Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que você precisa saber sobre vaginismo

O vaginismo é uma condição que envolve um espasmo muscular nos músculos do assoalho pélvico. Pode tornar doloroso, difícil ou impossível ter relações sexuais, fazer um exame ginecológico e inserir um tampão.

Quando você tenta inserir um objeto, como um tampão, pênis ou espéculo na vagina, ele se contrai devido a uma contração involuntária dos músculos do assoalho pélvico.

Isso leva a espasmos musculares generalizados, dor e interrupção temporária da respiração.

O grupo muscular mais comumente afetado é o grupo muscular pubococcígeo (PC). Estes músculos são responsáveis ​​pela micção, relações sexuais, orgasmo, movimentos intestinais e parto.

Sem tratamento, pode levar a frustração e angústia, e pode piorar. No entanto, o tratamento é possível.

Fatos rápidos sobre o vaginismo

  • Existem diferentes formas de vaginismo e os sintomas variam entre os indivíduos.
  • A dor pode variar de leve a grave e pode causar sensações diferentes.
  • O vaginismo pode resultar de fatores emocionais, fatores médicos ou ambos.
  • O tratamento, que envolve exercícios físicos e emocionais, geralmente é eficaz.

Tipos

Existem diferentes tipos de vaginismo que podem afetar as mulheres em diferentes idades.

Vaginismo primário

O vaginismo pode levar ao estresse em um relacionamento.

Esta é uma condição da vida em que a dor sempre esteve presente. Vai ser difícil usar um tampão e passar por um exame ginecológico.

Muitas vezes é experimentado por mulheres durante a primeira tentativa de relação sexual. O parceiro não consegue inserir o pênis na vagina. Ele pode descrever uma sensação como “bater em uma parede” na abertura vaginal.

Pode haver dor, espasmos musculares generalizados e a mulher pode parar temporariamente de respirar. Os sintomas são revertidos quando a tentativa de entrada vaginal é interrompida.

Vaginismo Secundário

Isso se desenvolve depois que uma mulher já experimentou a função sexual normal. Nem sempre esteve presente. Pode ocorrer em qualquer fase da vida e pode não ter acontecido antes.

Geralmente decorre de um evento específico, como uma infecção, menopausa, um evento traumático, desenvolvimento de uma condição médica, problemas de relacionamento, cirurgia ou parto.

Mesmo depois de qualquer condição médica subjacente ser corrigida, a dor pode continuar se o corpo tiver se condicionado a responder dessa maneira.

Vaginismo global

O vaginismo está sempre presente e qualquer objeto irá ativá-lo.

Vaginismo situacional

Isso ocorre apenas em determinadas situações. Pode acontecer durante o sexo, mas não durante os exames ginecológicos ou a inserção do tampão.

Sintomas

Os sintomas variam entre os indivíduos.

Eles podem incluir:

  • relação sexual dolorosa (dispareunia), com sensação de aperto e dor que pode estar queimando ou ardendo
  • penetração sendo difícil ou impossível
  • dor sexual a longo prazo com ou sem causa conhecida
  • dor durante a inserção do tampão
  • dor durante um exame ginecológico
  • espasmo muscular generalizado ou interrupção da respiração durante a tentativa de relação sexual

A dor pode variar de leve a grave na natureza e de desconforto a sensação de queimação.

O vaginismo não impede que as pessoas fiquem sexualmente excitadas, mas podem ficar ansiosas com relação às relações sexuais, de modo que tentam evitar o sexo ou a penetração vaginal.

Causas

O vaginismo é uma condição que pode ser causada por estressores físicos, estressores emocionais ou ambos. Pode se tornar antecipatório, de modo que acontece porque a pessoa espera que isso aconteça.

Gatilhos emocionais

Esses incluem:

  • medo, por exemplo, de dor ou gravidez
  • ansiedade, sobre o desempenho ou por culpa
  • problemas de relacionamento, por exemplo, ter um parceiro abusivo ou sentimentos de vulnerabilidade
  • eventos traumáticos da vida, incluindo estupro ou histórico de abuso
  • experiências da infância, como a representação do sexo enquanto crescia ou a exposição a imagens sexuais

Gatilhos físicos

Esses incluem:

  • infecção, como infecção do trato urinário (ITU) ou infecção por fungos
  • condições de saúde, como câncer ou esclerose liquenóide
  • parto
  • menopausa
  • cirurgia pélvica
  • preliminares inadequadas
  • lubrificação vaginal insuficiente
  • efeitos colaterais de medicação

Problemas sexuais podem afetar homens e mulheres. Eles não são culpa de ninguém, e eles não são nada para se envergonhar.

Na maioria dos casos, o tratamento pode ajudar.

Tratamento

Para diagnosticar o vaginismo, o médico fará um histórico médico e fará um exame pélvico. O tratamento pode envolver diferentes especialistas, dependendo da causa.

Qualquer possível causa subjacente, como uma infecção, pode precisar ser descartada ou tratada primeiro, antes de se concentrar no vaginismo.

O objetivo do tratamento será reduzir o aperto automático dos músculos e o medo da dor, e lidar com qualquer outro tipo de medo que possa estar relacionado ao problema.

O tratamento geralmente inclui uma combinação do seguinte:

Exercícios de controle do assoalho pélvico: incluem atividades de contração muscular e relaxamento, ou exercícios de Kegel, para melhorar o controle dos músculos do assoalho pélvico.

Educação e aconselhamento: Fornecer informações sobre a anatomia sexual e ciclo de resposta sexual pode ajudar o indivíduo a entender sua dor e os processos pelos quais seu corpo está passando.

Exercícios emocionais: Isso pode ajudar a pessoa a identificar, expressar e resolver quaisquer fatores emocionais que possam estar contribuindo para o seu vaginismo.

Reduzindo a sensibilidade à inserção: Uma mulher será incentivada a tocar a área o mais próximo possível da abertura vaginal todos os dias, sem causar dor, aproximando-se a cada dia. Quando ela for capaz de tocar a área ao redor da vagina, ela será encorajada a tocar e abrir os lábios vaginais ou os lábios. O próximo passo será inserir um dedo.

Treinamento de inserção ou dilatação: Uma vez que uma mulher pode fazer isso sem dor, ela aprenderá a usar um dilatador de plástico ou uma inserção em forma de cone. Se ela puder inserir isso sem dor, o próximo passo será deixá-lo por 10 a 15 minutos, para permitir que os músculos se acostumem à pressão. Em seguida, ela pode usar uma inserção maior e, em seguida, pode ensinar seu parceiro a aplicar a inserção.

Quando a mulher se sente confortável com isso, ela pode permitir que seu parceiro coloque o pênis perto da vagina, mas não dentro dela. Quando ela está completamente confortável com isso, o casal pode tentar o intercurso novamente. Eles podem querer construir gradualmente para isso, como com a inserção.

O tempo que leva para o vaginismo ser tratado com sucesso dependerá do indivíduo.

É muito raro que o vaginismo precise de cirurgia.

Qualquer um que esteja preocupado com os sintomas relacionados ao vaginismo deve falar com seu médico para avaliação.

Like this post? Please share to your friends: