Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que há para saber sobre o câncer vaginal?

O câncer vaginal é um tipo raro de câncer que se forma no tecido vaginal das mulheres. Cerca de 2.000 mulheres são afetadas por câncer vaginal nos Estados Unidos a cada ano.

Existem dois tipos principais: carcinoma de células escamosas e adenocarcinoma. O carcinoma de células escamosas vaginais surge das células escamosas que revestem a vagina. É o tipo mais comum de câncer vaginal e é mais comum em mulheres com 60 anos ou mais.

O adenocarcinoma vaginal origina-se das células glandulares no revestimento da vagina que produzem alguns dos fluidos vaginais. O adenocarcinoma tem maior probabilidade de se espalhar do que o câncer de células escamosas.

Fatos rápidos sobre o câncer vaginal

  • O câncer vaginal não é uma forma comum de câncer e afeta cerca de 2.000 americanos por ano.
  • De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), 75 por cento dos cânceres vaginais estão associados ao HPV.
  • Mulheres negras americanas e hispânicas mais comumente apresentam câncer vaginal relacionado ao HPV do que mulheres de outras raças e etnias.
  • Um dos primeiros sintomas visíveis de câncer vaginal é o sangramento após o sexo.

Sintomas

[Mulher com dor pélvica]

Câncer em estágio inicial e lesões pré-cancerosas geralmente não causam sintomas, mas são encontrados durante um exame de rotina. Os cânceres vaginais de estágio tardio são mais propensos a estar associados aos sintomas.

Um dos sintomas mais comuns é o sangramento vaginal anormal após a relação sexual. Muitas vezes, é um dos primeiros sintomas a serem notados. O sangramento vaginal em mulheres após a menopausa é anormal e deve sempre ser avaliado.

Outros sintomas podem incluir:

  • corrimento vaginal anormal
  • massa vaginal
  • dificuldade ou dor ao urinar
  • Prisão de ventre
  • dor durante o sexo
  • dor pélvica
  • dor na parte de trás das pernas ou inchaço nas pernas

Se um indivíduo apresentar algum desses sintomas, deve marcar uma consulta com seu médico imediatamente.

Causas

Infelizmente, os pesquisadores ainda não conhecem as causas exatas do câncer vaginal. Eles, no entanto, identificaram vários fatores de risco para o desenvolvimento de câncer vaginal. Esses fatores de risco incluem:

  • Idade – aqueles com mais de 60 anos correm maior risco.
  • Infecção por HPV – contrair o vírus do papiloma humano aumenta o risco.
  • Histerectomia – mulheres que tiveram uma histerectomia são estatisticamente mais propensas a contrair câncer vaginal.
  • Uma história de câncer do colo do útero – o diagnóstico do câncer do colo do útero é um fator de risco para o câncer vaginal.
  • Tratamento de radiação anterior – isso às vezes pode causar um aumento na probabilidade de câncer vaginal.
  • Uso de um pessário vaginal – o uso destes, como durante o prolapso de órgãos pélvicos, está associado a um aumento do risco.
  • Neoplasia intra-epitelial vaginal (VAIN) – essas células são diferentes das células normais, mas não são diferentes o suficiente para serem classificadas como células cancerígenas. Às vezes, essas células podem se transformar em câncer.

Muitos tipos de câncer causados ​​pelo HPV, incluindo câncer vaginal e cervical, estão associados a lesões pré-cancerosas. Estas se desenvolvem antes do câncer e podem ser coletadas em um teste de Papanicolaou.

A exposição ao hormônio sintético Diethylstilbestrol (DES), enquanto no útero pode aumentar o risco. Esta droga foi tomada por mães a partir dos anos 1940 até 1971. Como resultado, os casos atribuídos aos DES estão em declínio, já que as crianças nascidas dessas gravidezes estão agora com 40 anos ou mais.

Tratamento

Mulher, sofrendo, radioterapia

O tratamento do câncer pode envolver um dos vários tratamentos diferentes.

  • terapia de radiação
  • quimioterapia

Embora esses sejam métodos padrão de tratamento em muitos tipos de câncer, antes de qualquer regime de tratamento, o paciente deve entender o que esperar, os possíveis efeitos colaterais e os riscos e benefícios do tratamento.

Quanto mais educado um indivíduo é sobre o tratamento do câncer, melhor eles podem se comunicar com a equipe médica e participar de suas decisões de tratamento e cuidados gerais.

Às vezes, a cirurgia é usada para remover o câncer, mas a maioria dos pacientes é tratada com radiação. Se o tumor é um câncer do colo do útero que se espalhou para a vagina, ou se está em um estágio avançado, a radiação e a quimioterapia são muitas vezes administradas.

Diagnóstico

A primeira visita do médico incluirá uma história e um exame físico. Eles perguntarão sobre quaisquer sintomas ou preocupações que o indivíduo possa ter, incluindo:

  • medicações
  • Práticas sexuais e história da família também serão discutidas

O exame incluirá:

  1. Exame pélvico – o médico procurará e sentirá anormalidades.
  2. Papanicolau – um teste para o câncer do colo do útero.
  3. Colposcopia (exame do colo do útero) – pode ser realizada se o teste de Papanicolaou for anormal, ou se o médico tiver visto algo incomum ou suspeito durante o exame pélvico.

Para fazer um diagnóstico definitivo, é necessária uma biópsia. Durante uma biópsia, pequenas amostras de tecido são coletadas e examinadas por um patologista. Biópsias são comumente realizadas durante uma colposcopia. Um anestésico local é usado para aliviar o desconforto e a dor.

Se o câncer vaginal for confirmado, vários outros testes serão concluídos para determinar o estágio do câncer e para ajudar no planejamento do tratamento.

Descobrir que você tem câncer é muitas vezes muito angustiante. Lidar com um novo diagnóstico pode ser difícil, mas conseguir apoio logo no início pode ajudar um indivíduo a lidar durante o tratamento e além dele.

Prevenção

A melhor maneira que uma mulher pode reduzir seu fator de risco para o desenvolvimento de câncer vaginal é tentar evitar a infecção pelo HPV, um vírus sexualmente transmissível extremamente comum. De fato, cerca de 80% dos homens e mulheres sexualmente ativos estão infectados com o HPV em algum momento de sua vida.

O HPV pode causar muitos tipos de câncer, incluindo câncer do colo do útero. Os pesquisadores acreditam que pode haver uma ligação entre o câncer vaginal e o HPV.

Outros fatores que podem ajudar a prevenir o câncer vaginal incluem:

  • Não ter relações sexuais até o final da adolescência ou mais.
  • Evitar relações sexuais com múltiplos parceiros.
  • Evitar relações sexuais com qualquer pessoa que tenha tido vários parceiros.
  • Praticar sexo seguro (embora os preservativos não possam proteger totalmente contra o HPV).
  • Fazer regularmente exames de Papanicolaou para encontrar e tratar condições pré-cancerosas.
  • Deixar de fumar ou não começar em primeiro lugar.

Os pesquisadores ainda estão investigando as causas do câncer vaginal e as formas de preveni-lo. Não há como evitar completamente a doença, mas seguindo os conselhos acima, os riscos podem ser minimizados.

Like this post? Please share to your friends: