Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que há para saber sobre a síndrome de Pancoast?

A síndrome de Pancoast é o termo dado ao conjunto único de sintomas que acompanham um tumor de Pancoast – um tipo de câncer de pulmão.

Os tumores de Pancoast são um tipo de câncer de células não pequenas que respondem por menos de 5% de todos os cânceres de pulmão. Eles são nomeados após o radiologista americano que os descobriu em 1932 – Dr. Henry Pancoast.

Quais são os tumores de Pancoast?

Os tumores de Pancoast referem-se ao local onde o câncer está localizado no espaço do pulmão. Enquanto a maioria dos cânceres se desenvolve nos pulmões, os tumores de Pancoast crescem no topo de ambos os pulmões.

Síndrome de Pancoast

Devido a este posicionamento, eles entram no tecido adjacente. Estruturas comumente afetadas incluem:

  • vasos linfáticos
  • nervos
  • costelas adjacentes
  • a região localizada entre os pulmões
  • os pequenos ossos da espinha

Fatores de risco

Os fatores de risco para a síndrome de Pancoast são semelhantes aos de outros tipos de câncer de pulmão e incluem:

  • tabaco para fumar
  • sendo exposto ao fumo passivo do tabaco
  • estar em contato de longo prazo com o amianto e radônio
  • sendo exposto a elementos industriais, como ouro e níquel

Embora a síndrome de Pancoast seja classicamente associada ao câncer de pulmão, em casos raros, pode resultar de outras condições. Essas condições incluem:

  • câncer de mama
  • tumores desmóides
  • carcinoma adenoide cístico
  • câncer de tireoide
  • certas infecções bacterianas e fúngicas

Sintomas

Os sintomas da síndrome de Pancoast diferem dos sintomas que acompanham o câncer em outras partes do pulmão. De fato, os tumores de Pancoast raramente causam tosse ou falta de ar tipicamente associados ao câncer de pulmão.

Homem mais velho com ombro doloroso

Em vez disso, além dos sintomas gerais de câncer, como fadiga e perda de peso, o tumor de Pancoast pode causar pressão nos nervos da parte superior do tórax, pescoço, face e braços. Essa pressão pode levar a sintomas específicos, como:

  • dor no ombro e na omoplata
  • dor no braço, cotovelo ou axila
  • fraqueza da mão
  • dor ou formigamento na mão e nos dedos

A dor associada é grave e constante. Desperdício ou encolhimento da mão e do braço também pode ocorrer.

Síndrome de Horner

A síndrome de Horner é outro tipo de síndrome associada a tumores de Pancoast. É uma combinação de sinais e sintomas que são causados ​​por danos ou interrupção de certos nervos.

A síndrome de Horner geralmente afeta apenas um lado do rosto e pode causar:

  • um pequeno aluno, levando a uma óbvia diferença de tamanho entre as pupilas dos dois olhos
  • queda da pálpebra superior
  • elevação da pálpebra inferior
  • rubor de um lado do rosto
  • falta de suor em um lado do rosto

Diagnóstico

Diagnóstico de síndrome de Pancoast e Pancoast tumores podem ser adiados porque os sintomas não são típicos de câncer de pulmão. Frequentemente, as pessoas consultam um neurologista ou cirurgião ortopédico antes de consultar um oncologista.

Os tumores de Pancoast são diagnosticados usando:

  • Raios X: Isso pode revelar um tecido anormal no topo do pulmão e pode mostrar se o tumor invadiu as costelas ou vértebras. No entanto, nos estágios iniciais, os tumores de Pancoast são difíceis de ver em um filme de raios X devido ao sombreamento.
  • Tomografia Computadorizada: Isso pode indicar se o tumor entrou na parede torácica, coluna vertebral, vasos sangüíneos, nervos, traqueia, tubulação alimentar ou região entre os pulmões.
  • MRI: Uma ressonância magnética é geralmente mais precisa do que uma tomografia computadorizada em descobrir o grau em que um tumor invadiu outras estruturas. É freqüentemente usado ao lado de uma tomografia computadorizada, já que a tomografia computadorizada pode ser mais eficaz no exame da região entre os pulmões.
  • Broncoscopia: Este teste verifica as vias aéreas do pulmão.
  • Biópsia de tecido: envolve a remoção de algumas das células tumorais para exame. O procedimento pode ser uma biópsia torácica aberta ou feita usando uma agulha através da pele.
  • Outros testes: Estes podem ser necessários para verificar a propagação do câncer para outras áreas do corpo, como o cérebro ou ossos. Os exemplos incluem uma ressonância magnética do cérebro, escaneamentos ósseos, tomografias por emissão de pósitrons (PET) e uma mediastinoscopia para verificar a área entre os pulmões.

Algumas combinações de raios-X, varredura e biópsia são geralmente realizadas para confirmar o diagnóstico do tumor e para avaliar com precisão o estágio do tumor de Pancoast.

Encenação

Com base no sistema de estadiamento TNM (Tumores, Nós, Metástases), os tumores de Pancoast são sempre classificados como tumores T3 ou T4.

A maioria dos tumores de Pancoast são considerados tumores T3 porque eles invadem apenas a parede torácica ou a cadeia de nervos que vai do pescoço até a coluna vertebral.

O resto dos tumores de Pancoast são considerados tumores de T4. Esses tumores invadem a coluna, nervos que vão do pescoço até os membros superiores ou estruturas feitas de vasos sangüíneos.

Quando ver um médico

É importante que as pessoas consultem um médico se desenvolverem algum dos sintomas da síndrome de Pancoast, ou quaisquer outros sintomas associados ao câncer de pulmão, como tosse ou falta de ar.

Os tumores de Pancoast são incomuns e, para garantir um diagnóstico rápido e preciso, as pessoas podem querer consultar um médico conhecedor da área de câncer de pulmão e da síndrome de Pancoast.

Tratamento

droga quimioterápica

O tratamento de um tumor de Pancoast depende da saúde geral da pessoa que o possui, do tamanho do tumor e das áreas afetadas. O tratamento pode ter como objetivo reduzir os sintomas ou remover o câncer.

Os principais tratamentos oferecidos são:

  • quimioterapia
  • terapia de radiação
  • cirurgia

A abordagem mais eficaz é geralmente aquela que combina esses três tratamentos. Por exemplo, pessoas com síndrome de Pancoast precoce que estão em geral com boa saúde e com crescimento tumoral limitado, podem receber uma combinação de radiação e quimioterapia, seguidas por cirurgia e quimioterapia pós-operatória.

Outros tratamentos que podem ser oferecidos incluem:

  • Terapias direcionadas: Em alguns casos, há tratamentos disponíveis que visam seletivamente a atividade das células cancerígenas.Isso causa menos danos às células saudáveis, e as pessoas que têm esse tipo de terapia geralmente experimentam menos efeitos colaterais.
  • Alívio dos sintomas: Os medicamentos para a dor podem ajudar a controlar os sintomas, enquanto os esteróides podem ser prescritos para reduzir a pressão do nervo.

Cirurgia

Cirurgia em tumores Pancoast deve sempre ser realizada por um cirurgião especialista devido às dificuldades que podem ser encontradas. Tal cirurgia pode envolver a remoção de todo o pulmão, tecidos próximos afetados ou as costelas superiores.

Em algumas situações, a remoção de uma artéria principal pode ser necessária. Se assim for, será substituído por um tubo artificial para manter o suprimento de sangue.

Prevenção

A medida preventiva mais importante que pode ser tomada para reduzir o risco de desenvolver qualquer câncer de pulmão é parar de fumar. Evitar a exposição ao fumo passivo e materiais, como o asbesto e o radônio, também reduz o risco.

A triagem é outro passo que pode ser dado para detectar o câncer em seus estágios iniciais e impedir sua progressão.

Pessoas com histórico familiar de câncer de pulmão, pessoas com mais de 55 anos, fumantes e ex-fumantes podem desejar discutir as opções de rastreamento do câncer de pulmão com seu médico.

Outlook

As taxas de sobrevida do tumor em pancoast vêm aumentando nas últimas décadas, e agora elas têm uma perspectiva melhor do que os tumores cancerígenos localizados mais abaixo nos pulmões.

Após o tratamento com quimioterapia, radiação e cirurgia, a taxa de sobrevivência de 2 anos é de 55 a 70 por cento. A taxa de sobrevida em 5 anos para aqueles cuja cirurgia permite a remoção completa das células cancerígenas é de 54 a 77 por cento. Sobrevivência é melhor para T3 do que tumores em estágio T4.

Cirurgia para tumores de Pancoast está associada com uma taxa de mortalidade de 5 por cento, enquanto a taxa de complicações é de 7-30 por cento.

Os principais fatores associados a uma perspectiva pior naqueles que se submetem ao tratamento são a presença da síndrome de Horner e a remoção incompleta das células tumorais.

Like this post? Please share to your friends: