Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que você precisa saber sobre a incontinência intestinal

Uma pessoa com intestino, ou incontinência fecal, não consegue controlar seus movimentos intestinais. As fezes, ou fezes, vazam do reto, por causa de alguma condição subjacente.

Incontinência intestinal pode variar em gravidade de passar uma pequena quantidade de fezes ao quebrar o vento para a perda total do controle intestinal. Não é uma ameaça à vida ou perigosa, mas pode afetar a qualidade de vida da pessoa, a saúde emocional e mental e a auto-estima.

A incontinência fecal é uma condição comum, afetando cerca de 18 milhões de pessoas, ou 1 em 12 adultos, nos Estados Unidos.

É ligeiramente mais comum entre as mulheres, possivelmente como uma complicação da gravidez.

Muitas pessoas não relatam a incontinência intestinal devido a constrangimento e uma crença equivocada de que não pode ser tratada. Muitos acreditam que é uma parte inevitável do processo de envelhecimento.

Em alguns casos, a incontinência intestinal resolve por conta própria, mas geralmente requer tratamento.

Tratamento

[Cirurgia abdominal]

Os tratamentos para a incontinência intestinal visam ajudar a restaurar o controle intestinal ou reduzir sua gravidade.

As opções incluem medicamentos, mudanças na dieta, treinamento intestinal, terapia de impactação das fezes. Se isso não funcionar, a cirurgia pode ser recomendada.

Se uma condição subjacente for detectada, isso precisará de tratamento adequado.

Medicamentos

Esses incluem:

  • medicamentos anti-diarreicos, como a loperamida, ou Imodium
  • laxantes, como o leite de magnésia, podem ser usados ​​a curto prazo, se o problema deriva da constipação crônica
  • medicamentos que diminuem a motilidade intestinal ou diminuem o teor de água nas fezes

Mudanças dietéticas

Uma mudança de dieta pode, por vezes, aliviar a incontinência intestinal. Um diário alimentar pode ajudar a monitorar o impacto de diferentes alimentos.

Beber mais líquido e comer mais alimentos ricos em fibras pode ajudar a reduzir a incontinência intestinal devido à constipação. Alimentos ricos em fibras que adicionam volume às fezes também podem ajudar pessoas com diarréia crônica.

Treinamento intestinal

Pacientes com pouco controle esfincteriano ou com baixa consciência do desejo de defecar podem achar um programa de treinamento intestinal eficaz.

Isso pode envolver:

  • exercícios para ajudar a restaurar a força dos músculos vitais para o controle intestinal
  • aprender a usar o banheiro em determinados momentos do dia, como depois de uma refeição

O treinamento dos músculos do assoalho pélvico, ou exercícios de Kegel, pode ajudar a fortalecer os músculos que foram enfraquecidos ou esticados durante o trabalho de parto. As mulheres são aconselhadas a fazer os exercícios várias vezes ao dia durante a gravidez e por cerca de 2 meses após o parto.

Biofeedback

Este é outro tipo de treinamento intestinal.

Uma sonda sensível à pressão é inserida no ânus. Cada vez que os músculos do esfíncter anal se contraem ao redor da sonda, o dispositivo a percebe. Isso pode dar ao paciente uma ideia dos padrões de sua atividade muscular.

Praticando contrações musculares e visualizando sua força e resposta em uma tela, o paciente pode aprender a fortalecer esses músculos.

Outra intervenção

O tratamento de impactação de fezes pode ser necessário para remover as fezes impactadas, se outro tratamento não for eficaz. O cirurgião usa dois dedos enluvados para quebrar as fezes em pequenos pedaços, facilitando a expulsão.

Se o problema é causado por impactação fecal, e outros tratamentos são ineficazes, um enema pode ajudar. Um pequeno tubo é colocado no ânus e uma solução especial é inserida para lavar o reto.

Na estimulação do nervo sacral, quatro a seis pequenas agulhas são inseridas nos músculos do intestino grosso. Os músculos são estimulados por um gerador de pulsos externo que emite pulsos elétricos.

Os pacientes que respondem bem a esse tratamento podem ter um gerador de pulsos permanente, semelhante a um marcapasso, implantado sob a pele da nádega. O nervo sacral vai da medula espinal até os músculos da pélvis e está envolvido na continência intestinal e urinária.

Cirurgia

A cirurgia normalmente só é usada se outros tratamentos não funcionaram ou para tratar uma condição subjacente.

A esfincteroplastia é uma cirurgia para reparar um esfíncter anal danificado ou enfraquecido. O cirurgião remove o músculo danificado, sobrepõe-se às bordas do músculo e costura-as novamente. Isso fornece suporte extra para os músculos e aperta o esfíncter.

A graciloplastia estimulada, ou transplante de músculo grácil, usa uma pequena quantidade de músculo da coxa do paciente para criar um esfíncter artificial. Eletrodos ligados a um gerador de pulsos são inseridos no esfíncter artificial e os impulsos mudam gradualmente a maneira como os músculos funcionam.

A substituição do esfíncter usa um manguito inflável para substituir o esfíncter anal danificado. O manguito é implantado ao redor do canal anal. Quando inflado, o manguito mantém o esfincter anal firmemente fechado até que a pessoa esteja pronta para defecar. Uma pequena bomba externa desinfla o dispositivo, permitindo que as fezes sejam liberadas. O dispositivo então é reinflado automaticamente cerca de 10 minutos depois.

Cirurgia para um reto prolapsado pode ser feita se outros tratamentos não funcionarem. O músculo esfincteriano pode ser reparado ao mesmo tempo.

Um retocelo pode ser corrigido por cirurgia, se levar a sintomas significativos de incontinência fecal.

Hemorróidas internas prolapsadas podem impedir que o esfíncter anal se feche adequadamente, resultando em incontinência intestinal. Hemorrhoidectomy é um procedimento cirúrgico para removê-los.

Uma colostomia pode ser usada como último recurso. As fezes são desviadas através de um buraco no cólon e através da parede do abdômen. Uma bolsa especial é anexada à abertura para recolher as fezes.

Sintomas

pessoa segurando o estômago

O vazamento fecal acidental normalmente afeta apenas adultos quando estes apresentam diarréia grave.

A incontinência fecal crônica pode envolver vazamentos acidentais frequentes ou ocasionais, incapacidade de manter o gás, vazamento silencioso das fezes durante atividades diárias ou esforço, ou não chegar ao banheiro a tempo.

Dois tipos de incontinência intestinal são:

  • incite a incontinência intestinal, quando a pessoa tiver vontade súbita de usar o banheiro, mas não puder chegar lá a tempo
  • sujeira passiva, onde nada indica que um movimento intestinal está prestes a ocorrer

O tipo de fezes passadas durante a incontinência intestinal pode variar:

  • a pessoa quebra o vento e passa um pequeno pedaço de fezes
  • fezes podem ser líquidos
  • fezes são sólidas

Episódios podem ocorrer diariamente, semanalmente ou mensalmente.

Outros sinais e sintomas podem incluir:

  • dor abdominal ou cólicas
  • inchaço, flatulência ou ambos
  • constipação ou diarréia
  • o ânus está irritado ou com coceira
  • incontinencia urinaria

A incontinência fecal pode ser um problema relativamente pequeno, resultando em sujidades ocasionais de roupas íntimas, ou pode ser devastador, com total falta de controle intestinal.

Causas

As pessoas são mais propensas a ter incontinência intestinal fecal se tiverem:

  • lesão do nervo, devido, por exemplo, à esclerose múltipla, diabetes de longa duração ou outras condições que afetam os nervos que controlam a defecação
  • Doença de Alzheimer, porque isso envolve demência e danos nos nervos
  • deficiência física, pois isso pode dificultar o acesso ao banheiro ou despir-se a tempo

As mulheres são mais propensas a experimentá-lo, possivelmente como uma complicação do parto.

Por que isso acontece?

Depois de digerir os alimentos, o sistema digestivo move os resíduos, ou as fezes em direção ao reto, o tubo que liga os intestinos ao ânus. O reto armazena os resíduos até que o corpo esteja pronto para expeli-lo.

Quando o reto se enche, as paredes retais se expandem. Os receptores de estiramento, ou nervos, nas paredes retais estimulam o desejo de defecar. Se a pessoa não defecar ao sentir esse desejo, as fezes podem retornar ao cólon, onde mais água é absorvida.

Quando o reto está cheio, o aumento da pressão força as paredes do canal anal a se afastarem e as ondas peristálticas empurram as fezes para dentro do canal.

Quando as fezes entram no canal anal, o reto encurta. Os esfíncteres interno e externo permitem que as fezes sejam passadas, fazendo com que os músculos puxem o ânus para cima das fezes existentes.

O esfíncter interno funciona automática e inconscientemente, enquanto o esfíncter externo responde quando queremos.

A incontinência intestinal pode acontecer por vários motivos:

[hemorróidas]

Os músculos do esfíncter não funcionam como deveriam. O parto pode fazer com que os músculos do esfíncter fiquem esticados e rasgados, especialmente se for usado fórceps ou outros dispositivos durante o parto ou se a mãe tiver episiotomia. Uma complicação da cirurgia intestinal ou retal e alguns outros tipos de lesão também podem causar danos aos músculos esfincterianos.

A diarréia pode dificultar a retenção das fezes pelo reto. A diarreia recorrente, devido, por exemplo, à doença de Crohn, à síndrome do intestino irritável (IBS) ou à colite ulcerativa, pode levar a cicatrizes no reto e à incontinência intestinal.

A constipação pode levar à incontinência intestinal. Se as fezes sólidas forem impactadas, pode ser muito difícil sair. Os músculos do reto podem esticar e enfraquecer, e as fezes aquosas podem vazar ao redor das fezes impactadas e vazar para fora do ânus. Isso é chamado de estouro do intestino.

Outras causas incluem:

  • tumores no reto, como no câncer retal
  • prolapso retal, quando o reto desce para o ânus
  • retocele, quando o reto se projeta através da vagina
  • hemorróidas, que podem resultar no fechamento incompleto do esfíncter anal
  • abuso de laxante crônico

Certos alimentos podem causar diarréia e piorar os sintomas de incontinência fecal em algumas pessoas. Exemplos incluem alimentos condimentados, gordurosos ou oleosos, carnes curadas ou defumadas e laticínios para pessoas com intolerância à lactose.

Bebidas contendo cafeína ou adoçantes artificiais podem agir como laxantes.

Diagnóstico

[endoscópio]

Um médico perguntará sobre sintomas, hábitos intestinais, dieta, histórico médico, estilo de vida e assim por diante. O indivíduo deve explicar abertamente, honesta e compreensivamente, para encontrar o melhor tratamento.

O médico pode examinar o ânus e a área circundante do paciente em busca de danos, hemorróidas, infecções e outras condições. Eles podem usar um alfinete ou uma sonda para examinar essa área da pele e verificar se há danos nos nervos.

Um exame retal digital (DRE) pode ser necessário, no qual o cirurgião insere um dedo enluvado estéril no ânus e no reto.

Isso pode identificar:

  • Prisão de ventre
  • tumores
  • problemas musculares
  • um prolapso retal

Testes adicionais podem exigir a ajuda de um gastroenterologista, um médico especializado em condições e doenças do sistema digestivo ou um proctologista, especializado em condições e doenças do reto e do ânus.

A endoscopia envolve a inserção de um endoscópio, um tubo flexível longo e fino com uma fonte de luz e uma câmera de vídeo no final, através do ânus para o reto. Imagens em uma tela podem revelar qualquer obstrução, dano ou inflamação no reto.

Na manometria anal, o médico insere um tubo estreito e flexível no reto do paciente através do ânus. Um balão na ponta é então expandido. Isso pode avaliar o grau de rigidez do esfíncter anal, a sensibilidade dos nervos e o bom funcionamento dos músculos.

Uma ultrassonografia anorretal pode avaliar a estrutura do esfíncter. Um dispositivo estreito e em forma de bastão é inserido no ânus e no reto. Produz imagens de vídeo de estruturas internas emitindo ondas sonoras que saltam das paredes do reto e do ânus.

Defecografia, ou protografia, envolve tirar imagens de raios-x com líquido de bário.O paciente será solicitado a passar um banquinho enquanto as radiografias forem tomadas. Isso pode determinar quanto de fezes o reto pode reter e quão bem as fezes são evacuadas.

Na eletromiografia anal, pequenos eletrodos de agulha são inseridos no músculo ao redor do ânus. Uma corrente elétrica leve é ​​enviada através dos eletrodos, e os sinais aparecem como imagens em uma tela. Isso pode revelar qualquer dano aos nervos entre o reto e o cérebro, e pode mostrar onde está o dano.

Prevenção

Para prevenir a incontinência intestinal ou reduzir a gravidade dos sintomas, as pessoas são aconselhadas a:

  • evitar a constipação, por exemplo, fazendo mais exercícios, ingerindo alimentos ricos em fibras e consumindo muitos líquidos.
  • procurar tratamento para diarréia, por exemplo, abordando uma infecção no sistema digestivo
  • evite esforço ao defecar, pois isso pode enfraquecer os músculos do esfíncter anal

Enquanto espera para encontrar um tratamento bem sucedido, uma gama de produtos discretos e almofadas estão disponíveis para ajudar as pessoas a lidar com a incontinência sem constrangimento.

Like this post? Please share to your friends: