Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O resfriado comum: poderíamos estar perto de uma cura?

O resfriado comum desafiou a ciência médica por milênios; Ele superou tanto o nosso sistema imunológico quanto a indústria farmacêutica. No entanto, de acordo com um novo estudo, a ajuda pode estar próxima.

Mulher, cama, com, um, gelado

O resfriado comum apropriadamente chamado atinge o adulto médio de duas a três vezes por ano, e as crianças ainda mais regularmente.

Atualmente, não há como prevenir um resfriado comum e, uma vez que tenha chegado, não há como se livrar dele.

Apesar do mundo impressionantemente high-tech em que estamos vivendo, a pesquisa médica ainda não pode derrotar este inimigo. Tudo o que podemos fazer é tratar os sintomas e manter-se firme até que passe.

Por que o resfriado comum é difícil de resolver?

O resfriado comum evitou os avanços da ciência médica por duas razões principais. A primeira questão é que não há apenas um único culpado. Os resfriados são mais frequentemente causados ​​por um rinovírus – uma grande família de vírus com centenas de variantes. Isso torna a vacinação uma impossibilidade e dá ao nosso sistema imunológico uma tarefa desafiadora.

Em segundo lugar, esses vírus evoluem rapidamente – por isso, mesmo que pudéssemos produzir vacinas para cobrir todo o espectro de rinovírus, eles rapidamente se tornariam resistentes.

Embora lidar com um resfriado não seja um problema enorme para a maioria das pessoas, há boas razões para continuar procurando maneiras de combatê-lo. Uma pessoa envolvida na caçada é o Prof. Ed Tate, do Imperial College London, no Reino Unido. Ele explica a importância de combater o resfriado comum:

“O resfriado comum é um inconveniente para a maioria de nós, mas pode causar sérias complicações em pessoas com condições como asma e [doença pulmonar obstrutiva crônica]”.

Uma nova abordagem

Os cientistas estavam inicialmente procurando por um composto que visasse uma proteína em parasitas da malária. Eles encontraram duas moléculas prováveis ​​e descobriram que eram mais eficazes quando combinadas.

Usando técnicas avançadas, eles combinaram as duas moléculas e produziram um novo composto que bloqueia uma enzima encontrada nas células humanas, chamada N-myristoyltransferase (NMT).

Os vírus normalmente roubam o NMT das células humanas e o usam para criar uma camada protetora em torno de sua informação genética, conhecida como capsídeo. O NMT é vital para a sobrevivência dos vírus do resfriado; sem isso, eles não podem se replicar e se espalhar.

Todas as cepas do vírus do resfriado comum usam essa técnica, portanto, a inibição do NMT eliminaria todas as cepas do vírus do resfriado comum. Na verdade, também deve funcionar contra os vírus relacionados que causam a febre aftosa e a poliomielite.

Além disso, como a molécula atinge as células humanas em vez do vírus, a resistência não seria um problema. As descobertas da equipe foram publicadas recentemente na revista.

Os pesquisadores têm grandes esperanças para a droga, que atualmente está sob o codinome do IMP-1088.

“Uma droga como esta poderia ser extremamente benéfica se dada no início da infecção, e estamos trabalhando para fazer uma versão que possa ser inalada para que chegue aos pulmões rapidamente”.

Prof. Ed Tate

Embora outras drogas que têm como alvo as células humanas tenham sido testadas antes, o IMP-1088 é “mais de 100 vezes mais potente” do que seus antecessores.

Além disso, os medicamentos anteriores destinados a bloquear o TNM eram muito tóxicos para serem benéficos. Esta nova droga, no entanto, não danificou as células humanas cultivadas. Naturalmente, mais pesquisas serão necessárias para confirmar que o medicamento é seguro para uso.

Outra preocupação é delineada pelo Prof. Tate, que explica: “O modo como o medicamento funciona significa que precisaríamos ter certeza de que ele estava sendo usado contra o vírus do resfriado, e não condições semelhantes com causas diferentes, para minimizar a chance do lado tóxico efeitos. “

Então, nós não estamos lá ainda, mas estamos tão perto quanto já estivemos de uma cura para o resfriado comum.

Like this post? Please share to your friends: