Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que são convulsões parciais simples?

Uma crise parcial simples ocorre em um lado do cérebro. Normalmente, as pessoas que experimentam uma convulsão parcial simples não perdem a consciência ou a consciência.

Crises parciais simples são um tipo de crise em que um lado do cérebro é inicialmente afetado. Às vezes a atividade convulsiva permanecerá deste lado, enquanto outras vezes a atividade convulsiva se espalhará e se tornará complexa parcial ou secundariamente generalizada em tipo.

Os médicos também podem chamar de convulsões parciais simples “convulsões focais conscientes” ou “convulsões focais simples”.

Se uma pessoa experimenta repetidas crises parciais simples, um médico pode diagnosticá-las com epilepsia, que é uma convulsão contínua. Estima-se que 2 a 12 por cento de todas as crianças com epilepsia apresentam crises parciais simples.

Causas

Modelo do cérebro com estetoscópio para demonstrar crises parciais simples.

Uma convulsão ocorre quando uma pessoa experimenta um distúrbio na atividade normal do cérebro. O cérebro se comunica via “sinais elétricos”, então quando esses sinais são interrompidos, uma pessoa pode ter uma convulsão.

Crises parciais simples ocorrem em pessoas que têm uma anormalidade elétrica em uma parte específica do cérebro e são propensas a esses sinais perturbados.

Os médicos não sabem o que causa muitos tipos de distúrbios convulsivos parciais simples, mas acham que podem haver fatores genéticos.

Causas de crises parciais simples incluem lesão cerebral traumática, que pode causar uma cicatriz no cérebro que pode perturbar os sinais elétricos normais do cérebro e desencadear convulsões. Além disso, a irritação cerebral decorrente de cirurgia, acidente vascular cerebral ou tumor pode interferir na atividade elétrica cerebral e causar convulsões parciais simples.

As pessoas com diabetes podem experimentar um tipo de crises parciais simples contínuas chamado epilepsia partialis continua (EPC). Endereçar e corrigir níveis muito altos de açúcar no sangue pode ajudar a tratar essa condição rara. Qualquer outra anormalidade estrutural do cérebro também pode causar EPC.

Tipos

Outros tipos de crise incluem convulsões parciais complexas, que resultam na perda de consciência da pessoa. Isso ocorre porque a atividade elétrica anormal envolve ambos os lados do cérebro e as regiões que são importantes na consciência.

Outro tipo é uma convulsão generalizada, que ocorre quando o cérebro inteiro de uma pessoa é afetado. As pessoas que experimentam uma convulsão generalizada perdem a consciência. Os sintomas incluem convulsões tônico-clônicas (grand mal), onde há movimentos bruscos dos braços e pernas, ou magias de mal-estar em que o indivíduo não responde às diretivas por alguém ao seu redor.

Sintomas

Mulher se sente mal devido à simples convulsão sendo atendida pelo paramédico.

Os médicos geralmente classificam as crises parciais simples em quatro tipos com base na área do cérebro que afetam. A localização da crise geralmente determina também os sintomas experimentados.

Convulsões parciais simples motoras e sensoriais podem não alterar a consciência ou a consciência. No entanto, algumas crises parciais podem ser simples ou complexas e estar associadas a problemas autonômicos ou psíquicos.

Aqui estão mais detalhes sobre estas quatro categorias simples de crises parciais:

  • Motor: Uma convulsão motora faz com que uma pessoa perca o controle da atividade muscular, geralmente em seu braço, face, pé ou outra parte do corpo. Devido ao modo como os nervos motores atravessam o cérebro, se uma pessoa perde o controle sobre o lado direito do cérebro, ela causa problemas no lado esquerdo do corpo e vice-versa.
  • Sensorial: As convulsões sensoriais causam alterações na audição, visão ou olfato de uma pessoa. Isso pode causar alucinações e dificuldade de audição. Além disso, como nas convulsões motoras, um foco de convulsão no lado direito do cérebro pode causar dormência ou formigamento no lado esquerdo do corpo.
  • Autonómico: As convulsões autonómicas afectam partes do cérebro que lidam com as funções do corpo que uma pessoa não controla com o seu pensamento. Os sintomas podem incluir alterações no ritmo cardíaco, pressão arterial e função intestinal.
  • Psychic: Uma convulsão psíquica leva a pessoa a experimentar mudanças emocionais repentinas, como sentimentos de medo, ansiedade ou mesmo déjà vu.

Alguns sintomas gerais de convulsões parciais simples que podem ocorrer isoladamente ou em combinação em uma determinada pessoa sem perda de consciência incluem:

  • sendo desatento, mas ainda capaz de seguir comandos
  • mudanças na visão (muitas vezes de um lado ou do outro)
  • dificuldade em falar ou não falar por algum tempo
  • sentindo como se a pele estivesse rastejando (freqüentemente afetando um lado ou outro)
  • dormência ou formigamento em um lado do corpo (se o lado todo ou apenas parte)
  • suando ou se sentindo ansioso
  • movimento diminuído em um lado do corpo (se o lado inteiro ou apenas parte)
  • movimentos oculares incomuns, como os olhos se movendo de um lado para o outro rapidamente ou o olhar fixo em uma direção

Em algumas pessoas, uma simples convulsão parcial é uma convulsão de advertência que pode indicar que outra convulsão está prestes a ocorrer. Eles podem ser um aviso de uma convulsão generalizada, que afeta todo o cérebro e faz com que a pessoa perca a consciência.

A maioria das crises não dura mais do que 1 a 2 minutos. No entanto, uma pessoa pode continuar a sentir-se confusa ou ter dificuldade em pensar claramente após a ocorrência de uma convulsão.

Se uma convulsão durar mais de 5 minutos, os médicos consideram uma emergência médica.

Tratamento

Quando uma pessoa experimentou múltiplas convulsões, os médicos geralmente prescrevem anticonvulsivantes como primeira linha de tratamento.

No entanto, outras opções de tratamento incluem:

  • tratamento de açúcar elevado no sangue para diminuir as crises focais devido ao diabetes
  • tratar o inchaço cerebral causado por um tumor, por exemplo, pode reduzir o tamanho de uma região do cérebro que pode desencadear uma convulsão
  • tratar a causa de uma infecção cerebral, como a encefalite por herpes, também pode reduzir o risco de uma pessoa ter uma convulsão

No entanto, os medicamentos para convulsões ou esses outros tratamentos podem ser ineficazes na interrupção das convulsões.

Outros tratamentos incluem:

Dieta

Uma opção para tratar algumas formas de crises parciais simples em crianças é uma dieta especializada, conhecida como dieta cetogênica. Muitos médicos sugerem a dieta cetogênica para crianças que não responderam a outros tratamentos para convulsões. Esta dieta é altamente restritiva, rica em gorduras e baixa em carboidratos, que às vezes pode ser difícil para as crianças seguirem. Uma dieta cetogênica requer a supervisão de um nutricionista.

Cirurgia

Algumas pessoas podem precisar de cirurgia para interromper suas convulsões. Cirurgia envolve a remoção de uma área do cérebro que está causando uma pessoa a ter convulsões. Essas áreas incluem tecido cicatricial, tumor ou outras anormalidades. A cirurgia é geralmente considerada um último recurso. Pode ser realizado em pessoas que não responderam a medicamentos e naquelas em que a causa das crises é facilmente acessível.

Estimulador do nervo vago

As pessoas que não são candidatas a cirurgia, mas que não estão respondendo bem aos medicamentos anticonvulsivos, podem se beneficiar de um dispositivo chamado de estimulador do nervo vago (ENV).

A VNS é uma pequena unidade que é colocada sob a pele no peito e ligada ao nervo vago no pescoço. Esse nervo vago corre para o cérebro, e os sinais elétricos liberados do VNS alteram a atividade elétrica no cérebro que causa convulsões.

Medicamentos

Existe uma gama de medicamentos disponíveis que visam reduzir a frequência de convulsões. Cada um dos medicamentos funciona de maneira diferente e, às vezes, o médico prescreve mais de um tipo de medicamento anticonvulsivo.

Opções de medicação incluem:

  • carbamazepina (Tegretol)
  • lamotrigina (Lamictal)
  • oxcarbazepina (trileptal)
  • fenitoína (Dilantin)
  • valproato (Depakote)

Se uma pessoa toma medicamentos anticonvulsivos, eles não devem parar de tomá-los subitamente.

Para evitar uma convulsão, o corpo precisa conter uma certa quantidade de medicamentos anticonvulsivos. De repente, parar de tomar a medicação pode desencadear rapidamente uma convulsão.

Quando ver um médico

Pessoa que tem EEG.

Se uma pessoa apresentar algum sintoma que possa ser uma convulsão parcial simples, deve procurar atendimento médico imediatamente.

Às vezes, os sintomas de uma crise parcial simples podem ser mal interpretados. Por exemplo, um professor ou outro funcionário da escola pode confundir os sintomas de convulsão parcial simples em uma criança como preguiça na aula ou não prestar atenção.

Um médico geralmente diagnostica a epilepsia considerando os sintomas de uma pessoa. Eles perguntarão a amigos e familiares sobre os sintomas que observaram.

O médico pode pedir exames para descartar outras causas. Isso pode incluir exames de sangue, testes de fígado ou testes de tireóide.

Às vezes, o médico pode solicitar um teste conhecido como eletroencefalograma ou EEG. Este teste mede ondas cerebrais e funcionamento. Se uma pessoa tiver uma convulsão enquanto estiver sendo monitorada por um EEG, o médico coletará informações específicas sobre o tipo de convulsão.

Os médicos também podem solicitar exames de imagem, como uma tomografia computadorizada ou uma ressonância magnética para identificar áreas que possam estar causando convulsões.

É importante notar que todos os testes, incluindo o exame neurológico realizado pelo médico, podem ser normais, mas o indivíduo ainda pode ter um distúrbio convulsivo ou epilepsia.

Outlook

Um primeiro passo crítico no diagnóstico de uma pessoa que se acredita ter tido uma ou mais crises parciais simples é determinar se uma pessoa tem uma anomalia cerebral. Essa anormalidade pode ser um problema na estrutura do cérebro, como um tumor, ou pode ser que uma região específica do cérebro seja eletricamente anormal e cause as crises parciais simples.

As crianças que têm convulsões parciais simples às vezes “superam” as convulsões e não as experimentarão como adultos.

Outros podem precisar tomar medicamentos anti-convulsivos durante toda a vida.

Crises parciais simples podem ser tratadas de várias maneiras, como tratamento de uma doença subjacente ou prescrição de um medicamento específico. Às vezes, convulsões parciais simples podem sinalizar o início de um transtorno convulsivo mais generalizado (generalizado).

Qualquer pessoa que tenha algum sintoma de uma possível crise parcial simples deve consultar seu médico para um diagnóstico e tratamento definitivos.

Like this post? Please share to your friends: