Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que você precisa saber sobre raiva

A raiva é um vírus que geralmente é transmitido pela mordida ou arranhão de um animal. No momento em que os sintomas aparecem, geralmente é tarde demais para salvar o paciente.

No entanto, uma pessoa que pode ter sido exposta à raiva geralmente pode ser tratada de forma eficaz, se procurar ajuda de uma só vez.

Nos Estados Unidos, entre 1 e 3 pessoas contraem a raiva a cada ano. De 2008 a 2017, os EUA assistiram a 23 casos humanos, oito dos quais foram contratados fora do país. Os avanços nos programas de medicina, conscientização e vacinação reduziram a incidência de raiva desde a década de 1970.

No entanto, globalmente, continua a ser um problema, e dezenas de milhares de mortes resultam da raiva a cada ano, principalmente em áreas rurais do Sudeste Asiático e da África. Mais de 95 por cento das infecções são causadas por cães.

Fatos rápidos sobre a raiva

  • A raiva é uma doença viral que quase sempre é transmitida por uma mordida de animal infectada.
  • Qualquer pessoa que receber uma mordida em uma área geográfica onde a raiva ocorre deve procurar tratamento imediatamente.
  • Para que o tratamento seja bem sucedido, deve ser administrado antes que os sintomas apareçam.
  • Os sintomas incluem problemas neurológicos e medo da luz e da água.
  • Seguir os requisitos de vacinação para animais de estimação ajuda a prevenir e controlar a raiva.

O que é raiva?

Vacinar cães

A raiva é uma infecção viral que se espalha principalmente através de uma mordida de um animal infectado. É um vírus RNA da família dos rhabdovírus.

Sem tratamento precoce, geralmente é fatal.

O vírus pode afetar o corpo de duas maneiras:

  • Ele entra no sistema nervoso periférico (SNP) diretamente e migra para o cérebro.
  • Ele se replica dentro do tecido muscular, onde é seguro contra o sistema imunológico do hospedeiro. A partir daqui, entra no sistema nervoso através das junções neuromusculares.

Uma vez dentro do sistema nervoso, o vírus produz inflamação aguda do cérebro. Coma e morte logo seguem.

Existem dois tipos de raiva.

Raiva furiosa ou encefalítica: ocorre em 80% dos casos humanos. A pessoa tem maior probabilidade de sentir hiperatividade e hidrofobia.

Raiva paralítica ou “muda”: a paralisia é um sintoma dominante.

Transmissão

A raiva é mais comum em países onde os cães vadios estão presentes em grande número, especialmente na Ásia e na África.

É transmitido através da saliva. A raiva pode se desenvolver se uma pessoa receber uma mordida de um animal infectado, ou se a saliva de um animal infectado entrar em uma ferida aberta ou através de uma membrana mucosa, como os olhos ou a boca. Não pode passar através da pele ininterrupta.

Nos EUA, guaxinins, coiotes, morcegos, gambás e raposas são os animais mais propensos a espalhar o vírus. Morcegos carregando raiva foram encontrados em todos os 48 estados que fazem fronteira entre si.

Qualquer mamífero pode abrigar e transmitir o vírus, mas mamíferos menores, como roedores, raramente são infectados ou transmitem raiva. É improvável que coelhos espalhem raiva.

Sintomas

A raiva progride em cinco etapas distintas:

  • incubação
  • pródromo
  • período neurológico agudo
  • coma
  • morte

Período de incubação

Este é o tempo antes que os sintomas apareçam. Geralmente dura de 3 a 12 semanas, mas pode levar menos de 5 dias ou mais de 2 anos.

Quanto mais próxima a mordida estiver do cérebro, mais cedo os efeitos provavelmente aparecerão.

Quando os sintomas aparecem, a raiva é geralmente fatal. Qualquer pessoa que tenha sido exposta ao vírus deve procurar ajuda médica imediatamente, sem esperar pelos sintomas.

Pródromo

Os primeiros sintomas semelhantes aos da gripe incluem:

  • uma febre de 100,4 graus Fahrenheit (38 graus Celsius) ou acima
  • dor de cabeça
  • ansiedade
  • sentindo-se mal em geral
  • dor de garganta e tosse
  • nausea e vomito
  • desconforto pode ocorrer no local da mordida

Estes podem durar de 2 a 10 dias e pioram com o tempo.

Período neurológico agudo

Os sintomas neurológicos desenvolvem-se, incluindo:

  • confusão e agressão
  • paralisia parcial, espasmos musculares involuntários e músculos rígidos do pescoço
  • convulsões
  • hiperventilação e dificuldade em respirar
  • hipersalivação ou produção de muita saliva e possivelmente formação de espuma pela boca
  • medo da água, ou hidrofobia, devido à dificuldade em engolir
  • alucinações, pesadelos e insônia
  • priapismo, ou ereção permanente, nos machos
  • fotofobia ou medo da luz

Perto do final desta fase, a respiração se torna rápida e inconsistente.

Coma e morte

Se a pessoa entrar em coma, a morte ocorrerá em questão de horas, a menos que estejam ligados a um ventilador.

Raramente, uma pessoa pode se recuperar nesse estágio tardio.

Por que a raiva causa medo da água?

A raiva costumava ser conhecida como hidrofobia porque parece causar medo da água.

Espasmos intensos na garganta são desencadeados ao tentar engolir. Até mesmo o pensamento de engolir água pode causar espasmos. É daí que vem o medo.

O excesso de saliva que ocorre é provavelmente devido ao impacto do vírus no sistema nervoso.

Se o indivíduo pudesse engolir a saliva facilmente, isso reduziria o risco de espalhar o vírus para um novo hospedeiro.

Diagnóstico

No momento de uma mordida, geralmente não há como saber com certeza se um animal está com raiva ou se passou uma infecção.

Os exames laboratoriais podem mostrar anticorpos, mas estes podem não aparecer até mais tarde no desenvolvimento da doença. O vírus pode ser isolado da saliva ou através de uma biópsia da pele. No entanto, quando o diagnóstico é confirmado, pode ser tarde demais para agir.

Por esta razão, o paciente normalmente iniciará um tratamento profilático de uma só vez, sem esperar por um diagnóstico confirmado.

Se uma pessoa desenvolver sintomas de encefalite viral após uma mordida de animal, ela deve ser tratada como se ela pudesse ter raiva.

Tratamento

Se uma pessoa for mordida ou arranhada por um animal que possa ter raiva, ou se o animal lamber uma ferida aberta, o indivíduo deve imediatamente lavar as mordidas e arranhões por 15 minutos com água e sabão, iodo povidona ou detergente. Isso pode minimizar o número de partículas virais.

Então eles devem procurar ajuda médica de uma só vez.

Após a exposição e antes do início dos sintomas, uma série de disparos pode impedir que o vírus se desenvolva. Isso geralmente é eficaz.

Estratégias incluem:

Uma dose rápida de imunoglobulina contra a raiva: administrada o mais rápido possível, perto da ferida da mordida, isso pode impedir que o vírus infecte o indivíduo.

Uma série de vacinas antirrábicas: estas serão injetadas no braço durante as próximas 2 a 4 semanas. Estes treinam o corpo para combater o vírus sempre que o encontrar.

Geralmente não é possível descobrir se o animal tem raiva ou não. É mais seguro assumir o pior e começar o curso dos disparos.

Um pequeno número de pessoas sobreviveu à raiva, mas a maioria dos casos é fatal quando os sintomas se desenvolvem. Não há tratamento efetivo neste estágio.

Uma pessoa com sintomas deve ser tão confortável quanto possível. Eles podem precisar de assistência respiratória.

Prevenção

A raiva é uma doença grave, mas os indivíduos e os governos podem e fazem ações para controlar e prevenir e, em alguns casos, eliminá-la completamente.

Estratégias incluem:

  • vacinação anti-rábica regular para todos os animais de estimação e animais domésticos
  • proibições ou restrições à importação de animais de alguns países
  • vacinações generalizadas de seres humanos em algumas áreas
  • informação educacional e conscientização

Na área rural do Canadá e nos EUA, as agências lançaram iscas contendo uma vacina oral para reduzir o número de guaxinins selvagens com raiva.

Na Suíça, as autoridades distribuíram cabeças de frango com vacina em todos os Alpes suíços. As raposas se imunizaram consumindo a vacina e o país está quase livre da raiva.

Precauções individuais

Os indivíduos devem seguir algumas regras de segurança para reduzir a chance de contrair raiva.

  • Vacinar animais de estimação: descubra com que frequência você precisa vacinar seu gato, cachorro, furão e outros animais domésticos ou de criação e mantenha as vacinas.
  • Proteja animais de pequeno porte: alguns animais de estimação não podem ser vacinados, então eles devem ser mantidos em uma gaiola ou dentro de casa para evitar o contato com predadores selvagens.
  • Mantenha animais de estimação confinados: Os animais de estimação devem ser confinados com segurança quando estiverem em casa e supervisionados quando estiverem fora.
  • Relatório avança-se para as autoridades locais: Entre em contato com oficiais de controle de animais locais ou departamentos de polícia se você vir animais em roaming
  • Não se aproxime de animais selvagens: Os animais com raiva provavelmente são menos cautelosos do que o normal, e eles podem ter mais probabilidade de se aproximar das pessoas.
  • Mantenha os morcegos fora de casa: Sele sua casa para evitar que os morcegos se aninhem. Chame um especialista para remover qualquer morcego que já esteja presente.

Em 2015, uma mulher morreu de raiva após ser mordida por um morcego durante a noite. Ela não percebeu que tinha sido mordida.

As pessoas são encorajadas a procurar ajuda médica após um encontro com um animal selvagem, mesmo que não tenham marcas de mordida ou outros sinais externos de lesão.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) chama a raiva de “100 por cento de doença prevenível por vacina”. Eles observam que pelo menos 70% dos cães em uma área devem ser vacinados para interromper o ciclo de transmissão.

Nos EUA, as vacinas controlam a raiva em cães domésticos. No entanto, entre 30.000 e 60.000 pessoas procuram a profilaxia pós-exposição à raiva todos os anos, após o contato com animais suspeitos. Centenas de milhares de animais passam por testes e observações.

Entre 60 e 70 cães e cerca de 250 gatos são relatados raivosos a cada ano nos EUA. A maioria destes não foram vacinados e foram expostos ao vírus através de animais selvagens, tais como morcegos.

Viajando

A prevalência da raiva varia muito em diferentes países. Em nações sem uma população de cães selvagens, as taxas são significativamente mais baixas.

A raiva está presente em 150 países e em todos os continentes, exceto na Antártida e no Ártico. Ilhas como Nova Zelândia, Austrália, Ilhas Maurício e Seychelles são ajudadas pelo seu isolamento natural.

A África e a Ásia são os continentes onde a raiva é mais comum. A Índia tem o maior número de casos.

Nos últimos anos, a prevalência da raiva na América do Sul e no Caribe caiu significativamente, devido aos programas de controle da raiva. Os números oficiais mostram que em 1990 houve 250 casos, mas em 2010, havia menos de 10.

Qualquer um que esteja viajando para uma área onde a raiva é prevalente, ou que esteja participando de atividades onde eles possam entrar em contato com animais selvagens que possam ter raiva, como espeleologia ou acampamento, deve perguntar ao seu médico sobre vacinas.

Like this post? Please share to your friends: