Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Para o cérebro, a privação de sono é “como beber demais”

Novas pesquisas confirmam que a falta de sono adequado tem um impacto severo na forma como o cérebro funciona, com conseqüências potencialmente perigosas que surgem na vida diária.

motorista cansado

Ultimamente, muitos estudos têm focado em como o sono afeta as formas em que nossos corpos funcionam, e especialmente em como isso afeta o cérebro.

Estudos recentemente cobertos sugeriram que o quanto – e quão bem – dormimos pode ser fundamental na aprendizagem visual, na consolidação da memória e no desaprender necessário.

Novas pesquisas da Escola de Medicina David Geffen da Universidade de Los Angeles, Califórnia (UCLA) e da Universidade de Tel Aviv, em Israel, agora confirmam que as pessoas privadas de sono experimentam lapsos de memória e podem lidar com a percepção visual distorcida; a comunicação entre os neurônios é temporariamente prejudicada.

“Descobrimos que privar o corpo do sono também rouba os neurônios da capacidade de funcionar adequadamente. Isso abre o caminho para lapsos cognitivos em como percebemos e reagimos ao mundo ao nosso redor.”

Autor do estudo sênior, Dr. Itzhak Fried

Os resultados do estudo foram publicados na revista.

Neurônios “lentos” se comunicam ineficientemente

Os pesquisadores trabalharam com 12 pessoas com epilepsia, que também foram registradas como pacientes com UCLA. Todos os participantes tiveram implantes de eletrodos em seus cérebros, com o objetivo de registrar onde suas crises se originaram no período que antecedeu a cirurgia.

Como parte de sua avaliação, as convulsões foram induzidas por insônia: os participantes foram mantidos acordados durante a noite até que tiveram uma convulsão, para que a atividade elétrica no cérebro pudesse ser devidamente monitorada.

No experimento, os participantes receberam uma tarefa de categorização na qual eles tinham que ordenar diferentes imagens em categorias o mais rápido possível.

Enquanto realizavam essa tarefa, os pesquisadores se concentraram na atividade elétrica no lobo temporal do cérebro, que tem sido associada à memória e ao reconhecimento visual.

Os cientistas notaram que quanto mais sonolentos e mais cansados ​​os participantes se tornavam, mais difíceis eles encontravam a tarefa, e mais lentamente eles se davam.

“Ficamos fascinados ao observar como a privação do sono diminuiu a atividade das células cerebrais”, explica o principal autor do estudo, Dr. Yuval Nir. Ele observa que, com a falta de sono, as células cerebrais tornaram-se “lentas” e a comunicação neural foi prejudicada.

“Ao contrário da reação rápida usual”, ele diz, “os neurônios responderam lentamente, dispararam mais fracamente e suas transmissões se arrastaram mais do que o normal”.

O que aconteceu foi que a falta de sono afetou a eficácia com que os neurônios codificavam informações regulares e como os estímulos visuais eram transpostos para a percepção consciente.

Atividade em cérebros cansados ​​é “sonolenta”

Os cientistas citaram algumas pesquisas existentes que detalharam alguns efeitos potencialmente catastróficos da privação de sono. Quando os motoristas estão cansados, por exemplo, a atenção deles vagueia porque os neurônios não estão reagindo tão eficientemente quanto deveriam.

“O próprio ato de ver o pedestre fica mais lento no cérebro cansado do motorista. Leva mais tempo para o cérebro registrar o que ele está percebendo”, diz o Dr. Nir.

Também foi descoberto que as células cerebrais que demoravam mais para responder estavam associadas a ondas cerebrais mais lentas – como aquelas normalmente registradas durante as fases do sono – e que essa atividade em câmera lenta estava localizada nas mesmas regiões cerebrais.

“Ondas lentas do sono interromperam a atividade cerebral dos pacientes e o desempenho das tarefas”, explica o Dr. Fried. “Esse fenômeno sugere que regiões selecionadas do cérebro dos pacientes estavam cochilando, causando lapsos mentais, enquanto o resto do cérebro estava acordado e correndo como de costume”.

Os pesquisadores insistem que a privação do sono deve ser levada muito mais a sério do que atualmente, dados seus perigos reais. O Dr. Fried chega até a comparar a falta de sono com o excesso de bebida alcoólica e sugere que ações mais adequadas devem ser tomadas contra a condução cansada.

“O sono inadequado exerce uma influência semelhante em nosso cérebro como beber demais”, diz Dr. Fried. “No entanto, não existem padrões legais ou médicos para identificar motoristas cansados ​​na estrada da mesma forma que direcionamos motoristas bêbados”.

Os cientistas observam que estudos futuros devem visar os mecanismos cerebrais responsáveis ​​pelos lapsos de memória e percepção, bem como ressaltar os benefícios de uma boa noite de sono.

Like this post? Please share to your friends: