Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que há para saber sobre a bulimia nervosa?

A bulimia, ou bulimia nervosa, é uma doença psiquiátrica séria e potencialmente fatal.

É um distúrbio alimentar no qual uma pessoa come compulsivamente e tenta compensar com excesso de exercício e purgação, seja por vômito ou uso de laxantes.

Nos Estados Unidos (EUA), 1% das mulheres jovens e 0,1% dos homens jovens podem ter bulimia a qualquer momento.

No entanto, os números são difíceis de determinar, uma vez que a bulimia, assim como outros transtornos alimentares, é muitas vezes impregnada de sigilo.

Pesquisadores sugeriram que a bulimia afetará entre 1,1 e 4,6% das mulheres e entre 0,1 e 0,5% dos homens em algum momento da vida.

É o distúrbio mais comum nos EUA.

O que é bulimia?

[mulher e geladeira]

Os dois principais sintomas da bulimia nervosa são compulsão recorrente na alimentação, seguida da purgação, para compensar os excessos.

Bingeing envolve comer grandes quantidades de alimentos altamente calóricos em um curto espaço de tempo, geralmente definido como um período de 2 horas. O indivíduo pode consumir até 3.000 calorias ou mais.

Quando a compulsão começa, é difícil parar. A pessoa pode consumir a comida tão rápido que dificilmente a provará. Eles não podem controlar seu comportamento.

Os episódios de compulsão podem ser espontâneos, ou podem ser planejados, quando o indivíduo sai em busca de alimentos específicos para a farra.

Depois de comer compulsivamente, a pessoa se sente inchada, pouco atraente, culpada, envergonhada e arrependida. Existe um medo poderoso e esmagador de ganhar peso.

Para compensar, eles tentam reduzir o risco de ganhar peso por meio de ações como vômito auto-induzido, excesso de exercício, jejum ou dieta, e uso excessivo de diuréticos, enemas ou laxantes. Eles podem tomar anfetaminas ou outras substâncias ilegais.

Purgar pode levar a complicações sérias. Além disso, não reduz o peso e pode até contribuir para o ganho de peso a longo prazo.

Um ciclo vicioso de culpa resulta de baixa autoestima e excesso de peso, mesmo que o peso da pessoa seja normal. O indivíduo pode, então, estabelecer regras rígidas e irrealistas sobre alimentação, exercício ou ambos. Quando não conseguem manter esses objetivos, ocorre outra compulsão.

Sintomas

Uma pessoa com bulimia nervosa é mais propensa a ter peso normal ou um pouco acima do peso. Pode ser difícil perceber os sinais e sintomas porque a pessoa se esforçará para escondê-los.

Indicações comportamentais de bulimia incluem:

  • uma obsessão com comida e comida
  • comendo sozinho
  • o súbito desaparecimento de comida, ou o aparecimento de muitos invólucros no lixo
  • muito dinheiro gasto em comida
  • deixando o quarto depois de comer, normalmente para visitar o banheiro
  • escondendo ou acumulando comida
  • exercício compulsivo
  • constantemente reclamando sobre estar acima do peso
  • passando por fases de jejum ou dizendo que eles não estão com fome e, em seguida, comer muito

Comprimidos podem ser escondidos, incluindo laxantes, diuréticos, pílulas de dieta e eméticos, um medicamento para induzir o vômito. Embalagens de medicamentos podem aparecer no lixo.

Sinais físicos incluem:

[bulimia envolve purgar]

  • desidratação grave
  • deficiências nutricionais, levando a problemas de saúde
  • mudança de peso corporal
  • cicatrizes nas juntas, conhecidas como “Russell’s Sign”, onde os dedos são forçados a descer pela garganta para induzir o vômito
  • distúrbio de refluxo ácido
  • garganta dolorida ou inflamada crônica e dentes danificados, devido à acidez no vômito
  • bochechas inchadas, devido a danos nas glândulas parótidas
  • menstruação irregular
  • vasos sanguíneos rompidos nos olhos

Amigos ou familiares podem perceber que a pessoa se retira de suas atividades habituais e mostra sinais de alterações de humor e, possivelmente, ansiedade e depressão. Conflitos interpessoais podem ocorrer. A pessoa pode mentir para encobrir seu comportamento.

O paciente geralmente está ciente de que tem um problema, mas pode estar muito envergonhado ou incapaz de contar a alguém sobre isso.

Tratamento

O tratamento é de longo prazo. Idealmente, combina psicoterapia, terapia familiar, aconselhamento nutricional e medicação.

[falando com o médico sobre bulimia]

É essencial que o paciente aceite sua necessidade de tratamento e concorde em cooperar e participar. Alguns pacientes resistem ao tratamento, enquanto outros podem flutuar em sua adesão.

Eventos de vida estressantes podem desencadear recaídas.

Terapia comportamental e cognitiva pode ajudar os pacientes:

  • entender por que eles têm o transtorno, e quais sentimentos, comportamentos e pensamentos estão contribuindo para isso
  • mudar sua percepção de aparência, peso corporal, comida e comer

O apoio da família e dos amigos é fundamental para resultados positivos eficazes e de longo prazo.

A família do paciente precisa entender o que é a bulimia nervosa e identificar rapidamente seus sinais e sintomas. A terapia familiar pode ajudar no processo de cura.

A terapia interpessoal concentra-se em papéis sociais e relacionamentos. Os pacientes aprendem novas maneiras de gerenciar conflitos com amigos ou familiares e melhorar esses relacionamentos.

Medicamentos podem ajudar com a depressão. A fluoxetina, também conhecida como Prozac, é aprovada pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para uso em bulimia nervosa.

Aconselhamento nutricional pode ajudar a quebrar o ciclo de compulsão e compensação. Os pacientes aprendem a estruturar e estimular suas refeições e a estabelecer metas calóricas que correspondam às suas necessidades.

A hospitalização raramente é necessária, a menos que haja risco de suicídio ou autoagressão.

A Universidade de Maryland Medical Center (UMM) sugere que os seguintes tratamentos complementares podem ajudar:

  • Evitar cafeína, álcool e tabaco e beber 6 a 8 copos de água por dia
  • Tomar vitaminas e minerais suplementares, depois de conversar com um médico
  • Usando ervas que aumentam a saúde geral, como manjericão e catnip
  • Massagem para reduzir o estresse

Qualquer terapia complementar deve primeiro ser discutida com o médico

Efeitos colaterais

A bulimia nervosa pode ter vários efeitos possíveis no corpo.

Esses incluem:

  • níveis desequilibrados de eletrólitos, que podem levar a problemas cardíacos, incluindo palpitações e insuficiência cardíaca
  • ruptura gástrica, que pode ocorrer durante o consumo compulsivo
  • dente coloração e decadência de vômitos freqüentes
  • problemas intestinais crônicos, incluindo movimentos irregulares e constipações, como resultado de tomar laxantes de uma forma que não é medicamente aconselhada
  • úlceras pépticas
  • infecções pancreáticas

Causas

Para pessoas com bulimia, seus hábitos e hábitos alimentares são uma maneira de lidar com o estresse emocional. Eles tendem a ter um medo irracional de engordar, de calorias e de comida.

Eles podem ter outros desafios também, por exemplo, depressão, ansiedade e uma tendência a se envolver em autoflagelação, comportamento impulsivo e abuso de substâncias.

A bulimia começa como uma maneira de lidar com problemas emocionais, mas se torna uma obsessão que o paciente não consegue controlar.

Fatores contribuintes

A causa exata é desconhecida, mas os pesquisadores acreditam que isso decorre de uma combinação de fatores genéticos, biológicos, psicológicos, sociais e comportamentais.

[medo de ganhar peso está ligado à bulimia]

O Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH) nota que parece funcionar em famílias. Eles sugerem que os estudos genéticos podem fornecer mais informações no futuro.

A bulimia está ligada ao medo de engordar, mas o problema subjacente normalmente está relacionado à saúde mental e emocional.

A tecnologia de imagem do cérebro mostrou diferenças na resposta do cérebro entre mulheres com bulimia e aquelas sem quando mostravam fotos de mulheres e alimentos magros.

As condições associadas à bulimia incluem depressão, ansiedade, estresse, transtornos de personalidade, transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Transtornos alimentares muitas vezes surgem na puberdade, uma época de grandes mudanças hormonais e crescente consciência do corpo. Descobertas de um estudo de 2007 sugerem que alterações nos hormônios ovarianos podem aumentar o risco.

Fatores ambientais podem incluir:

  • Exposição a modelos inúteis através da mídia e da indústria da moda
  • Pressões do esporte e outras atividades físicas, especialmente aquelas que enfatizam o peso

Diagnóstico

O diagnóstico precoce melhora as chances de um bom resultado, mas o diagnóstico pode ser desafiador. O indivíduo pode fazer todo o possível para esconder sua condição e seu peso pode ser normal.

Um médico da atenção primária começará perguntando ao paciente sobre sua saúde mental e física, estilo de vida e histórico médico, e realizando um exame físico.

Testes diagnósticos podem ajudar a descartar outras doenças ou condições subjacentes.

Se o médico suspeitar de bulimia nervosa, eles podem encaminhar o paciente para um especialista em saúde mental.

Segundo o DSM-5, para ser diagnosticado com bulimia nervosa, o paciente deve atender aos seguintes critérios:

  • Episódios recorrentes de compulsão alimentar que o paciente se sente incapaz de controlar.
  • Purgar o excesso de ingestão por vômitos, jejum, excesso de exercícios e uso indevido de laxantes, diuréticos, enemas e outras drogas.
  • Bingeing e purgar foram ocorrendo pelo menos uma vez por semana durante os últimos 3 meses.
  • O sentimento de auto-estima do paciente é influenciado em demasia pela forma e peso do corpo.
  • Esse comportamento não está relacionado à anorexia nervosa.

Alguns pacientes não atendem a todos esses critérios, mas ainda podem ter algum tipo de transtorno alimentar.

O tratamento precoce melhora a chance de recuperação.

Complicações

Complicações podem surgir se a pessoa não receber tratamento. Isso pode levar a outras condições graves e possivelmente fatais.

Problemas físicos incluem:

  • dedos inchados, causados ​​pelo uso excessivo de laxantes
  • gengivite ou inflamação das gengivas
  • inflamação do esôfago
  • inchaço das glândulas salivares, perto das bochechas
  • menstruação irregular

Danos nos músculos do intestino podem levar à constipação crônica. Vômitos repetidos podem causar desidratação, aumentando o risco de danos nos rins e pedras nos rins.

Um desequilíbrio químico pode resultar da purga excessiva.

Isso pode causar:

  • cansaço
  • espasmos musculares
  • convulsões
  • danos nos rins
  • pele e cabelos fracos e unhas quebradiças
  • arritmia, ou ritmos cardíacos anormais e, possivelmente, insuficiência cardíaca

Sem tratamento, os problemas de saúde mental podem persistir, incluindo a possibilidade de ansiedade, depressão, TOC e abuso de substâncias.

Outlook

A Harvard Medical School observa que cerca de 1 em cada 4 pacientes se recupera sem tratamento e que mais da metade melhora com o tratamento. Eles também incentivam o acompanhamento contínuo, pois as recaídas são possíveis.

Like this post? Please share to your friends: