Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que há para saber sobre claustrofobia?

A claustrofobia é uma forma de transtorno de ansiedade, em que um medo irracional de não ter escapatória ou de ser fechado pode levar a um ataque de pânico.

Considera-se uma fobia específica de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico 5 (DSM-5).

Os gatilhos podem incluir estar dentro de um elevador, uma pequena sala sem janelas, ou mesmo estar em um avião.

Algumas pessoas relataram que usar roupas justas pode provocar sentimentos de claustrofobia.

Fatos rápidos sobre claustrofobia:

Aqui estão alguns pontos-chave sobre claustrofobia. Mais detalhes estão no artigo principal.

  • A claustrofobia afeta algumas pessoas quando estão em um espaço pequeno.
  • Pode levar a sentimentos de pânico.
  • As causas podem incluir fatores condicionantes e genéticos.
  • Uma variedade de dicas e tratamentos pode ajudar as pessoas a superar seu medo.

O que é claustrofobia?

Claustrofobia

A palavra claustrofobia vem da palavra latina claustrum, que significa “um lugar fechado”, e a palavra grega, phobos, que significa “medo”.

Pessoas com claustrofobia farão grandes esforços para evitar pequenos espaços e situações que desencadeiem seu pânico e ansiedade.

Eles podem evitar lugares como o metrô e preferem subir as escadas ao invés de um elevador, mesmo se muitos andares estiverem envolvidos.

Até 5 por cento dos americanos podem sofrer de claustrofobia.

Os sintomas podem ser graves, mas muitas pessoas não procuram tratamento.

Diagnóstico

Um psicólogo ou psiquiatra perguntará ao paciente sobre seus sintomas.

Um diagnóstico de claustrofobia pode surgir durante uma consulta sobre outro problema relacionado à ansiedade.

O psicólogo irá:

  • pedir uma descrição dos sintomas e o que os desencadeia
  • tente estabelecer quão severos são os sintomas
  • descartar outros tipos de transtorno de ansiedade

Para estabelecer alguns detalhes, o médico pode usar:

  • um questionário de claustrofobia para ajudar a identificar a causa da ansiedade
  • uma escala de claustrofobia para ajudar a estabelecer os níveis de ansiedade

Para que uma fobia específica seja diagnosticada, certos critérios precisam ser atendidos.

Esses são:

  • um medo persistente, irracional ou excessivo, causado pela presença ou antecipação de uma situação específica
  • resposta de ansiedade quando exposto ao estímulo, possivelmente um ataque de pânico em adultos, ou, em crianças, uma birra, apego, choro ou congelamento
  • um reconhecimento por pacientes adultos de que seu medo é desproporcional em relação à ameaça ou perigo percebido
  • empregando medidas para evitar o objeto ou situação temidos, ou uma tendência a enfrentar as experiências, mas com angústia ou ansiedade
  • a reação, antecipação ou evitação da pessoa interfere na vida cotidiana e nos relacionamentos ou causa sofrimento significativo
  • a fobia persistiu por algum tempo, geralmente 6 meses ou mais
  • os sintomas não podem ser atribuídos a outra condição mental, como transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) ou transtorno de estresse pós-traumático (TEPT)

Sintomas

A claustrofobia é um distúrbio de ansiedade. Os sintomas geralmente aparecem durante a infância ou adolescência.

Estar ou pensar em estar em um espaço confinado pode desencadear medos de não ser capaz de respirar adequadamente, ficar sem oxigênio e se sentir incomodado em ser restringido.

Quando os níveis de ansiedade atingem um certo nível, a pessoa pode começar a sentir:

  • sudorese e arrepios
  • ritmo cardíaco acelerado e hipertensão arterial
  • tonturas, desmaios e vertigens
  • boca seca
  • hiperventilação, ou “sobre a respiração”
  • ondas de calor
  • tremendo ou tremendo e uma sensação de “borboletas” no estômago
  • náusea
  • dor de cabeça
  • dormência
  • uma sensação de asfixia
  • aperto no peito, dor no peito e dificuldade em respirar
  • um desejo de usar o banheiro
  • confusão ou desorientação
  • medo de dano ou doença

Não são necessariamente os pequenos espaços que desencadeiam a ansiedade, mas o medo do que pode acontecer à pessoa se confinada a essa área.

É por isso que a pessoa teme ficar sem oxigênio.

Exemplos de pequenos espaços que podem desencadear ansiedade são:

Claustrofobia presa.

  • elevadores ou vestiários nas lojas
  • túneis, porões ou adegas
  • trens e trens do metrô
  • portas giratórias
  • aviões
  • banheiros públicos
  • carros, especialmente aqueles com travamento central
  • áreas lotadas
  • lavagem automática de carros
  • algumas instalações médicas, como scanners de ressonância magnética
  • quartos pequenos, quartos trancados ou quartos com janelas que não abrem

Reações incluem:

  • verificar as saídas e ficar perto delas ao entrar em um quarto
  • sentindo-se ansioso quando todas as portas estão fechadas
  • ficar perto da porta em uma festa lotada ou reunião
  • evitar dirigir ou viajar como passageiro quando o trânsito estiver congestionado
  • usando as escadas em vez do elevador, mesmo que seja difícil e desconfortável

A claustrofobia envolve o medo de ser restringido ou confinado a uma área, portanto, ter que esperar na fila de um caixa também pode causar isso em algumas pessoas.

Tratamento

Terapia cognitiva comportamental

Após um diagnóstico, o psicólogo pode recomendar uma ou mais das seguintes opções de tratamento.

Terapia comportamental cognitiva (TCC): O objetivo é treinar a mente do paciente de modo que ele não se sinta mais ameaçado pelos lugares que temem.

Pode envolver a exposição lenta do paciente a pequenos espaços e ajudá-los a lidar com o medo e a ansiedade.

Ter que enfrentar a situação que causa o medo pode impedir as pessoas de procurar tratamento.

Observando os outros: ver os outros interagirem com a fonte do medo pode tranqüilizar o paciente.

Terapêutica medicamentosa: Os antidepressivos e relaxantes podem ajudar a controlar os sintomas, mas não resolverão o problema subjacente.

Exercícios de relaxamento e visualização: respirar fundo, meditar e fazer exercícios de relaxamento muscular podem ajudar a lidar com pensamentos negativos e ansiedade.

Medicina alternativa ou complementar: alguns suplementos e produtos naturais, por exemplo, óleo de lavanda ou um “remédio de resgate”, podem ajudar os pacientes a controlar o pânico e a ansiedade.

O tratamento geralmente dura cerca de 10 semanas, com sessões duas vezes por semana. Com o tratamento adequado, é possível superar a claustrofobia.

Dicas para lidar

Estratégias que podem ajudar as pessoas a lidar com a claustrofobia incluem:

  • ficar parado se um ataque acontecer. Se estiver dirigindo, isso pode incluir passar para o lado da estrada e esperar até que os sintomas tenham passado.
  • lembrando-se de que os pensamentos e sentimentos assustadores passarão
  • tentando se concentrar em algo que não é ameaçador, por exemplo, o tempo passando ou outras pessoas
  • respirando devagar e profundamente, contando até três em cada respiração
  • desafiando o medo, lembrando-se de que não é real
  • visualizando resultados e imagens positivos

Estratégias de longo prazo podem incluir ingressar em uma aula de ioga, elaborar um programa de exercícios ou reservar uma massagem de aromaterapia para ajudar a lidar com o estresse.

Vídeo de informação

Neste vídeo, Stella Lourency, professora assistente de psicologia na Universidade de Emory, explica que as pessoas com níveis mais elevados de medo claustrofóbico tendem a subestimar as distâncias.

Causas

A experiência passada ou na infância é muitas vezes o gatilho que faz com que uma pessoa associe pequenos espaços a uma sensação de pânico ou perigo iminente.

Experiências que podem ter esse efeito podem incluir:

  • ser preso ou mantido em um lugar confinado, por acidente ou de propósito
  • ser abusado ou intimidado quando criança
  • se separar dos pais ou amigos quando em uma área lotada
  • ter um pai com claustrofobia

O trauma experimentado naquele momento afetará a capacidade da pessoa de lidar racionalmente com uma situação similar no futuro. Isso é conhecido como condicionamento clássico.

Acredita-se que a mente da pessoa vincula o pequeno espaço ou a área confinada à sensação de estar em perigo. O corpo então reage de acordo, ou de uma maneira que parece lógica.

O condicionamento clássico também pode ser herdado dos pais ou colegas. Se um dos pais, por exemplo, tem medo de ficar próximo, a criança pode observar seu comportamento e desenvolver os mesmos medos.

Possíveis fatores genéticos ou físicos

Outras teorias que podem explicar a claustrofobia incluem:

Ter uma amígdala menor: essa é a parte do cérebro que controla como o corpo processa o medo.

Fatores genéticos: Um mecanismo de sobrevivência evolutiva dormente provoca reações que não são mais necessárias no mundo de hoje.

Estudos com camundongos indicaram que um único gene pode fazer com que alguns indivíduos tenham um grau maior de “estresse intruso-residente”.

Um grupo de pesquisadores sugeriu que as pessoas que sofrem de claustrofobia percebem que as coisas estão mais próximas do que estão e que isso desencadeia um mecanismo de defesa.

Like this post? Please share to your friends: