Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que há para saber sobre o câncer de esôfago?

Câncer de esôfago refere-se a um tumor maligno do esôfago. O esôfago é o tubo que liga a garganta ao estômago.

É raro nos Estados Unidos, mas mais comum na Ásia e em partes da África. Em 2015, o câncer de esôfago representou 1% dos novos diagnósticos de câncer e 2,6% das mortes por câncer. Isso afeta principalmente indivíduos com idade mínima de 55 anos.

Os dois principais subtipos de câncer de esôfago são:

  • Carcinoma de células escamosas: origina-se das células que revestem a parte superior do esôfago.
  • Adenocarcinoma do esôfago: Isso ocorre devido a alterações nas células glandulares que existem na junção do esôfago e do estômago.

Tipos mais raros incluem:

  • coriocarcinoma
  • linfoma
  • melanoma
  • sarcoma
  • câncer de pequenas células

O tratamento, sintomas e prognóstico são semelhantes para os dois principais tipos de câncer de esôfago.

Fatos rápidos sobre o câncer de esôfago

  • O câncer de esôfago geralmente não causa sintomas até atingir um estágio avançado. Os sintomas podem incluir dificuldades de deglutição e vômito.
  • Existem dois tipos, adenocarcinoma e carcinoma de células escamosas.
  • As opções de tratamento incluem terapia fotodinâmica, quimioterapia e radioterapia.
  • A taxa de sobrevida mais recente em 5 anos registrada para o câncer de esôfago foi de 19,2 por cento.

Sintomas

esôfago

Muitas vezes, não há sintomas durante os estágios iniciais desse tipo de câncer. É por isso que a maioria dos diagnósticos ocorre quando o câncer está bem avançado.

Quando os sintomas estão presentes, eles podem incluir:

  • Disfagia: Como o tumor estreita a passagem no esôfago, a obtenção de alimentos se torna mais difícil. Este é geralmente o primeiro sintoma.
  • Regurgitando: A comida vomita depois de ficar presa.
  • Perda de peso: Perda de peso dramática e súbita pode ocorrer.
  • Uma tosse: isso se torna mais comum quando se tenta engolir. Às vezes a pessoa pode tossir sangue.
  • Mudanças de voz: a voz pode ficar rouca.
  • Dor e desconforto: afetam a garganta.
  • Refluxo ácido: Isso pode acontecer se o câncer afeta a parte inferior do esôfago.
  • Dor no peito: está ligada ao refluxo ácido.

Causas

Câncer resulta do crescimento celular fora de controle. O câncer prejudica o corpo quando as células danificadas se dividem descontroladamente para formar nódulos ou massas de tecido chamadas tumores.

Os tumores podem crescer e interferir na função do corpo. Aqueles que ficam em um local e não crescem são geralmente considerados benignos. O câncer maligno é perigoso porque se espalha.

Sem tratamento, o câncer maligno pode se espalhar para outras partes do corpo, em um processo conhecido como metástase. Se o câncer entrar no sistema linfático, ele pode alcançar outras partes do corpo, incluindo órgãos vitais, mais rapidamente.

Os especialistas não sabem exatamente porque o câncer de esôfago começa, mas parece haver alguns fatores de risco.

Esses incluem:

  • Acalasia: um tipo de distúrbio de motilidade esofágica.
  • Idade: é mais comum após os 60 anos de idade.
  • Álcool e tabagismo: um deles ou ambos aumentam o risco.
  • Doença celíaca: isso tem sido associado a um risco maior de carcinoma de células escamosas.
  • Dieta: Consumir muito pouca fruta e vegetais parece aumentar o risco.
  • Fatores genéticos: Ter um membro da família com essa condição aumenta o risco.
  • A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) e o refluxo ácido podem levar ao esôfago de Barrett, aumentando o risco de malignidade futura.
  • Papilomavírus humano (HPV): o HPV é um vírus sexualmente transmissível e contagioso.
  • Exposição a longo prazo a substâncias químicas ou irritantes: incluem fuligem, pó metálico, gases de escape, soda cáustica e poeira de sílica.
  • Sexo: os machos correm maior risco
  • Obesidade: É mais comum em pessoas com obesidade.
  • Outros tipos de câncer: Aqueles que tiveram câncer de cabeça e pescoço têm um risco significativamente maior.
  • Radioterapia: quando este tratamento é recebido no peito ou na cabeça, pode aumentar o risco.
  • Tabagismo: fumar a longo prazo, pesado, regular está ligado ao câncer de esôfago.

Tratamento

Radioterapia do câncer

O tratamento depende de vários fatores, incluindo:

  • o tipo celular de câncer
  • o palco
  • a saúde geral e a idade do paciente
  • a presença de outras doenças

Opções de tratamento incluem:

  • cirurgia
  • quimioterapia
  • terapia de radiação

A pessoa pode precisar de ajuda para consumir alimentos e bebidas das seguintes maneiras:

  • Se a pessoa não puder engolir, um stent pode ser inserido para manter o esôfago desbloqueado.
  • Uma sonda nasogástrica, passada pelo nariz, pode ser necessária para auxiliar na alimentação enquanto o tumor é tratado.
  • A gastrostomia é um orifício de alimentação na pele que dá acesso direto ao estômago.

O tratamento visa remover todo o tumor e quaisquer outras células cancerígenas ou impedir que o tumor fique maior. Cirurgia, quimioterapia ou ambos podem ser usados.

Cirurgia

As seguintes intervenções cirúrgicas podem ser usadas:

  • Esofagectomia: Isso remove parte do esôfago. A seção que contém o tumor é removida e a parte restante é reconectada ao estômago. Às vezes, uma pequena parte do intestino grosso é usada para ajudar a conectar o esôfago e o estômago.
  • Esofagogastrectomia: Remove a parte do esôfago onde está o tumor e partes do estômago e dos gânglios linfáticos próximos. Se o cirurgião não conseguir conectar o estômago e o esôfago adequadamente, uma pequena parte do intestino grosso pode ser usada.

Outros procedimentos

Outras técnicas não cirúrgicas podem ser usadas para tratar o câncer de esôfago,

  • Terapia fotodinâmica: Uma substância especial é injetada no esôfago, o que torna as células extremamente sensíveis à luz. Com um endoscópio que tem um laser ligado ao final, o cirurgião destrói as células cancerígenas, queimando-as.
  • Quimioterapia: pode ser usada antes ou depois da cirurgia, ou ambas, e possivelmente em conjunto com a radioterapia. A quimioterapia pode ser usada para remover o câncer, atrasar ou prevenir a recorrência, retardar a progressão ou aliviar os sintomas do câncer avançado.
  • Radioterapia: feixes de raios-X de alta energia ou partículas ou radiação são usados ​​para destruir as células cancerígenas. A radioterapia danifica o DNA dentro das células do tumor, destruindo sua capacidade de se reproduzir. Pode ser aplicado externamente, através de radiação de feixe externo, ou internamente usando braquiterapia. Nos casos de câncer de esôfago, a radioterapia geralmente é administrada em combinação com a quimioterapia. A radioterapia também pode ser administrada antes ou depois da cirurgia.

Diagnóstico

endoscópio

Um médico examinará a pessoa que apresenta os sintomas e solicitará detalhes. Eles podem encaminhar o indivíduo para um especialista.

Os seguintes testes de diagnóstico serão solicitados:

  • Gastroscopia ou endoscopia: Um instrumento longo e fino, chamado endoscópio, é passado pela boca, pelo esôfago e em direção ao estômago. O endoscópio tem uma luz e câmera no final. O médico vê as imagens em uma tela e determina se há algum tumor ou anormalidade.
  • Biópsia: Uma amostra de tecido pode ser retirada se a endoscopia mostrar algo incomum. Um patologista examina a amostra sob um microscópio. Eles podem determinar se há ou não células cancerígenas.
  • Teste de andorinha de bário: o paciente bebe um líquido contendo bário. O bário aparece em raios-x. Várias fotos de raio-x são tiradas em intervalos. Eles vão revelar se há alguma obstrução, que seria causada por um tumor.
  • Ultrassonografia endoscópica: Uma pequena sonda de ultra-som é conectada a um endoscópio e é inserida pela boca em uma área específica. Isso geralmente é feito quando o médico sabe que há câncer, mas quer ver melhor o tumor em um monitor. Este tipo de teste pode mostrar se o câncer se espalhou para o tecido próximo.
  • Outros exames de imagem: uma tomografia computadorizada pode ajudar a determinar a propagação do câncer

Estágios

Existem cinco estágios do câncer de esôfago, cada um dos quais destacam a propagação e gravidade do câncer.

  • Estágio 0: Este estágio refere-se a células que mostraram sinais de atividade cancerosa sem se tornarem cancerosas.
  • Estágio 1: Câncer se formou na parede do esôfago. A localização do tumor pode não ser aparente.
  • Estágio 2: O câncer se espalhou para o tecido muscular ou conjuntivo do esôfago e um ou dois linfonodos.
  • Fase 3: O câncer se espalhou para o tecido muscular ou conjuntivo do esôfago, assim como possivelmente se espalhou para o diafragma, saco ao redor do coração ou tecido protetor ao redor dos pulmões e entre 3 e 6 linfonodos.
  • Estágio 4: O câncer se espalhou para locais distantes do corpo.

O estágio de um câncer vai ditar como esse câncer é tratado e a probabilidade de sucesso no tratamento.

Outlook

Em 2014, o ano mais recente em que os dados foram coletados, a perspectiva para o câncer de esôfago foi que 19,2 por cento das pessoas sobreviveram por cinco anos após o diagnóstico.

A perspectiva depende fortemente do estágio do câncer. Se o câncer não se espalhou a partir do esôfago, a taxa de sobrevivência aumenta para 43%. Se a doença se espalhou para os órgãos vizinhos, a taxa de sobrevivência cai para 23%. Uma vez que o câncer atinge locais distantes, a taxa de sobrevivência pode ser tão baixa quanto 5%.

Se você tiver algum sintoma, é vital que você entre em contato com um médico.

Embora esses números sejam uma estimativa, eles indicam uma baixa taxa de sobrevida global e, portanto, destacam a gravidade do câncer de esôfago.

Like this post? Please share to your friends: