Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Pacientes de coma mostram melhora na recuperação da audição de vozes familiares

Tem sido um dispositivo de enredo dramático dentro de incontáveis ​​filmes e novelas, mas agora um novo estudo da Northwestern Medicine e Hines VA Hospital, ambos em Illinois, tentou responder a pergunta: podem as vozes de familiares e entes queridos realmente acordar coma pacientes da inconsciência?

garota em coma

Um coma é definido como uma condição inconsciente na qual o paciente é incapaz de abrir os olhos. Quando um paciente começa a se recuperar de um coma, ele progride primeiro para um estado minimamente consciente ou “vegetativo”, embora esses estados possam durar de algumas semanas a vários anos.

A autora principal, Theresa Pape, foi inspirada a conduzir o novo estudo – cujos resultados são publicados na revista – enquanto trabalhava como fonoaudióloga em pacientes em coma com traumatismo cranioencefálico. Pape observou que os pacientes pareciam responder melhor a membros da família do que a estranhos.

A partir disso, Pape começou a se perguntar se a capacidade de recuperação dos pacientes poderia aumentar se os terapeutas fossem capazes de estimular e exercitar o cérebro das pessoas enquanto estivessem inconscientes.

Como parte do estudo randomizado, controlado por placebo, 15 pacientes com traumatismos cranianos fechados que estavam em um estado minimamente consciente foram inscritos no Treinamento Auditivo Sensorial Familiar (FAST). Os 12 homens e três mulheres tinham uma idade média de 35 anos e estavam em estado vegetativo por uma média de 70 dias antes do início do tratamento FAST.

No início do estudo, Pape e seus colegas usaram sinos e assobios para testar a resposta dos pacientes à informação sensorial. Eles também avaliaram se os pacientes eram capazes de seguir as instruções para abrir os olhos ou se podiam rastrear visualmente alguém andando pela sala.

A ressonância magnética (MRI) também foi usada para obter uma impressão básica de como os níveis de oxigênio no sangue dos pacientes mudaram enquanto ouvia vozes familiares e desconhecidas contam histórias diferentes.

Os terapeutas então pediram às famílias dos pacientes que olhassem os álbuns de fotos para identificar e reunir pelo menos oito histórias importantes sobre eventos que o paciente e sua família participaram juntos.

“Pode ser um casamento de família ou uma viagem especial juntos, como ir visitar faculdades”, explica Pape. “Tinha que ser algo que eles se lembrariam, e nós precisávamos trazer as histórias para a vida com sensações, temperatura e movimento. Famílias descreveriam o ar passando pelo paciente enquanto ele cavalgava no Corvette com o topo abaixado ou o ar frio em seu rosto enquanto ele esquiava pela encosta de uma montanha “.

Os pacientes foram mais responsivos a vozes desconhecidas após 6 semanas de terapia

As histórias foram ensaiadas e gravadas pelas famílias e depois tocadas para os pacientes em coma durante 6 semanas. Após este período de escuta, os testes de ressonância magnética foram repetidos, com os níveis de oxigênio no sangue sendo tomadas enquanto os pacientes ouviram suas histórias sendo contadas por vozes familiares e desconhecidas.

A ressonância magnética registrou uma mudança nos níveis de oxigênio quando a voz desconhecida estava contando a história, mas não houve mudança dos níveis de referência para a voz familiar.

Pape diz que essas descobertas demonstram uma maior capacidade de processar e compreender a fala entre os pacientes, pois são mais sensíveis à voz desconhecida que conta a história: “No início, eles não prestaram atenção àquela voz não familiar. Mas agora eles estão processando o que essa pessoa está dizendo. ”

Neste ponto do tratamento, os pesquisadores também descobriram que os pacientes eram menos responsivos ao som de um pequeno sino tocando do que estavam no início do estudo. A equipe acredita que isso indica que os pacientes agora eram mais capazes de discriminar entre diferentes tipos de informações de áudio e decidir o que é mais importante ouvir.

“A voz de minha mãe contando a eles histórias familiares repetidas vezes ajudou seus cérebros a prestar atenção a informações importantes, em vez da campainha”, diz Pape. “Eles conseguiram filtrar o que era relevante e o que não era.”

As primeiras duas semanas foram o período mais importante para o tratamento e demonstraram os maiores ganhos. As 4 semanas restantes de tratamento tiveram ganhos menores e mais incrementais.

“Isso dá esperança às famílias e algo que elas podem controlar”, diz Pape sobre o tratamento, recomendando que as famílias trabalhem com um terapeuta para ajudar a construir histórias que aumentem as outras terapias pelas quais o paciente possa estar passando.

Agora, a equipe está analisando os dados do estudo para investigar se o tratamento FAST fortaleceu os axônios – as fibras que compõem a “fiação” do cérebro e transmitem sinais entre os neurônios.

Like this post? Please share to your friends: