as descobertas foram publicadas na revista.

Droga tênia ativa a proteína protetora

A droga é chamada niclosamida, e a nova pesquisa mostra que ela contém uma molécula que efetivamente ativa a proteína PINK1.

Além disso, o estudo mostra que a droga e seus análogos podem aumentar o desempenho do PINK1 em células cerebrais e neurônios. “Notavelmente”, escrevem os autores, “detectamos pela primeira vez a ativação da via PINK1-Parkin em neurônios e demonstramos que ela pode ser desencadeada por pequenas moléculas”.

A niclosamida é aprovada e tem sido usada com segurança em humanos para tratar infecções por helmintos, ou tênia, por cerca de 50 anos. A droga está atualmente sendo testada para tratar vários tipos de câncer humano e artrite reumatóide.

Reaproveitar os medicamentos existentes pode ser uma maneira eficaz em termos de custo e tempo de abordar condições que são notoriamente difíceis de tratar.

“Nossos dados sugerem que a niclosamida e / ou seus análogos podem ter um benefício terapêutico na redução da doença de Parkinson”, escrevem Barini e colegas. No entanto, eles admitem, mais estudos in vivo em modelos animais de Parkinson são necessários para validar ainda mais essa hipótese.

“Usando [niclosamida], demonstramos pela primeira vez que a via PINK1 é ativa e detectável em neurônios primários”, escrevem os autores.

Os pesquisadores concluíram, “Nossas descobertas sugerem que a niclosamida e seus análogos são compostos robustos para estudar a via da PINK1 e podem ser promissores como uma estratégia terapêutica no Parkinson e em distúrbios relacionados”.

“Este trabalho representa o primeiro relato de um medicamento usado clinicamente para ativar o PINK1 e pode ser promissor no tratamento da doença de Parkinson. […] Esta é uma fase empolgante de nossa pesquisa, e estamos otimistas sobre o impacto a longo prazo na vida dos pacientes “.

Dr. Youcef Mehellou

“Vamos agora levar as nossas descobertas para o próximo nível, avaliando a capacidade da niclosamida para tratar a doença de Parkinson em modelos de doença”, acrescenta o Dr. Mehellou.

Like this post? Please share to your friends: