Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que saber sobre polineuropatia

Polineuropatia é quando vários nervos periféricos são danificados, o que também é comumente chamado de neuropatia periférica.

Os nervos periféricos são os nervos fora do cérebro e da medula espinhal. Eles transmitem informações entre o sistema nervoso central (SNC) e todas as outras partes do corpo. O cérebro e a medula espinhal fazem parte do SNC.

Polineuropatia afeta vários nervos em diferentes partes do corpo ao mesmo tempo. Nos casos de mononeuropatia, apenas um nervo é afetado.

A polineuropatia pode afetar os nervos responsáveis ​​pela sensação (neuropatia sensorial), movimento (neuropatia motora) ou ambos (neuropatia sensório-motora).

Pode também afetar os nervos autonômicos responsáveis ​​pelo controle de funções como a digestão, a bexiga, a pressão arterial e a frequência cardíaca.

Embora o número exato de pessoas com polineuropatia não seja conhecido, o Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame (NINDS) estima que aproximadamente 20 milhões de pessoas nos Estados Unidos têm alguma forma de neuropatia periférica, e a maioria delas tem polineuropatia.

Tipos

[Diagnóstico de polineuropatia]

Existem mais de 100 tipos de neuropatia periférica, e a maioria deles são polineuropatias.

Cada tipo é classificado de acordo com o tipo de dano do nervo, a causa subjacente e os sintomas que produz.

Por exemplo, a neuropatia diabética ocorre em pessoas com diabetes, enquanto a neuropatia idiopática parece não ter causa conhecida.

Existem três padrões principais de polineuropatia:

  • Neuropatia periférica simétrica crônica: A maioria das polineuropatias é crônica e se desenvolve por muitos meses.
  • Mononeuropatia múltipla: Há danos em pelo menos duas áreas nervosas separadas.
  • Neuropatia periférica simétrica aguda: isso é raro. A causa mais comum é a síndrome de Guillain-Barré, uma condição que pode ser fatal.

Algumas neuropatias podem levar anos para se desenvolver, mas outras se tornam severas dentro de horas a dias do início.

320724

Causas e fatores de risco

Uma variedade de condições médicas e outros fatores podem causar polineuropatia, incluindo:

  • Diabetes: Este pode ser um fator de risco significativo, especialmente se os níveis de glicose no sangue forem mal controlados. Um estudo com mais de 1.400 pessoas com diabetes tipo 2 descobriu que cada quinta pessoa tinha neuropatia diabética.
  • Abuso de álcool: o álcool pode danificar o tecido nervoso, e o abuso de álcool está frequentemente associado a deficiências nutricionais que contribuem para a neuropatia.
  • Condições auto-imunes: o sistema imunológico ataca o corpo, causando danos aos nervos e outras áreas. As condições incluem síndrome de Sjögren, doença celíaca, síndrome de Guillain-Barré, artrite reumatóide e lúpus.
  • Infecções bacterianas ou virais: Certas infecções podem levar à neuropatia, incluindo a doença de Lyme, herpes zoster, hepatite B, hepatite C e HIV.
  • Distúrbios da medula óssea: Exemplos destes incluem proteínas anormais no sangue, algumas formas de câncer ósseo e linfoma.
  • Exposição a toxinas: A neuropatia tóxica pode ser causada pela exposição a substâncias químicas industriais, como arsênico, chumbo, mercúrio e tálio. Abuso de drogas ou substâncias químicas também é um fator de risco.
  • Distúrbios hereditários: certas condições, como a doença de Charcot-Marie-Tooth, são formas de neuropatia hereditária.
  • Hipotireoidismo: Uma tireoide com hipoatividade pode levar à polineuropatia, embora isso seja incomum.
  • Doença renal: A neuropatia urêmica é uma forma de polineuropatia que afeta de 20% a 50% das pessoas com doença renal, de acordo com o Centro de Neuropatia Periférica.
  • Doença hepática: Pesquisas indicam que a neuropatia periférica é muito comum em pessoas com cirrose hepática.
  • Medicamentos: A quimioterapia, juntamente com alguns medicamentos usados ​​para tratar o HIV / AIDS, pode causar neuropatia.
  • Má nutrição: As deficiências das vitaminas B-1, B-6, B-12 e E podem levar à polineuropatia, pois elas são vitais para a saúde dos nervos.
  • Trauma ou lesão física: movimentos repetitivos, como digitação, acidentes ou outras lesões, podem danificar os nervos periféricos.

Alguns casos de polineuropatia não têm causa conhecida. Estes são conhecidos como neuropatia idiopática.

Sintomas

A polineuropatia pode produzir uma variedade de sintomas, dependendo de quais nervos são afetados.

Os sintomas associados a danos nos nervos sensoriais ou motores podem incluir:

[Polineuropatia tiro dores]

  • formigueiro
  • dormência
  • comichão
  • dificuldade em usar os braços, pernas, mãos ou pés
  • aumento da dor (como queimação, esfaqueamento, congelamento ou dores de tiro)
  • problemas de sono devido a dor noturna
  • incapacidade de sentir dor
  • sensibilidade extrema ao toque
  • incapacidade de sentir mudanças de temperatura
  • falta de coordenação
  • aumento de episódios de queda
  • alterações na pele, cabelo ou unhas
  • úlceras do pé e da perna
  • infecções da pele e unhas
  • fraqueza muscular
  • Espamos musculares

Os sintomas associados ao dano autonômico do nervo incluem:

  • intolerância ao calor
  • sudorese incomum
  • problemas de bexiga ou incontinência
  • problemas digestivos
  • tontura
  • pressão arterial ou anormalidades de pulso
  • dificuldade em comer ou engolir
  • dificuldade ao respirar
  • incapacidade de sentir mudanças de temperatura
  • falta de coordenação

Outras condições com sintomas semelhantes

Fibromialgia e polineuropatia podem ter sintomas semelhantes, mas a causa da fibromialgia é desconhecida.

Similaridades também existem entre esclerose múltipla e neuropatia periférica.

Condições associadas à polineuropatia

Existem muitas condições associadas à polineuropatia, incluindo:

[Problemas de mobilidade de polineuropatia]

  • amiloidose
  • doença celíaca
  • Doença de Charcot-Marie-Tooth
  • diabetes
  • difteria
  • A síndrome de Guillain-Barré
  • hepatite B
  • Hepatite C
  • HIV / AIDS
  • doenca renal
  • hipotireoidismo
  • lepra
  • doença hepática
  • Doença de Lyme
  • linfoma
  • mieloma osteosclerótico
  • anemia perniciosa (deficiência de vitamina B12)
  • radiculopatia
  • artrite reumatóide
  • telhas
  • síndrome de Sjogren

Complicações

Complicações comuns associadas à polineuropatia incluem:

  • Quedas e lesões: A falta de equilíbrio e coordenação, juntamente com a fraqueza muscular, pode levar a um aumento das quedas e lesões decorrentes de quedas.
  • Queimaduras e danos à pele: Dormência e incapacidade de sentir dor ou mudanças de temperatura podem levar a queimaduras acidentais, cortes e outros danos à pele.
  • Infecções: Lesões, queimaduras e cortes, particularmente nas pernas e pés, podem passar despercebidos, levando a um aumento do risco de infecção.

Diagnóstico

O diagnóstico baseia-se na história médica, no exame físico e na avaliação neurológica. Dependendo dos sintomas da pessoa, os testes podem ser solicitados.

O médico fará uma revisão detalhada de todos os sintomas, fatores de estilo de vida e histórico familiar.

Eles também verificarão a altura, o peso, o pulso, a pressão arterial e a temperatura do paciente. O coração, os pulmões e o abdome também podem ser verificados para descartar causas fisiológicas alternativas.

Exames de sangue podem ser solicitados para verificar se há diabetes, função da tireóide, função imunológica, deficiências nutricionais e outros fatores que podem causar polineuropatia.

Pode haver alguns testes simples para verificar reflexos, força muscular, sensibilidade à temperatura e outras sensações, coordenação e postura.

Outros testes

Outros testes que podem ser usados ​​no diagnóstico de polineuropatia incluem:

  • Ressonância nuclear magnética (RNM) ou tomografia computadorizada (TC): essas técnicas de imagem procuram por tumores, hérnias de disco ou outras anormalidades que possam estar afetando a função nervosa.
  • Testes de eletrodiagnóstico: Estes testes não invasivos medem a atividade elétrica nos músculos e nervos, ajudando a detectar danos nos nervos. Exemplos são eletromiografia e velocidade de condução nervosa.
  • Biópsias: O médico pode remover uma pequena porção de um nervo, ou amostra da pele, para testar anormalidades na função nervosa ou nas terminações nervosas.

Tratamento

A Academia Americana de Médicos de Família recomenda que o tratamento de neuropatia periférica aborde o processo de doença subjacente, corrija as deficiências nutricionais e procure aliviar os sintomas.

Os tratamentos disponíveis incluem medicamentos, terapias e procedimentos médicos e tratamentos alternativos.

Medicamentos

Vários medicamentos diferentes estão disponíveis para tratar a neuropatia e seus sintomas. Esses incluem:

  • Medicamentos para condições associadas: As condições que podem estar causando polineuropatia devem ser administradas através de vários tratamentos, incluindo medicação, se recomendado por um médico. Exemplos incluem insulina para diabetes e hormônios da tireóide para hipotireoidismo.
  • Medicamentos para a dor: O alívio da dor sem receita pode ser benéfico para aqueles com dor leve a moderada. Estes medicamentos não devem ser tomados a longo prazo.
  • Prescrição de medicamentos: alguns antidepressivos, como um grupo de medicamentos chamados TCAs (incluindo amitriptilina ou nortriptilina), podem ser usados, e outro grupo chamado SNRIs, como a duloxetina, também pode ajudar. Injeções de corticosteróides podem ser usadas para mononeuropatias, e algumas medicações para crises, como gabapentina ou pregabalina, podem ajudar.

Terapias Médicas

Uma variedade de procedimentos médicos estão disponíveis. Eles incluem:

[Tratamento de polineuropatia chiro]

  • Estimulação elétrica nervosa transcutânea: eletrodos enviam uma suave corrente elétrica através da pele. Isso pode ajudar com dor e sensibilidade.
  • Troca de plasma: Pessoas com condições inflamatórias ou autoimunes podem se beneficiar dessa terapia. O praticante remove o sangue do corpo, separa os anticorpos e outras proteínas do sangue antes de retornar o sangue ao corpo.
  • Terapia imunoglobulínica: Aqueles com condições inflamatórias e autoimunes recebem altos níveis de proteínas para agir como anticorpos, o que ajuda na função imunológica.
  • Fisioterapia: Pessoas com fraqueza muscular ou problemas de coordenação podem considerar a fisioterapia útil.
  • Aparelhos ortopédicos e outros dispositivos: Chaves, bengalas, moldes, talas, andadores e cadeiras de rodas podem fornecer apoio e alívio da dor para aqueles com neuropatia das mãos, pés, pernas e braços.

Se a neuropatia é causada por pressão sobre um nervo, a cirurgia pode ser recomendada.

Tratamentos alternativos

Tratamentos alternativos e complementares podem oferecer alívio para algumas pessoas com polineuropatia. Exemplos incluem:

  • acupuntura
  • quiropraxia
  • massagem
  • meditação

No entanto, esses remédios não foram amplamente estudados.

Prevenção e perspectiva

Prevenir a polineuropatia envolve limitar os fatores de risco e administrar as condições subjacentes. Uma pessoa com polineuropatia pode não ser capaz de evitar todos os fatores de risco, mas algumas escolhas de estilo de vida podem reduzir o risco. Esses são:

  • evitando álcool
  • evitar a exposição a toxinas, incluindo fumaça de cigarro
  • fatores limitantes que contribuem para trauma físico ou lesão, como ações repetitivas e posições restritivas
  • dormir o suficiente e atividade física para apoiar a função imunológica
  • comer uma dieta equilibrada rica em vitaminas e minerais
  • considerando suplementos de vitamina B-12 se um vegan ou vegetariano

Gerenciando condições subjacentes

O gerenciamento de quaisquer condições subjacentes pode ajudar a evitar o início da condição. Aqueles com diabetes e outras condições relacionadas à polineuropatia devem seguir de perto o plano de tratamento planejado pelo seu médico, bem como garantir que eles participem de todos os exames.

Outlook

A perspectiva da polineuropatia varia e pode depender da causa subjacente, que nervos são danificados e a extensão do dano.

Para algumas pessoas, tratar a causa subjacente pode levar a melhorias.Para outros, o dano é permanente. Em alguns casos, os sintomas podem piorar com o tempo.

Quando ver um médico

Se algum dos sintomas da polineuropatia for experimentado, como fraqueza, dor ou formigamento nas mãos ou pés, é importante consultar um médico.

A implementação de um plano de tratamento o mais rápido possível é importante para controlar os sintomas e evitar mais danos nos nervos.

Like this post? Please share to your friends: