Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que há para saber sobre esquizofrenia desorganizada?

A esquizofrenia desorganizada é um antigo subtipo de esquizofrenia, uma doença mental crônica.

A esquizofrenia desorganizada, ou hebefrenia, refere-se a pensamentos e comportamentos incoerentes e ilógicos relacionados à esquizofrenia.

Entretanto, a hebefrenia não é mais considerada uma forma distinta de esquizofrenia. A mudança no status aconteceu porque manter os diferentes tipos separados não pareceu ajudar no diagnóstico.

Desde 2013, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria (APA) (DSM-5) definiu a esquizofrenia como uma condição única, que pode ou não incluir desorganização.

A esquizofrenia afeta cerca de 1,1% da população mundial.

Fatos rápidos sobre esquizofrenia desorganizada:

Aqui estão alguns pontos-chave sobre esquizofrenia desorganizada. Mais detalhes estão no artigo principal.

  • A esquizofrenia é um transtorno mental sério e vitalício que pode envolver pensamentos e comportamentos desorganizados e ilógicos.
  • A esquizofrenia desorganizada, ou hebefrenia, costumava ser um subtipo, mas, desde 2013, foi incluída sob o título “esquizofrenia”.
  • O tratamento está disponível, e se uma pessoa aderir a ele, pode capacitá-lo a lidar com a vida cotidiana.
  • As complicações da esquizofrenia podem ser graves, mas o apoio da família e dos amigos pode ajudar a pessoa a evitar alguns deles.

Sintomas

Os sinais da esquizofrenia se enquadram nas seguintes categorias de sintomas-chave de todos os transtornos psicóticos:

Delírios: O paciente tem falsas crenças de perseguição, culpa ou grandeza. Não é incomum que pessoas com esquizofrenia descrevam planos contra elas, ou que acreditem ter poderes e dons extraordinários. Alguns pacientes podem se esconder para se proteger de um perseguidor imaginado.

Alucinações: envolvem ver, sentir, saborear ou cheirar coisas que não estão lá. Ouvir vozes é a alucinação mais comum.

Fala e pensamentos desorganizados: O paciente é incapaz de formar pensamentos coerentes ou lógicos, e isso é significado pela fala desorganizada. Durante uma conversa, o indivíduo não conseguirá se ater ao assunto. Eles vão saltar de um tópico para outro. Em casos graves, a fala pode ser percebida pelos outros como um engano ininteligível.

Comportamento desorganizado ou catatônico: Comportamentos podem variar de ser infantil e bobo, agressivo e violento. Pode haver agitação não provocada ou comportamento sexual em público. Movimentos excessivos, ações bizarras, congelamento no local ou falta de resposta a instruções ou conversas são outras maneiras pelas quais esse sintoma pode se manifestar.

Sintomas negativos: Refere-se à incapacidade de funcionar normalmente e pode incluir sintomas como falta de higiene pessoal, retraimento social e incapacidade de mostrar emoção, como evitar contato visual ou falar em tom monótono.

Causas e fatores de risco

Os especialistas não sabem ao certo o que causa a esquizofrenia, mas pesquisas sugerem que há algum tipo de disfunção cerebral, provavelmente influenciada por uma combinação de fatores biológicos e ambientais.

Substâncias químicas no cérebro – como os neurotransmissores dopamina e serotonina – podem estar envolvidas no início da esquizofrenia.

A condição pode ser causada por sinalização célula-a-célula defeituosa no cérebro, de acordo com pesquisa de 2009 publicada na revista. Os cientistas do estudo identificaram 49 genes que funcionam de maneira diferente nos cérebros de pacientes esquizofrênicos em comparação aos controles.

Fatores de risco

Os fatores de risco para esquizofrenia incluem:

Genética: Indivíduos com história familiar de esquizofrenia têm um risco maior de desenvolver a doença. Se não houver história de esquizofrenia, as chances de desenvolvê-la são inferiores a 1%. No entanto, esse risco aumenta para 10% se um dos pais tiver a condição. Pesquisas sugerem que a esquizofrenia e o transtorno bipolar têm a mesma base genética.

Infecção viral: Se um feto é exposto a uma infecção viral, existe um risco maior de desenvolver esquizofrenia. Não existe uma lista definitiva de vírus que representem um risco, mas possíveis candidatos incluem gripe, herpes, toxoplasmose e rubéola.

Desnutrição fetal: Se o feto sofre de desnutrição durante a gravidez, existe um risco maior de desenvolver esquizofrenia.

Estresse severo no início da vida: Crianças que experimentam formas extremas de estresse no início da vida podem estar em risco de esquizofrenia. Isto pode ser devido a abuso ou trauma na infância.

Idade dos pais quando o bebê nasce: crianças nascidas de pais mais velhos têm um risco maior de esquizofrenia do que crianças nascidas de pais mais jovens.

Drogas: O uso de substâncias que afetam a mente ou os processos mentais durante a adolescência pode aumentar o risco de desenvolver esquizofrenia. O uso ilegal de drogas é comum entre aqueles com esquizofrenia, embora não seja certo se tal uso de drogas é uma causa, ou um efeito, da condição.

Diagnóstico

Se houver suspeita de esquizofrenia, uma série de testes médicos e psicológicos será realizada para descartar outras condições.

Esses testes incluem:

Exame físico: A altura, o peso, o pulso, a pressão arterial e a temperatura do paciente são verificados. O médico também irá ouvir o coração e os pulmões e verificar o abdome para descartar causas fisiológicas alternativas.

Hemograma completo: para verificar o uso de álcool e drogas, bem como a função da tireóide.

MRI ou tomografia computadorizada (TC): essas técnicas de imagem são usadas para procurar lesões cerebrais ou outras anormalidades na estrutura cerebral. Um EEG também pode ser usado para verificar a função cerebral.

Avaliação psicológica: Um médico ou psiquiatra verificará o estado de saúde mental perguntando aos pacientes sobre seus pensamentos, sentimentos e padrões de comportamento.Eles procurarão qualquer coisa incomum na aparência ou no comportamento do paciente e farão um histórico médico familiar e pessoal detalhado.

Critério de diagnóstico

Para receber um diagnóstico de esquizofrenia, vários critérios devem ser atendidos. O DSM-5 descreve os critérios de sintomas.

Os sintomas são:

  • ilusões
  • alucinações
  • discurso desorganizado
  • comportamento desorganizado
  • sintomas negativos

A pessoa deve experimentar dois dos cinco principais sintomas dos transtornos psicóticos, e pelo menos um sintoma deve estar entre os três primeiros listados.

Tratamento

Pessoas com esquizofrenia precisarão de tratamento em uma base contínua, mesmo quando os sintomas parecem ter desaparecido. Nesses momentos, os pacientes podem acreditar que estão bem e não precisam de mais ajuda, mas se eles pararem de usar a medicação, os sintomas geralmente retornarão.

O tratamento varia de acordo com a gravidade e os tipos de sintomas, a saúde do paciente, sua idade e outros fatores.

Medicação

Os antipsicóticos atípicos ou de segunda geração são usados ​​para tratar condições psiquiátricas. Eles diferem dos antipsicóticos típicos ou de primeira geração, já que são menos propensos a causar sintomas extrapiramidais (SEP). EPS incluem movimentos do tipo parkinsoniano, rigidez e tremor.

Os efeitos colaterais dos antipsicóticos atípicos incluem ganho de peso, diabetes e colesterol alto.

Outras drogas podem ser usadas para abordar problemas adicionais de saúde mental em pessoas com esquizofrenia, como antidepressivos ou medicamentos anti-ansiedade.

Hospitalização

Quando os sintomas são graves, o paciente pode precisar ser hospitalizado. Um ambiente hospitalar pode ser mais seguro e aumenta as chances de o paciente obter nutrição adequada, dormir melhor e ajudar na higiene.

Psicoterapia

Aconselhamento ou psicoterapia podem ser sugeridos, geralmente em conjunto com medicação. Essas técnicas tratam de problemas com a saúde mental e a regulação emocional.

A psicoterapia ajuda as pessoas a identificar seus sentimentos e maneiras de pensar, aumentando sua capacidade de lidar com situações desafiadoras.

Treinamento de habilidades sociais e vocacionais

Este treinamento pode ajudar a pessoa a viver de forma independente. Esta é uma parte vital da recuperação. O terapeuta pode ajudar o paciente a aprender higiene adequada, preparação de refeições e habilidades de comunicação. Pode haver ajuda para encontrar trabalho, moradia e grupos de autoajuda.

Terapia eletroconvulsiva (ECT)

A ECT envolve o envio de uma corrente elétrica através do cérebro para produzir convulsões ou convulsões controladas. Pode ajudar pacientes com alto risco de suicídio, depressão ou aqueles com outros sintomas graves que não responderam a outros tratamentos ou que não podem tomar antidepressivos.

Acredita-se que a convulsão controlada desencadeada pela ECT provoque uma importante liberação neuroquímica no cérebro. Os efeitos colaterais podem incluir perda de memória de curto prazo, que geralmente se resolve rapidamente.

O médico deve explicar claramente os prós e contras da ECT ao paciente e seu responsável ou familiar antes de realizar o tratamento.

A importância da conformidade no tratamento

Uma questão fundamental no tratamento da esquizofrenia é o cumprimento. Também conhecida como adesão, a adesão em medicina significa seguir o plano de tratamento.

Isso pode ser desafiador para pacientes com esquizofrenia, e um número significativo para interromper a medicação nos primeiros 12 meses – tornando as coisas piores para eles e para os que os rodeiam.

Complicações

Complicações da esquizofrenia podem incluir:

  • depressão, pensamentos suicidas e comportamento suicida
  • desnutrição
  • problemas de higiene
  • abuso de substâncias
  • incapacidade de encontrar ou manter um emprego que possa resultar em pobreza e falta de moradia
  • conflitos familiares
  • incapacidade de estudar ou frequentar a escola
  • tornando-se uma vítima do crime
  • questões relacionadas ao tabagismo

Algumas pessoas com esquizofrenia dizem que fumar ajuda a se concentrar, mas isso pode interferir nos medicamentos e levar a sérios problemas de saúde.

A esquizofrenia é uma condição séria e vitalícia. Estar ciente do que isso envolve pode ajudar a família e os amigos a apoiarem um ente querido que tenha essa condição.

Like this post? Please share to your friends: