Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que há para saber sobre hipertensão pulmonar?

Hipertensão pulmonar é o aumento da pressão arterial nos vasos sanguíneos que coletam oxigênio dos pulmões. É uma doença grave e degenerativa e pode causar insuficiência cardíaca e morte.

A pressão alta geralmente pode ser evitada através de mudanças no estilo de vida, mas a hipertensão pulmonar geralmente tem fatores genéticos.

Há cerca de 200.000 hospitalizações por ano nos Estados Unidos (EUA) envolvendo hipertensão pulmonar, e a condição é oficialmente responsável por cerca de 15.000 mortes anualmente.

É mais comum em pessoas com 75 anos ou mais.

Fatos rápidos sobre hipertensão pulmonar

  • A hipertensão pulmonar é alta pressão nos vasos sanguíneos dos pulmões.
  • As complicações incluem coágulos sanguíneos, batimentos cardíacos irregulares e cor pulmonale, ou insuficiência cardíaca do lado direito. As complicações são graves e podem ser fatais.
  • A hipertensão pulmonar pode ser causada por defeitos cardíacos congênitos, infecção por HIV, problemas com tecido conjuntivo ou uso de drogas.
  • A pressão arterial pulmonar acima de 20 milímetros de mercúrio (mmHg) é considerada anormal.
  • A hipertensão pulmonar é freqüentemente diagnosticada com a caminhada de 6 minutos.
  • O tratamento envolve uma variedade de medicamentos e cirurgias.

O que é hipertensão pulmonar?

A hipertensão pulmonar é a pressão sanguínea anormalmente aumentada na artéria pulmonar que chega aos pulmões do lado direito do coração.

Hipertensão pulmonar

O sangue oxigenado é fornecido ao resto do corpo pela câmara de bombeamento relevante do coração. Se a hipertensão, ou pressão alta, ocorre perto dos pulmões na circulação de uma pessoa, é provável que seja uma condição progressiva e grave.

A hipertensão pulmonar difere da hipertensão geral. A hipertensão é uma condição separada que envolve pressão alta em vários sistemas corporais, afetando principalmente o sistema circulatório mais amplo.

Pressão arterial pulmonar normal deve sentar-se entre 8 e 20 milímetros de mercúrio (mmHg) enquanto descansa.

Existem dois tipos de pressão arterial elevada nos pulmões: primária e secundária.

  • A hipertensão pulmonar primária é uma condição relativamente rara que não está ligada ao problema subjacente.
  • Hipertensão pulmonar secundária decorre de uma condição subjacente, como um defeito cardíaco.

A esperança média de vida após o diagnóstico é estimada em 2,8 anos sem tratamento, mas a ajuda médica pode melhorar as perspectivas.

Sintomas

Falta de ar hipertensão pulmonar

O principal sintoma da hipertensão pulmonar é a falta de ar, também conhecida como dispneia.

Dois outros sintomas principais são fadiga e síncope. Síncope refere-se a desmaios e tonturas.

A falta de ar pode afetar a capacidade de uma pessoa andar, falar e se esforçar fisicamente.

É importante notar que a hipertensão pulmonar pode ser clinicamente “silenciosa”. Nestes casos, pode não haver sintomas até que a condição se torne grave.

Complicações

A insuficiência cardíaca direita, também conhecida como cor pulmonale, é a principal complicação da hipertensão pulmonar.

A pressão de retorno sobre o coração e o aumento do esforço necessário para manter o fluxo sanguíneo podem levar a uma doença cardíaca conhecida como hipertrofia ventricular direita. O ventrículo direito do coração entra em colapso devido ao excesso de trabalho devido a espessamento das paredes arteriais, aumento do tamanho do ventrículo e alta pressão.

Esta é uma complicação com risco de vida, pois pode levar à insuficiência cardíaca. A insuficiência cardíaca é a principal causa de fatalidade em pessoas com hipertensão pulmonar.

Outras complicações incluem sangue que entra nos pulmões e tosse com sangue ou hemoptise. Ambas estas complicações podem causar a morte.

Coágulos sanguíneos e batimento cardíaco irregular, ou arritmia, são outras complicações potenciais da hipertensão pulmonar.

É vital que uma pessoa que suspeite que possa ter hipertensão pulmonar procure atendimento médico o mais cedo possível.

A ajuda médica imediata pode reduzir o risco de complicações graves.

Causas

O espessamento das paredes dos vasos sanguíneos no pulmão causa hipertensão pulmonar.

Isso estreita o espaço dentro do vaso pelo qual o sangue pode viajar, aumentando a pressão.

Um conjunto complexo de fatores leva ao espessamento dos vasos sangüíneos nos pulmões durante a hipertensão pulmonar.

Causas conhecidas incluem:

  • problemas com o tecido conjuntivo, como a esclerose
  • defeitos cardíacos congênitos, o que significa que o defeito estava presente no nascimento
  • causas genéticas hereditárias, como a mutação do gene BMPR2
  • uso de drogas ou outras toxinas
  • Infecção pelo HIV
  • doença pulmonar veno-oclusiva, por vezes associada a câncer ou tratamento de câncer
  • doença cardíaca esquerda, como doença valvar
  • doença pulmonar, por exemplo, DPOC e exposição crônica a altas altitudes
  • hipertensão pulmonar tromboembólica crónica, que ocorre após um coágulo sanguíneo ter atingido o pulmão

Uma gama de condições está ligada à hipertensão pulmonar, e o distúrbio pode ocorrer juntamente com diferentes tipos de doenças cardíacas ou pulmonares. Como resultado, a causa da condição pode muitas vezes ser desconhecida ou difícil de confirmar.

Diagnóstico

Um médico terá uma história familiar e médica e realizar um exame físico.

Se houver suspeita de hipertensão pulmonar, uma série de testes é normalmente recomendada.

Esses incluem:

  • A radiografia de tórax: Isso é muitas vezes combinado com tomografia computadorizada ou ressonância magnética para ajudar a encontrar a causa subjacente da hipertensão pulmonar.
  • Eletrocardiograma (ECG): mede a atividade elétrica do coração.
  • Cateterismo cardíaco direito: mede a pressão arterial pulmonar.

A hipertensão pulmonar é diagnosticada quando a pressão na artéria pulmonar é maior que 25 mmHg durante o repouso ou 30 mmHg durante o esforço.

O teste de caminhada de 6 minutos (TC6) permite o estadiamento da hipertensão pulmonar.O estadiamento demonstra a gravidade da condição em uma escala de um a 4. O estágio um refere-se a uma apresentação sem sintomas da doença na qual a atividade física não causa desconforto, e o estágio 4 significa que os sintomas ocorrem durante o repouso.

Este teste mede até que ponto uma pessoa com suspeita de hipertensão pulmonar pode andar em 6 minutos, bem como as respostas de seu corpo a fazê-lo.

Uma vez que a condição tenha sido encenada, um plano de tratamento apropriado pode ser organizado. Essa preparação também é usada para indicar a perspectiva da condição.

Tratamento

O tratamento da hipertensão pulmonar depende da causa subjacente, de quaisquer problemas de saúde concomitantes e da gravidade da condição.

As terapias que podem ajudar a controlar a condição incluem baixos níveis de exercício anaeróbico, como caminhar, para melhorar a capacidade de atividade física do paciente.

Oxigenoterapia contínua pode ser necessária para ajudar a manter a saturação de oxigênio no sangue, especialmente em um paciente que também tenha doença pulmonar.

A oxigenoterapia envolve a administração de oxigênio adicional de fora do corpo, muitas vezes armazenado em tanques especiais e entregue por uma máscara de oxigênio ou tubos no nariz e na traquéia.

Medicamentos para hipertensão pulmonar

Várias drogas diferentes são usadas para tratar a hipertensão pulmonar, às vezes em combinação.

  • Os diuréticos são usados ​​para reduzir a retenção de líquidos e o inchaço. Eles também são conhecidos como pílulas de água.
  • A digoxina é usada para tratar a insuficiência cardíaca. Ajuda a controlar a frequência cardíaca e o ritmo, e aumenta a quantidade de sangue bombeada por cada batimento cardíaco.
  • Drogas que afinam o sangue, como a varfarina, podem ajudar a prevenir coágulos sanguíneos. Estes são mais prováveis ​​em pessoas com hipertensão pulmonar.
  • Bloqueadores dos canais de cálcio, como o diltiazem, podem ajudar alguns pacientes.
  • Os inibidores da fosfodiesterase-5 (PDE5) aumentam o fluxo sanguíneo, alargando os vasos sanguíneos. Isso é chamado de vasodilatação. O sildenafil é um exemplo de inibidor da PDE5.
  • Os antagonistas dos receptores da endotelina, como bosentano e ambrisentano, limitam a constrição das artérias que pode acontecer quando uma pessoa tem muito peptídeo natural.

Soluções cirúrgicas

Hipertensão pulmonar no transplante cardíaco

Tratamentos mais invasivos também são possíveis nos casos em que a medicina não está tendo o efeito desejado.

Esses incluem:

  • Septostomia atrial: O cirurgião introduz um shunt entre as câmaras cardíacas e melhora o débito cardíaco, enquanto o paciente aguarda a cirurgia de transplante.
  • Transplante pulmonar: Este é um procedimento para substituir um pulmão ou ambos os pulmões.
  • Um transplante combinado de coração e pulmão: Este procedimento é um transplante duplo intensivo.

A hipertensão pulmonar tromboembólica crônica é uma apresentação de pressão alta nos pulmões que envolve vários coágulos sanguíneos nas artérias.

Alguns pacientes com hipertensão pulmonar tromboembólica crônica podem ser submetidos a um procedimento chamado tromboendarterectomia pulmonar (TEP). Esta é uma cirurgia cardíaca especializada para remover coágulos sanguíneos das artérias coronárias.

Oxigenoterapia contínua pode ser necessária para ajudar a manter a saturação de oxigênio no sangue, especialmente em um paciente que também tenha doença pulmonar.

Durante um vôo de alta altitude, um paciente pode precisar de oxigenoterapia para compensar os níveis reduzidos de oxigênio.

A hipertensão pulmonar não tem cura. No entanto, o tratamento pode aliviar os sintomas e retardar o desenvolvimento da doença.

Like this post? Please share to your friends: