Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O risco de câncer de mama pode ser previsto por moles na pele?

publicou simultaneamente dois novos estudos descobrindo que os nevos cutâneos – ou nevos cutâneos – podem ser um preditor de câncer de mama. As duas equipes – dos EUA e da França – descobriram que as mulheres com maior número de moles estão mais em risco de desenvolver câncer de mama.

Moles são tumores de pele benignos que ocorrem com mais frequência em pessoas de pele clara do que de pele escura. Indivíduos podem nascer com moles ou eles podem adquiri-los ao longo da vida. Estudos de gêmeos mostraram que existe uma influência genética de 40-80% sobre a extensão em que as pessoas desenvolvem sinais, e a exposição solar na infância também é considerada um fator contribuinte.

Alguns estudos mostraram que mulheres com um número maior de mols correm mais risco de doenças influenciadas por hormônios, como endometriose, leiomioma e doenças da tireoide.

O número de moles que uma pessoa pode adquirir – assim como o risco de melanoma – também foi associado ao gene CDKN2A. A inativação desse gene – que está implicado na regulação do ciclo celular – está associada ao câncer de mama.

Pesquisadores franceses encontram associação entre o número de moles e o risco de câncer de mama

Portanto, a equipe de pesquisadores franceses – do Instituto Nacional da Saúde e da Pesquisa Médica (INSERM) – decidiu investigar se o número de pintas está associado ao risco de câncer de mama.

Para fazer isso, eles analisaram dados da Coorte de Estudos dos Professores da E3N na França, que acompanharam 89.902 mulheres por 18 anos. As mulheres foram solicitadas a relatar se não tinham, algumas, muitas ou muitas moles.

As mulheres que relataram ter “muitos” moles foram encontrados para ter um risco 13% maior de câncer de mama do que as mulheres que relatam não ter moles. No entanto, quando os resultados foram ajustados para fatores de risco de câncer de mama conhecidos, a associação não foi mais estatisticamente significativa. Esses fatores de risco de confusão – como doença benigna da mama ou história familiar de câncer de mama – estão associados ao número de moles.

Em seu estudo, os autores escrevem que “uma relação causal entre o número de nevos e o risco de doença parece improvável”. No entanto, os pesquisadores especulam que os mesmos fatores genéticos podem contribuir para o desenvolvimento de câncer de mama e moles. Alternativamente, os pesquisadores sugerem que os níveis de hormônios sexuais podem influenciar o desenvolvimento de moles e câncer de mama.

Pesquisadores americanos investigam a influência hormonal na associação de câncer de mama-toupeira

A influência hormonal sobre moles e câncer de mama foi mais explorada pela equipe americana. Os autores – da Universidade de Indiana e da Universidade de Harvard – observaram que as pintas geralmente ficam maiores ou mais escuras durante a gravidez, o que sugere uma possível ligação entre moles e hormônios.

mulher tendo uma mamografia

Esta equipe analisou dados do US Nurses ‘Health Study – uma coorte de 74.523 enfermeiras, seguida por 24 anos. Os participantes foram solicitados a relatar o número de moles maiores que 3 mm em seu braço esquerdo.

Os pesquisadores descobriram que as mulheres que relataram 15 ou mais toupeiras tinham 35% mais chances de serem diagnosticadas com câncer de mama do que aquelas que não relataram nenhuma moléstia. A partir disso, eles calcularam que mulheres com 15 ou mais moles tinham um risco absoluto de 11,4% de desenvolver câncer de mama, comparado com um risco absoluto de 8,48% em mulheres sem moles.

Dentro de um subgrupo, a equipe também testou uma possível associação entre níveis elevados de hormônio e moles e câncer de mama. Eles escrevem:

“Descobrimos ainda que mulheres na pós-menopausa com mais nevos cutâneos tinham níveis mais altos de testosterona e estradiol totais e plasmáticos, e que o número de nevos cutâneos estava associado a um risco aumentado de câncer de mama apenas entre tumores [positivos], sugerindo que um efeito hormonal é subjacente a esta associação “.

Embora ambos os estudos encontrem uma associação entre o câncer de mama e o número de moles, nenhum estudo conseguiu identificar claramente o mecanismo que impulsiona essa associação. Os estudos levantam a possibilidade de o número de moles ser usado para prever o risco de câncer de mama, mas eles são incapazes de dar uma indicação de quão confiável este teste seria.

Além disso, como os estudos observaram principalmente participantes brancos, pode não ser possível generalizar os achados dos estudos para mulheres não brancas.

Like this post? Please share to your friends: