Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que há para saber sobre pressão alta?

A hipertensão arterial também é conhecida como hipertensão. A pressão arterial é a quantidade de força exercida contra as paredes das artérias enquanto o sangue flui através delas.

Nos Estados Unidos, aproximadamente 85 milhões de pessoas têm pressão alta – cerca de 1 em cada 3 adultos com mais de 20 anos, segundo a American Heart Association (AHA).

Os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) estimam que cerca de dois terços das pessoas com mais de 65 anos nos EUA têm pressão alta.

Se não tratada ou descontrolada, a pressão alta pode causar muitos problemas de saúde. Essas condições incluem insuficiência cardíaca, perda de visão, acidente vascular cerebral e doença renal.

Causas

Um homem mais velho está tendo sua pressão sanguínea medida por uma mulher.

O coração é um músculo que bombeia sangue pelo corpo.

O sangue que tem baixos níveis de oxigênio é bombeado para os pulmões, onde os suprimentos de oxigênio são reabastecidos. O sangue rico em oxigênio é bombeado pelo coração ao redor do corpo para suprir nossos músculos e células. O bombeamento de sangue cria pressão.

Se uma pessoa tem pressão alta, isso significa que as paredes das artérias estão recebendo muita pressão em uma base constante.

As causas da pressão alta são divididas em duas categorias:

  • Hipertensão essencial: não tem causa estabelecida.
  • Pressão arterial alta secundária: Existe uma causa subjacente.

Mesmo que não exista uma causa identificável para a hipertensão essencial, há fortes evidências ligando alguns fatores de risco à probabilidade de desenvolver a doença.

A maioria das causas abaixo são fatores de risco para a hipertensão essencial. Existem também exemplos de pressão alta secundária:

1) Idade

Quanto mais velho você é, maior o risco de ter pressão alta.

2) História da família

Se você tem familiares próximos com hipertensão, suas chances de desenvolvê-lo são significativamente maiores. Um estudo científico internacional identificou oito diferenças genéticas comuns que podem aumentar o risco de pressão alta.

3) temperatura

Um estudo que monitorou 8.801 participantes com mais de 65 anos descobriu que os valores da pressão arterial sistólica e diastólica diferiram significativamente ao longo do ano e de acordo com a distribuição da temperatura externa. A pressão arterial foi menor quando ficou mais quente, e subiu quando ficou mais frio.

4) origem étnica

Evidências indicam que pessoas com ascendência africana ou do sul da Ásia têm maior risco de desenvolver hipertensão, em comparação com pessoas com ancestrais predominantemente caucasianos ou ameríndios (indígenas das Américas).

5) Obesidade e excesso de peso

Ambas as pessoas com sobrepeso e obesas são mais propensas a desenvolver pressão alta, em comparação com pessoas de peso normal.

6) Alguns aspectos do gênero

Em geral, a hipertensão arterial é mais comum entre homens adultos do que mulheres adultas. No entanto, após os 60 anos, homens e mulheres são igualmente suscetíveis.

7) inatividade física

A falta de exercício, além de ter um estilo de vida sedentário, aumenta o risco de hipertensão.

8) Fumar

Fumar faz com que os vasos sanguíneos se estreitem, resultando em pressão arterial mais alta. Fumar também reduz o conteúdo de oxigênio do sangue para que o coração tenha que bombear mais rápido para compensar, causando um aumento na pressão sanguínea.

9) ingestão de álcool

As pessoas que bebem regularmente têm pressão arterial sistólica mais alta do que as que não bebem, de acordo com pesquisadores. Eles descobriram que os níveis de pressão arterial sistólica são cerca de 7 milímetros de mercúrio (mmHg) mais elevados em pessoas que bebem com freqüência do que em pessoas que não bebem.

10) Alto consumo de sal

Pesquisadores relataram que as sociedades onde as pessoas não comem muito sal têm pressões sanguíneas mais baixas do que lugares onde as pessoas comem muito sal.

11) dieta rica em gordura

Muitos profissionais de saúde dizem que uma dieta rica em gordura leva a um aumento do risco de hipertensão arterial. No entanto, a maioria dos nutricionistas enfatiza que o problema não é quanto gordura é consumida, mas sim que tipo de gordura.

Gorduras provenientes de plantas como abacates, nozes, azeite e óleos ômega são boas para você. Gorduras saturadas, que são comuns em alimentos de origem animal, bem como gorduras trans, são ruins para você.

12) estresse mental

Vários estudos têm oferecido evidências convincentes de que o estresse mental, especialmente a longo prazo, pode ter um impacto sério na pressão arterial. Um estudo sugeriu que a forma como os controladores de tráfego aéreo lidam com o estresse pode afetar o risco de desenvolvimento de pressão alta mais tarde na vida.

13) Diabetes

Pessoas com diabetes estão em maior risco de desenvolver hipertensão. Entre as pessoas com diabetes tipo 1, o alto nível de açúcar no sangue é um fator de risco para a incidência de hipertensão – o controle eficaz e consistente do açúcar no sangue, com a insulina, reduz o risco de desenvolvimento da hipertensão a longo prazo.

Pessoas com diabetes tipo 2 estão em risco de hipertensão devido ao alto nível de açúcar no sangue, assim como outros fatores, como sobrepeso e obesidade, certos medicamentos e algumas doenças cardiovasculares.

14) Psoríase

Um estudo que acompanhou 78.000 mulheres por 14 anos descobriu que ter psoríase estava ligado a um risco maior de desenvolver pressão alta e diabetes. A psoríase é uma condição do sistema imunológico que aparece na pele na forma de manchas escamosas vermelhas e espessas.

15) Gravidez

As mulheres grávidas têm um risco maior de desenvolver hipertensão do que as mulheres da mesma idade que não estão grávidas. É o problema médico mais comum encontrado durante a gravidez, complicando 2 a 3% de todas as gestações.

sinais e sintomas

A maioria das pessoas com pressão alta não sentirá nenhum sintoma. É frequentemente conhecido como o “assassino silencioso” por esse motivo.

No entanto, uma vez que a pressão arterial atinge cerca de 180/110 mmHg, é considerada uma emergência médica conhecida como crise hipertensiva. Nesta fase, os sintomas serão exibidos, incluindo:

  • dor de cabeça
  • náusea
  • vômito
  • tontura
  • visão turva ou dupla
  • hemorragias nasais.
  • palpitações, ou batimentos irregulares ou fortes do coração
  • falta de ar

Qualquer pessoa que tenha esses sintomas deve consultar seu médico imediatamente.

Crianças com pressão alta podem apresentar os seguintes sinais e sintomas:

  • dor de cabeça
  • fadiga
  • visão embaçada
  • hemorragias nasais
  • Paralisia de Bell ou incapacidade de controlar os músculos faciais de um lado do rosto.

Recém-nascidos e bebês muito jovens com pressão alta podem apresentar os seguintes sinais e sintomas:

  • falha em prosperar
  • apreensão
  • irritabilidade
  • letargia
  • desconforto respiratório

As pessoas que são diagnosticadas com pressão alta devem ter sua pressão arterial checada com freqüência. Mesmo que o seu seja normal, você deve verificá-lo pelo menos uma vez a cada cinco anos e, mais frequentemente, se tiver algum fator que contribua.

Complicações

Se a hipertensão não for tratada ou controlada, a pressão excessiva nas paredes das artérias pode levar a danos nos vasos sanguíneos (doenças cardiovasculares), bem como a órgãos vitais. A extensão do dano depende de dois fatores; a gravidade da hipertensão e quanto tempo dura sem tratamento.

Abaixo está uma lista de algumas das possíveis complicações da pressão alta:

  • acidente vascular encefálico
  • ataque cardíaco e insuficiência cardíaca
  • coágulos de sangue
  • aneurisma
  • doenca renal
  • vasos sanguíneos espessados, estreitos ou rasgados nos olhos
  • síndrome metabólica
  • função cerebral e problemas de memória

Tratamento

O tratamento para pressão alta depende de vários fatores, como gravidade, riscos associados de desenvolver acidente vascular cerebral ou doença cardiovascular, etc.

Pressão arterial levemente elevada

O médico pode sugerir algumas mudanças no estilo de vida se a pressão arterial estiver apenas ligeiramente elevada e o risco de desenvolver uma doença cardiovascular considerada pequena.

Pressão arterial moderadamente alta

Se a pressão arterial é moderadamente alta e os médicos acreditam que o risco de desenvolver doença cardiovascular durante os próximos dez anos é superior a 20%, o médico provavelmente prescreverá medicamentos e aconselhará mudanças no estilo de vida.

Hipertensão severa

Se os níveis de pressão arterial forem de 180/110 mmHg ou mais, o médico encaminhará o indivíduo para um especialista.

Mudanças no estilo de vida podem ajudar a reduzir a pressão alta

A seguir, são recomendadas mudanças no estilo de vida que podem ajudar a reduzir a pressão arterial. Observe que você deve sempre consultar um médico ou profissional de saúde para discutir as mudanças no estilo de vida antes de fazer qualquer alteração dramática.

Exercício regular

Par velho, exercitar
Um programa regular de exercícios pode ser benéfico na redução da pressão arterial.

Exercer de 30 a 60 minutos, cinco dias por semana, geralmente reduz a pressão arterial de 4 a 9 mmHg. Se você embarcar em um programa de exercícios, deverá ver os benefícios rapidamente – em questão de duas a três semanas, especialmente se você estiver levando um estilo de vida sedentário por um longo tempo.

É importante certificar-se de consultar o seu médico antes de iniciar qualquer programa de atividade física. O exercício precisa ser adaptado às necessidades e à saúde da pessoa com hipertensão.

O segredo de obter sucesso fora do exercício é fazê-lo regularmente. Exercer-se nos fins de semana e não fazer nada de segunda a sexta-feira será muito menos eficaz.

Perdendo peso

Estudos revelaram que mesmo a perda de peso moderada – apenas dez libras – pode ter um impacto significativo na redução da pressão arterial elevada.

Se você está com sobrepeso, quanto mais próximo do seu peso ideal, mais a pressão arterial pode cair. Quaisquer medicamentos para pressão alta que você esteja tomando se tornarão mais eficazes quando você perder peso.

Reduzir sua cintura terá o maior efeito. Atingir um peso corporal saudável envolve uma combinação de exercício, boa alimentação e pelo menos 7 horas de sono de boa qualidade a cada noite.

Cientistas do Centro de Pesquisa em Saúde da Kaiser Permanente descobriram que manter um diário alimentar pode dobrar a perda de peso como parte de um programa gerenciado.

Técnicas de relaxamento

Pesquisadores do Massachusetts General Hospital descobriram que adicionar a resposta de relaxamento, uma abordagem de controle do estresse, a outras modificações no estilo de vida pode melhorar significativamente o tratamento do tipo de hipertensão mais comum em idosos.

O Harvard Women’s Health Watch relatou que, em um estudo, o tai chi aumentou significativamente a capacidade de exercício, reduziu a pressão sanguínea e melhorou os níveis de colesterol, triglicérides, insulina e proteína C reativa em pessoas com alto risco de doença cardíaca.

Dormir

Não conseguir dormir o suficiente pode aumentar o risco de uma pessoa desenvolver pressão alta, disseram cientistas da Universidade de Chicago após monitorarem mais de 500 pessoas de meia-idade por 5 anos.

Alguns estudos sugeriram que os adultos dormem não menos que 7 horas e não mais do que 8 horas por dia. Em 2008, a Academia Americana de Medicina do Sono publicou um estudo sugerindo que as pessoas com duração do sono acima ou abaixo das 7 a 8 horas recomendadas por noite enfrentam um risco aumentado de hipertensão.

Existem vários medicamentos anti-hipertensivos no mercado hoje. Algumas pessoas podem precisar tomar uma combinação de diferentes drogas para controlar efetivamente sua pressão alta.

Algumas pessoas podem precisar de medicação para controlar a hipertensão pelo resto de suas vidas.Os médicos podem aconselhar a descontinuação do tratamento se o indivíduo conseguir manter bons níveis de pressão arterial durante um determinado período e não for considerado um risco significativo de acidente vascular cerebral ou doença cardiovascular.

Um estudo descobriu que as pessoas têm mais controle de sua pressão alta quando tratadas com menos medicação.

Medicamentos

Estes são alguns dos medicamentos mais comuns no tratamento da pressão arterial elevada:

1) Inibidores da enzima conversora da angiotensina (ECA)

Os inibidores da ECA bloqueiam as ações de alguns hormônios, como a angiotensina II, que regulam a pressão arterial. A angiotensina II faz com que as artérias se contraiam e aumenta o volume sangüíneo, resultando em aumento da pressão arterial.

Pessoas com história de doença cardíaca, mulheres grávidas ou indivíduos com condições que afetam o suprimento de sangue para os rins não devem tomar inibidores da ECA.

Os médicos podem pedir um exame de sangue para determinar se o paciente tem algum problema renal pré-existente. Os inibidores da ECA podem reduzir o suprimento de sangue para os rins, tornando-os menos eficientes, portanto, exames de sangue regularmente são necessários.

Os inibidores da ECA podem ter os seguintes efeitos colaterais mais comuns, que geralmente desaparecem após alguns dias:

  • tontura
  • fadiga
  • fraqueza
  • dores de cabeça
  • tosse seca persistente que pode continuar

Alguns pacientes podem achar os efeitos colaterais muito desagradáveis ​​ou duradouros. Nesses casos, os médicos mudarão para um antagonista do receptor da angiotensina-2. Os efeitos colaterais são menos comuns, mas podem incluir tontura, dor de cabeça e aumento dos níveis de potássio no sangue.

2) bloqueadores dos canais de cálcio

Bloqueadores dos canais de cálcio (CCBs), entre outras coisas, diminuem o cálcio nos vasos sanguíneos. Uma gota de cálcio relaxa o músculo liso vascular de modo que não se contraia tão fortemente, resultando no alargamento das artérias. Se as artérias estiverem mais largas, a pressão arterial cairá.

Pacientes com histórico de doença cardíaca, doença hepática ou problemas de circulação não devem tomar bloqueadores dos canais de cálcio.

Bloqueadores dos canais de cálcio podem ter os seguintes efeitos colaterais mais comuns, que geralmente desaparecem depois de alguns dias:

  • vermelhidão da pele, geralmente sobre as bochechas ou pescoço
  • dores de cabeça
  • tornozelos inchados, pés e mais raramente o abdome
  • tontura
  • fadiga
  • erupção cutânea

3) diuréticos tiazídicos

Os diuréticos tiazídicos agem nos rins para ajudar o corpo a eliminar sódio e água, resultando em menor volume de sangue – menos volume de sangue resulta em pressão arterial mais baixa. Eles são muitas vezes a primeira escolha em medicamentos para pressão alta (mas não a única escolha).

Os diuréticos tiazídicos podem causar os seguintes efeitos colaterais, alguns dos quais podem persistir:

  • potássio baixo no sangue que pode afetar as funções renais e cardíacas.
  • tolerância à glicose diminuída
  • disfunção erétil

Pacientes que tomam diuréticos tiazídicos devem fazer exames regulares de sangue e urina para monitorar os níveis de açúcar no sangue e de potássio.

Pacientes com 80 anos ou mais podem receber indapamida (Lozol), um tipo especial de diurético tiazídico que ajuda a reduzir a morte por acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca e algumas outras doenças cardiovasculares.

4) beta-bloqueadores

Os beta-bloqueadores já foram amplamente utilizados para o tratamento da hipertensão. Porque eles têm mais efeitos colaterais potenciais do que outras drogas hipertensivas atuais, eles tendem a ser usados ​​hoje quando outros tratamentos não funcionaram.

Eles diminuem a freqüência cardíaca e reduzem a força do coração, resultando em uma queda na pressão sanguínea.

Os beta-bloqueadores podem ter os seguintes efeitos colaterais:

  • fadiga
  • mãos e pés frios
  • pulsação lenta
  • náusea
  • diarréia

Os efeitos colaterais abaixo também são possíveis, mas menos comuns:

  • sono perturbado
  • pesadelos
  • disfunção erétil

5) inibidores de renina

Aliskiren (Tekturna, Rasilez) reduz a produção de renina. Renina é uma enzima produzida nos rins. Renina está envolvida na produção de uma substância no organismo chamada angiotensina I. A angiotensina I é convertida no hormônio angiotensina II, que estreita os vasos sanguíneos.

O aliscireno bloqueia a produção de angiotensina I para que os níveis de angiotensina I e angiotensina II caiam. Isso causa o alargamento dos vasos sanguíneos, resultando em uma queda na pressão arterial. Como é uma medicação relativamente nova, seu uso e dosagens para pacientes com hipertensão ainda estão sendo determinados.

O aliscireno pode ter os seguintes efeitos secundários:

  • diarréia
  • tontura
  • sintomas como os da gripe
  • fadiga
  • tosse

Certifique-se de ler a embalagem de qualquer medicamento para verificar se há interações com outros medicamentos.

Dieta

Administrar a dieta pode ser um meio eficaz de prevenir e tratar a pressão alta.

Isso significa comer muitas frutas e legumes, carboidratos não refinados de boa qualidade, óleos vegetais e óleos ômega. Se você comer produtos de origem animal, certifique-se de que toda a gordura esteja aparada e evite carnes processadas.

Abaixando o consumo de sal

Estudos mostraram que mesmo uma redução moderada na ingestão de sal ou sódio pode reduzir os níveis de pressão arterial em 2 a 8 mmHg.

Um estudo descobriu que a maioria dos americanos diagnosticados com hipertensão ainda consome mais do que os níveis recomendados de sal.

O líder do estudo, Umed Ajani, epidemiologista do Centro Nacional de Prevenção e Promoção de Doenças Crônicas, disse:

“Talvez a descoberta mais notável seja que nenhuma diferença na ingestão de sódio foi observada entre aqueles que receberam aconselhamento e aqueles que não receberam”.

Um relatório publicado em março de 2009 pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) sugere que 7 em cada 10 americanos adultos devem limitar sua ingestão de sódio a 1.500 mg por dia. O relatório estimou que 145 milhões de americanos têm um dos três fatores de risco para a hipertensão. Isso equivale a aproximadamente 70% da população adulta.

A AHA fornece uma tabela útil que lista medições comuns de sal e seus equivalentes em mg.

A dieta DASH

O NIH projetou uma dieta para controlar a pressão arterial, chamada de dieta DASH. Também é recomendado pela AHA.

Esta dieta é baseada em um plano alimentar que se concentra em frutas, legumes, nozes, sementes, feijões e produtos lácteos com baixo teor de gordura.

Clique aqui para uma tabela que aconselha as proporções de cada tipo de alimento para incluir as pessoas que desejam seguir a dieta DASH.

Álcool

Alguns estudos indicam que o consumo de álcool ajuda a baixar a pressão arterial, enquanto outros relatam o contrário.

Em quantidades muito pequenas, o álcool pode baixar a pressão arterial. Mas se você beber muito, mesmo em quantidades moderadas, em alguns casos, os níveis de pressão arterial podem aumentar.

Pessoas que bebem mais do que quantidades moderadas de álcool regularmente quase sempre experimentam níveis elevados de pressão arterial.

Cafeína

Existe uma ampla gama de estudos que informam se a cafeína tem impacto na pressão arterial. Muitos têm conclusões conflitantes, mas concordam que moderar a ingestão de cafeína é aconselhável para pessoas com pressão alta.

Gamas

Medidor de pressão arterial e estetoscópio
A pressão arterial elevada é considerada como 140/90 mmHg ou superior.

Qualquer pessoa cuja pressão arterial é 140/90 mmHg ou mais por um período prolongado é dito ter pressão alta, ou hipertensão.

A pressão arterial é geralmente dividida em cinco categorias:

  1. Hipotensão ou pressão arterial baixa
    MmHg sistólico 90 ou menos, ou
    Diastolic mmHg 60 ou menos
  2. Normal
    MmHg sistêmica 90-119 e
    MmHg diastólico 60-79
  3. Prehypertension
    MmHg sistólica 120-139 ou
    MmHg diastólica 80-89
  4. Hipertensão Estágio 1
    MmHg sistólica 140-159 ou
    MmHg diastólico 90-99
  5. Hipertensão estágio 2
    MmHg sistólico acima de 160 ou
    MmHg diastólico acima de 100

Diagnóstico

As pessoas medem dois tipos de pressão arterial:

  • Pressão sistólica: esta é a pressão sanguínea quando o coração se contrai.
  • Pressão diastólica: Esta é a pressão arterial entre os batimentos cardíacos.

Se lhe disserem que a sua pressão arterial é de 120/80 mmHg, significa que tem uma pressão sistólica de 120 mmHg e uma pressão diastólica de 80 mmHg.

Esfigmomanômetro

A maioria dos leigos viu este dispositivo. Consiste em uma braçadeira inflável que é envolvida em torno do úmero. Quando o manguito é insuflado, restringe o fluxo sanguíneo. Um manômetro de mercúrio ou mecânico mede a pressão.

Um esfigmomanômetro manual é freqüentemente usado em conjunto com um estetoscópio.

Com um esfigmomanômetro digital, todas as medições são realizadas com sensores elétricos.

Com os avanços na nova tecnologia wearable, as pessoas agora podem acompanhar sua pressão arterial em casa. Você pode ler nossa análise dos melhores monitores de pressão arterial em casa atualmente disponíveis para compra.

Uma leitura da pressão arterial não é suficiente para diagnosticar a hipertensão em um paciente. A pressão sangüínea das pessoas pode variar durante o dia, uma visita ao médico pode aumentar a leitura porque o paciente está ansioso ou estressado, tendo acabado de comer também pode afetar temporariamente a pressão arterial.

Como a definição de hipertensão é definida como “pressão arterial repetidamente elevada”, o médico de cuidados primários terá que fazer várias leituras durante um determinado período. Isso pode exigir três medidas separadas com intervalo de uma semana – muitas vezes o monitoramento continua por muito mais tempo antes que o diagnóstico seja confirmado.

Em raras ocasiões, se a pressão arterial estiver extremamente alta, ou se houver danos nos órgãos-alvo, o diagnóstico pode ser feito imediatamente, para que o tratamento possa ser iniciado imediatamente. Danos em órgãos-alvo geralmente se referem a danos nos principais órgãos alimentados pelo sistema circulatório, como coração, rins, cérebro ou olhos.

Transtorno renal: Se o paciente tiver uma infecção do trato urinário, urinar com frequência ou relatar dor na lateral do abdômen, eles podem ser sinais e sintomas de um distúrbio renal.

Se o médico colocar o estetoscópio na lateral do abdômen e ouvir o som de sangue correndo, isso pode ser um sinal de estenose. Este é um estreitamento de uma artéria que suprime o rim.

Testes adicionais para pressão alta

O médico também pode solicitar os seguintes exames para auxiliar no diagnóstico de pressão alta:

Urina e exames de sangue: As causas subjacentes podem ser devidas a colesterol, altos níveis de potássio, açúcar no sangue, infecção, disfunção renal, etc. A proteína ou o sangue na urina podem indicar danos nos rins. Alta glicose no sangue pode indicar diabetes.

Teste ergométrico: mais comumente usado em pacientes com hipertensão limítrofe. Isso geralmente envolve pedalar uma bicicleta estacionária ou andar em uma esteira. O teste de estresse avalia como o sistema cardiovascular do corpo responde ao aumento da atividade física. Se o paciente tiver hipertensão, é importante saber esses dados antes do início do teste de exercício. O teste monitora a atividade elétrica do coração, bem como a pressão sanguínea do paciente durante o exercício. Um teste de esforço, por vezes, revela problemas que não são aparentes quando o corpo está descansando. Exames de imagem do suprimento de sangue do coração podem ser feitos ao mesmo tempo.

Eletrocardiograma (ECG): testa a atividade elétrica do coração. Este teste é mais comumente usado para pacientes com alto risco de problemas cardíacos, como hipertensão e níveis elevados de colesterol. O ECG inicial é chamado de linha de base. ECGs subseqüentes podem ser comparados com a linha de base para revelar alterações que podem apontar para doença arterial coronariana ou espessamento da parede do coração.

Monitoramento Holter: O paciente carrega um dispositivo portátil de ECG que é anexado a eletrodos no peito por cerca de 24 horas.

Ecocardiograma: Este dispositivo usa ondas de ultra-som que mostram o coração em movimento.O médico será capaz de detectar problemas, como espessamento da parede do coração, válvulas cardíacas defeituosas, coágulos sanguíneos e excesso de fluidos ao redor do coração.

Like this post? Please share to your friends: