Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Paralisia das cordas vocais: tratamento e mais

Paralisia das pregas vocais, também conhecida como paralisia das cordas vocais, é a incapacidade de uma ou ambas as cordas vocais (pregas vocais) se moverem.

Isso pode ter um grande impacto na vida diária do paciente, incluindo emprego, escolha de trabalho, interações sociais e atividades de lazer.

Neste artigo, vamos olhar para as causas, diagnóstico e tratamento da paresia das cordas vocais.Fatos rápidos sobre paralisia das pregas vocais

Aqui estão alguns pontos-chave sobre a paralisia das cordas vocais. Mais detalhes e informações de suporte estão no artigo principal.

  • Paralisia das cordas vocais é causada por lesão do nervo
  • A doença pode causar vários problemas, incluindo a incapacidade de falar
  • Tosses e espirros podem se tornar ineficazes, permitindo o acúmulo de fluidos e possíveis infecções
  • Terapia por voz pode ajudar em certas circunstâncias
  • Às vezes, nenhuma causa subjacente para a condição pode ser encontrada.

O que é paralisia das cordas vocais?

[Cordão vocal e traquéia]

A condição é causada por danos nos nervos que vão para as cordas vocais – os impulsos nervosos na laringe (caixa de voz) são interrompidos, resultando em paralisia dos músculos das cordas vocais. Também pode ser causado por danos cerebrais.

Os pacientes com paralisia vocal tipicamente apresentam rouquidão, fadiga vocal, redução leve a severa do volume da fala, dor na garganta ao falar e engolir coisas pelo caminho errado e asfixia.

As cordas vocais, além de nos permitirem emitir declarações (falar, etc.), também protegem as vias aéreas, impedindo que alimentos, bebidas e saliva entrem na traquéia (traqueia). Em casos extremos, o sufocamento resultante pode levar à morte.

Indivíduos com paralisia das pregas vocais podem achar que a eficácia da tosse, deglutição ou espirros na remoção do resíduo da área laríngea é prejudicada na redução da mobilidade das pregas vocais. Isso pode resultar em acumulações na área, permitindo colonização bacteriana e viral, infecções subsequentes e desconforto na garganta.

Tratamento para paralisia das cordas vocais

O tratamento da paralisia das pregas vocais depende de vários fatores, incluindo o que causou, como os sintomas são graves e por quanto tempo eles estão presentes. O paciente pode ser aconselhado a ter terapia de voz, cirurgia ou ambos.

Terapia de voz

A terapia da voz é o equivalente à fisioterapia para paralisia muscular grande. O terapeuta pede ao paciente para fazer exercícios especiais e algumas outras atividades para fortalecer as cordas vocais, melhorar a respiração e controlar enquanto fala, prevenir tensões incomuns em outros músculos perto da (s) corda (s) vocal (ais) afetada (s) e proteger as vias aéreas de líquidos e sólidos .

Cirurgia

Se o paciente não se recuperar completamente com terapia de voz, o médico pode recomendar uma intervenção cirúrgica. Existem várias opções cirúrgicas:

Injeção em massa – o músculo da corda vocal provavelmente será fraco devido à paralisia do nervo. O otorrinolaringologista (médico especialista em ouvido, nariz e garganta) pode injetar gordura, colágeno ou algum preenchimento na corda vocal.

O volume extra leva a corda vocal mais para o meio da laringe (caixa de voz), tornando mais fácil para o músculo do cordão oposto se mover efetivamente quando o paciente tosse, engole ou fala.

Fonocirurgia (reposicionamento das cordas vocais) – esta operação reposiciona e / ou remodela a prega vocal (cordão) para melhorar as funções de voz.

Traqueotomia – se ambas as pregas vocais (cordas) forem afetadas e muito próximas uma da outra, a respiração será mais difícil devido à diminuição do fluxo de ar.

O médico faz uma incisão (corte) na frente do pescoço e uma abertura é criada na traquéia (traqueia). Um tubo de respiração é inserido para que o paciente possa respirar com o ar contornando as cordas vocais paralisadas.

Simplificando, o paciente respira através de um orifício no pescoço porque a abertura na laringe é pequena demais para uma respiração adequada.

Causas da paralisia das cordas vocais

[Brain scans]

Os médicos nem sempre sabem o que causa a paralisia das pregas vocais, mas as seguintes são causas conhecidas:

Lesão no peito ou no pescoço: um trauma pode danificar os nervos que servem as cordas vocais ou a laringe

Acidente vascular cerebral: a parte do cérebro que envia mensagens para a laringe (caixa de voz) pode ser danificada por um acidente vascular cerebral

Tumores: estes podem se desenvolver em torno ou nas cartilagens, nervos ou músculos da caixa de voz. Os tumores podem ser benignos ou malignos (cancerosos)

Inflamação ou cicatrização das articulações das cordas vocais: bem como o espaço entre as duas cartilagens das cordas vocais pode impedir que a laringe funcione adequadamente. Embora os nervos do cordão normalmente funcionem corretamente, a inflamação pode causar sinais e sintomas semelhantes aos da paralisia das cordas vocais. Algumas infecções também podem causar inflamação.

A paralisia das pregas vocais também pode ser idiopática, o que significa que não há causa identificável.

Os sintomas da paralisia das cordas vocais

[Doutor examinando a boca do paciente]

As cordas vocais consistem em duas faixas musculares, localizadas na traqueia (entrada da traqueia).

Quando fazemos um enunciado (produzindo som a partir da boca), as duas faixas de tecido muscular se tocam e vibram.

Quando não estamos emitindo sons, as cordas vocais estão em uma posição aberta e relaxada, permitindo que o ar flua livremente em nossa traqueia – permitindo-nos respirar.

A maioria dos casos de paralisia das pregas vocais envolve apenas uma corda paralisada. No entanto, às vezes, ambos são afetados, e é provável que o paciente tenha dificuldade para engolir e respirar.

Sinais e sintomas potenciais de paralisia das pregas vocais incluem:

  • Mudanças na voz – pode se tornar mais “ofegante”, como um sussurro alto
  • Rouquidão, rouquidão
  • Respiração ruidosa
  • Mudanças no pitch vocal
  • Tosse que não limpa a garganta corretamente
  • Ao engolir sólidos ou líquidos, o paciente pode engasgar (incluindo saliva às vezes)
  • Ao falar, o sofredor pode ter que recuperar o fôlego com mais freqüência do que o habitual
  • O volume da voz pode ser afetado – o paciente pode não conseguir levantar a voz
  • O reflexo faríngeo (reflexo de ânsia de vômito) pode ser perdido – o reflexo faríngeo é uma contração reflexa da parte posterior da garganta, provocada pelo toque no palato mole. Isso impede que algo entre na garganta, exceto como parte da deglutição normal, e ajuda a prevenir asfixia.

Complicações possíveis

Respiração – se os sintomas forem graves o suficiente, o paciente pode ter sérios problemas respiratórios com risco de vida.

Aspiração – porque há paralisia na área em que a comida ou o líquido pode descer pelo caminho errado (aspiração), existe o risco de asfixia. A aspiração pode levar a pneumonia grave.

Diagnosticando paralisia das cordas vocais

Inicialmente, o paciente provavelmente verá um médico que perguntará sobre os sintomas e verificará alguns sinais, como ouvir a voz deles e perguntar há quanto tempo houve problemas.

Os seguintes testes de diagnóstico também podem ser solicitados:

Endoscopia – um tubo longo, fino e flexível (endoscópio) é usado para observar as cordas vocais. Um dispositivo especial com uma pequena câmera no final (videostrobolaringoscopia) pode ser usado. O médico pode dar uma boa olhada nas cordas vocais de um monitor.

Eletromiografia laríngea (EMGL) – são medidas as correntes elétricas nos músculos da laringe. Pequenas agulhas são inseridas nos músculos das cordas vocais através da pele do pescoço. O teste mede a força do sinal neuromuscular do cérebro para os músculos que controlam as pregas vocais (cordas). Durante uma LEMG, o médico pedirá ao paciente para executar uma série de tarefas que normalmente ativariam os músculos.

Outros exames – o médico pode pedir exames de sangue e exames de imagem, como raios-X, tomografia computadorizada, ressonância magnética para ajudar a determinar a causa da paralisia.

Fatores de risco

Um fator de risco é algo que aumenta a probabilidade de desenvolver uma condição ou doença. Por exemplo, a obesidade aumenta significativamente o risco de desenvolver diabetes tipo 2. Portanto, a obesidade é um fator de risco para o diabetes tipo 2.

A seguir estão os fatores de risco para paralisia das pregas vocais:

Alguns tipos de cirurgia: especialmente cirurgia de peito ou garganta. Tubos respiratórios usados ​​na cirurgia podem danificar as cordas vocais nervosas. A cirurgia cardíaca representa um risco para a função normal da voz, já que os nervos que servem a laringe são direcionados para perto do coração – o dano a esse nervo durante uma cirurgia cardíaca aberta não é incomum.

O nervo laríngeo recorrente também corre perto da glândula tireoide, a rouquidão da voz devido à paralisia parcial é um importante efeito colateral da cirurgia da tireoide.

Certas condições neurológicas: pessoas com esclerose múltipla (EM), doença de Parkinson ou miastenia gravis apresentam um risco maior de desenvolver paralisia das pregas vocais, em comparação com outros indivíduos. O risco de fraqueza das cordas vocais é maior que a paralisia

Outlook

O Outlook depende da causa da condição e de como ela é tratada. No entanto, em muitos casos, o indivíduo manterá sua voz falada após o tratamento. No entanto, pode não ser tão poderoso e atividades como cantar poderiam ser mais difíceis.

Like this post? Please share to your friends: