Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que é vício sexual?

O vício sexual é uma condição na qual o indivíduo não consegue controlar seu comportamento sexual. Pensamentos sexuais persistentes afetam sua capacidade de trabalhar, manter relacionamentos e realizar suas atividades diárias.

Outros termos para dependência sexual são dependência sexual, hipersexualidade e comportamento sexual compulsivo. É também conhecida como ninfomania em mulheres e satiríase em homens.

Enquanto o vício sexual compartilha algumas características com o vício em substâncias, a pessoa é viciada em uma atividade, não em uma substância. O tratamento pode ajudar, mas sem tratamento, pode piorar.

Estima-se que 12 a 30 milhões de pessoas nos Estados Unidos (EUA) experimentam dependência sexual. Afeta homens e mulheres.

Fatos rápidos sobre dependência sexual

  • O vício sexual impede que as pessoas administrem seu comportamento sexual. Por que isso acontece não está claro.
  • Pode ter um impacto severo na vida de uma pessoa, mas corpos-chave, como a American Psychological Association (APA), ainda não a estabeleceram como uma condição diagnosticável.
  • Comportamentos típicos incluem masturbação compulsiva, uso persistente de pornografia, exibicionismo, voyeurismo, atos extremos de sexo lascivo e a incapacidade de resistir a impulsos sexuais.
  • Centros de tratamento e grupos de autoajuda podem ajudar na dependência sexual.

O que é vício sexual?

A Sociedade Americana de Medicina do Vício descreve o vício como “uma doença crônica primária de recompensa, motivação, memória e circuitos relacionados”.

Vício sexual

Uma pessoa com vício sexual é obcecada por sexo ou tem um desejo sexual anormalmente intenso. Seus pensamentos são dominados pela atividade sexual, a ponto de afetar outras atividades e interações. Se esses impulsos se tornarem incontroláveis, a pessoa pode ter dificuldade em funcionar em situações sociais.

Em alguns casos, uma pessoa com uma vida sexual saudável e prazerosa pode desenvolver uma obsessão. Eles podem se sentir estimulados por atos e fantasias que a maioria das pessoas não considera aceitáveis.

Em alguns casos, a pessoa pode ter um distúrbio parafílico, como a pedofilia. Este é um distúrbio diagnosticável.

Um distúrbio parafílico envolve excitação sexual causada por estímulos que a maioria das pessoas não considera aceitável, por exemplo, pedofilia. Envolve sofrimento e disfunção.

O vício sexual não foi totalmente estabelecido como uma condição médica, embora possa afetar adversamente famílias, relacionamentos e vidas. Uma dificuldade em identificar o vício sexual é que as pessoas têm diferentes níveis de desejo sexual, ou libido. Uma pessoa pode considerar seu parceiro um “viciado em sexo” apenas porque tem um desejo sexual maior.

Mais pesquisas são necessárias para determinar se o vício sexual existe ou não como um distúrbio.

Sintomas

Algumas tentativas de definir as características da dependência sexual foram baseadas na literatura sobre dependência química. O vício sexual pode compartilhar os mesmos sistemas e circuitos de recompensas no cérebro do que o vício em substâncias.

No entanto, as pessoas com dependência sexual podem ser viciados em diferentes tipos de comportamento sexual. Isso torna a condição mais difícil de definir. Também sugere que a desordem decorre não dos atos individuais, mas sim de uma obsessão em realizá-los.

O vício sexual também parece envolver regras para se sentir no controle da condição e, em seguida, quebrá-las para criar novas regras.

Atividades associadas à dependência sexual podem incluir:

  • masturbação compulsiva
  • assuntos múltiplos, parceiros sexuais e encontros de uma noite
  • uso persistente de pornografia
  • praticando sexo inseguro
  • cibersexo
  • visitando prostitutas ou praticando prostituição
  • exibicionismo
  • voyeurismo

Comportamentos e atitudes podem incluir:

  • incapacidade de conter impulsos sexuais e respeitar os limites de outras pessoas envolvidas no ato sexual
  • descolamento, em que a atividade sexual não satisfaz emocionalmente o indivíduo
  • obsessão por atrair os outros, apaixonar-se e começar novos romances, muitas vezes levando a uma série de relacionamentos
  • sentimentos de culpa e vergonha
  • uma consciência de que os impulsos são incontroláveis, apesar das consequências financeiras, médicas ou sociais
  • um padrão de falha recorrente em resistir a impulsos para se envolver em atos extremos de sexo lascivo
  • engajamento em comportamentos sexuais por mais tempo do que o pretendido e, em
  • várias tentativas de parar, reduzir ou controlar o comportamento
  • tempo excessivo e energia gastos em obter sexo, ser sexual ou se recuperar de uma experiência sexual
  • desistir de atividades sociais, relacionadas ao trabalho ou recreativas por causa de um vício sexual
  • distúrbio de raiva sexual, em que um indivíduo fica angustiado, ansioso, inquieto e possivelmente violento, se incapaz de se envolver no vício

Estudos demonstraram uma forte ligação entre o alegado vício sexual e a assunção de riscos. O vício sexual pode levar a pessoa a persistir em assumir riscos, mesmo que possa haver consequências para a saúde, como infecção sexualmente transmissível (IST), lesão física ou consequências emocionais.

Complicações

O comportamento sexual compulsivo, não tratado, pode deixar o indivíduo com sentimentos intensos de culpa e baixa auto-estima. Alguns pacientes podem desenvolver ansiedade e depressão severas.

Outras complicações podem incluir:

  • problemas de relacionamento familiar e separações
  • problemas financeiros
  • DSTs
  • consenso legal, se o ato sexual for ilegal ou publicamente perturbador, como no exibicionismo

Causas

As causas do vício sexual permanecem obscuras.

O vício se enraíza no centro de recompensa do cérebro. Pode ocorrer quando certas partes do cérebro confundem respostas de prazer com mecanismos de sobrevivência.

O mesencéfalo é a parte do cérebro que lida com o sistema de recompensa do corpo e os instintos de sobrevivência.Como a atividade sexual cria uma onda de dopamina, a substância química do bem-estar no cérebro, isso desencadeia a sensação de prazer. O mesencéfalo então confunde essa sensação de prazer como central para a sobrevivência.

Uma possibilidade é que, em pessoas com dependência sexual, o córtex frontal, ou o centro de lógica e moralidade do cérebro, seja prejudicado pelo mesencéfalo.

Estudos em ratos ligaram lesões de uma parte do cérebro chamada córtex pré-frontal medial (mPFC) com comportamento sexual compulsivo. Isso pode lançar alguma luz sobre as causas da hipersexualidade em humanos.

Alguns estudos descobriram uma maior frequência de comportamento sexual aditivo em pessoas de famílias disfuncionais. Uma pessoa com vício sexual é mais provável que tenha sido abusada do que outras pessoas.

Um número significativo de pessoas que se recuperam do vício sexual relataram algum tipo de vício entre os membros da família. Pode ocorrer ao lado de outro vício.

Diagnóstico

Os sintomas do vício sexual podem se assemelhar aos de outros vícios, mas os critérios diagnósticos para o vício sexual continuam em disputa. Por esse motivo, existem diferentes conjuntos de critérios para diagnosticar a condição.

A hipersexualidade não é um diagnóstico formal, de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais da 5ª Edição (DSM-V) da Associação Americana de Psiquiatria (APA), devido à falta de evidências que sustentem sua existência como uma condição.

No entanto, a Classificação Internacional de Doenças, Décima Edição (CID-10) fornece uma categoria na qual a hipersexualidade pode se encaixar: “F52.8: outra disfunção sexual não devida a uma substância ou condição fisiológica conhecida”.

Excesso de desejo sexual, ninfomania e satiríase estão todos incluídos nesta categoria.

O Instituto Semel de Neurociência e Comportamento Humano, UCLA, sugeriu em um estudo de 2012 que, para que um vício sexual se qualifique como um distúrbio de saúde mental, um indivíduo deve:

“Experimente fantasias sexuais repetidas, comportamentos e desejos que duram mais de 6 meses e não se devam a fatores como medicação, outra condição médica, abuso de substâncias ou episódios maníacos ligados ao transtorno bipolar”.

À medida que mais exemplos de dependência sexual e suas conseqüências surgiram, o transtorno tornou-se mais amplamente aceito como uma condição mental legítima.

Vício sexual ou libido avançada?

Um desafio é distinguir o vício sexual de um desejo sexual elevado.

Duas características principais podem ajudar os profissionais de saúde a fazer isso:

  • falha consistente para controlar o comportamento
  • continuação do comportamento apesar dos danos causados

Um médico psiquiatra qualificado será capaz de distinguir entre uma libido avançada e um padrão de dependência de estimulação sexual ou outro distúrbio parafílico que requeira atenção médica.

Critérios sugeridos

O Dr. Aviel Goodman, diretor do Instituto de Psiquiatria de Minnesota, propôs critérios semelhantes aos usados ​​no vício em substâncias. Os critérios diagnosticariam o vício sexual quando danos significativos ou sofrimento são causados ​​por um padrão de comportamento.

Para receber um diagnóstico, uma pessoa deve mostrar pelo menos três das seguintes características durante um período de 12 meses. Os comportamentos estão relacionados a questões de tolerância e retirada. Eles não se ajustariam às circunstâncias pessoais em mudança causadas pelo vício sexual.

  • O comportamento precisa aumentar em freqüência e intensidade para alcançar o efeito desejado.
  • Continuar no mesmo nível ou intensidade não produz o efeito desejado.
  • A interrupção do comportamento leva à síndrome de abstinência, incluindo alterações fisiológicas ou psicológicas.
  • Comportamento semelhante está envolvido em aliviar ou evitar sintomas de abstinência.

Outros possíveis critérios incluem:

  • envolver-se no comportamento por um longo período de tempo ou a uma intensidade ou frequência
  • ter um desejo persistente de reduzir ou controlar o comportamento, ou de fazer esforços sem sucesso para fazê-lo
  • gastar muito tempo em atividades necessárias para se preparar para participar e se recuperar do comportamento
  • desistir ou reduzir atividades sociais, ocupacionais ou recreativas importantes por causa do comportamento
  • continuar o comportamento apesar de saber que é provável que cause ou agrave um problema físico ou psicológico persistente

Tratamento

O vício pode ser difícil de tratar, já que uma pessoa com um vício, muitas vezes, racionaliza e justifica seus comportamentos e padrões de pensamento. Pessoas com vício em sexo podem negar que há um problema.

Tratamento de dependência sexual

As opções atuais de tratamento visam reduzir qualquer desejo excessivo de se envolver em relações sexuais e encorajar o cultivo de relacionamentos saudáveis.

As seguintes opções de tratamento estão disponíveis:

  • Organizações de autoajuda, como,, e oferecem programas de 12 etapas para ajudar o indivíduo a autogerenciar a condição.
  • Programas de tratamento residencial estão disponíveis para indivíduos com vários transtornos aditivos. São programas de internação, durante os quais o indivíduo vive no local da instalação e recebe atendimento de terapeutas especializados.
  • A terapia comportamental cognitiva (TCC) fornece uma variedade de técnicas que ajudam o indivíduo a mudar seu comportamento. A TCC pode equipar uma pessoa para evitar recaídas e reprogramar comportamentos sexuais prejudiciais.
  • Prescrição de medicamentos, como o Prozac, podem ser prescritos para reduzir os impulsos sexuais, mas o medicamento não foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para tratar esta condição.

O apoio de amigos e familiares é crucial para uma pessoa se recuperar de um vício. O vício sexual, devido à sua natureza comportamental, pode ser difícil para outros entenderem e tolerarem, especialmente se já causou danos nos relacionamentos.

No entanto, uma forte rede de apoio ajuda a reduzir o comportamento destrutivo e o risco de recaída.

Like this post? Please share to your friends: