Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O seu café contém micotoxinas?

Aquela primeira xícara de café é pura felicidade para aquelas pessoas que precisam de sua dose de cafeína matinal, seja preparada com leite, açúcar ou simplesmente preta. Mas que tal um pouco de micotoxinas? Um novo estudo confirma a presença destes metabólitos tóxicos produzidos por fungos em amostras comerciais de café, levando a preocupações sobre os riscos potenciais para a saúde pública.

Café

O estudo – liderado pela Dra. Emilia Ferrer, da Universidade de Valência, na Espanha – é publicado na revista.

Ela e seus colegas explicam que as micotoxinas são compostos produzidos por fungos filamentosos – como ou – que causam doenças e problemas de saúde. Estes compostos podem ser carcinogênicos e podem afetar os sistemas hormonal e imunológico.

As micotoxicoses são o efeito tóxico das micotoxinas na saúde animal e humana. A exposição a estes compostos é tipicamente por ingestão, mas também pode ocorrer através da pele ou por inalação.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o interesse geral pelas micotoxinas surgiu em 1960, quando a doença do peru X – uma forma de micotoxicose relacionada à alimentação animal – surgiu em animais de criação na Inglaterra.

A partir disso, veio à tona que essas toxinas são hepatocarcinogens – agentes que causam câncer no fígado – e, assim, iniciaram pesquisas mais amplas sobre as micotoxinas.

A presença dessas toxinas em grãos, nozes e outros produtos suscetíveis a fungos é determinada por fatores ambientais, incluindo temperatura, umidade e quantidade de chuva durante os ciclos de colheita.

Como a ocorrência de micotoxinas em alimentos e rações não é totalmente evitável, as regulamentações permitem que pequenas quantidades dessas toxinas estejam presentes nesses produtos.

Neste último estudo, os pesquisadores realizaram sua análise usando uma metodologia chamada espectrometria de massa em tandem-cromatografia líquida (LC-MS / MS), que envolve o acoplamento de uma técnica de separação molecular com outra técnica para identificar com precisão as moléculas de acordo com seus pesos.

Cinco amostras excedem os níveis permitidos

O Dr. Ferrer e colegas analisaram 100 amostras de café vendidas em supermercados na Espanha para confirmar a presença de micotoxinas.

Em detalhe, eles descobriram a presença de fumonisinas, aflatoxinas, tricotecenos e micotoxinas emergentes em concentrações variando de 0,10-3,570 μg / kg. Eles também descobriram que cinco das amostras continham ocratoxina A em quantidades que excedem os níveis máximos permitidos atuais.

“A única micotoxina legislada é a ocratoxina A”, diz o Dr. Ferrer. “Detectamos baixas concentrações desta micotoxina nas amostras de café, embora cinco das amostras tenham excedido os níveis permitidos”.

A ocratoxina A foi anteriormente associada a doenças renais e tumores da urotelia em humanos e, como tal, a legislação europeia estabeleceu um nível máximo permitido de 5 μg / kg para grãos de café torrados ou café moído e 10 μg / kg para café solúvel ou instantâneo .

Os pesquisadores explicam que as cinco amostras que excederam esse limite consistiram em duas amostras de café descafeinado (6,20 e 9,30 μg / kg), duas amostras de café contendo 6,91 e 11,43 μg / kg e uma cápsula de café descafeinado (32,40 μg / kg).

‘Controle rigoroso de alimentos é de considerável importância’

Embora a cápsula de café descafeinado tenha ultrapassado o limite de seis vezes, os pesquisadores dizem que seus resultados “não são alarmantes”. Eles, no entanto, recomendam uma avaliação de risco à saúde da população que a exposição a micotoxinas do café apresenta.

Comentando sobre suas descobertas, o Dr. Ferrer diz:

“A falta de legislação sobre o café em relação ao resto das micotoxinas que foram detectadas, seus efeitos tóxicos e os valores de concentração obtidos estão tornando necessária a atenção especial a esses contaminantes presentes em um produto que é consumido muito. “

Pesquisadores estão atualmente estudando a possível redução ou interação de micotoxinas com componentes do café e outros produtos alimentícios, já que nem todos funcionam da mesma maneira. Esta pesquisa também está analisando os efeitos de diferentes tecnologias de tratamento de café, incluindo tempo e temperatura.

A OMS afirma que, dados os padrões atuais de comércio, micotoxicoses que surgem de alimentos contaminados – cultivados localmente ou importados – podem ocorrer tanto em países desenvolvidos quanto em desenvolvimento.

“O controle rigoroso de alimentos e rações e medidas apropriadas de saúde pública são, portanto, de considerável importância na redução dos riscos à saúde humana e animal”, acrescenta a organização.

Apesar desses riscos para a saúde associados às micotoxinas no café, tem havido muitos estudos sobre os benefícios para a saúde do café, incluindo a melhora da sobrevida para pacientes com câncer de cólon e a redução do risco de melanoma.

Like this post? Please share to your friends: