Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que é uma embolia aérea?

Uma embolia aérea, ou mais precisamente, uma embolia gasosa, ocorre quando uma ou mais bolhas de gás entram em uma veia ou artéria. Isso pode bloquear a passagem do sangue e pode ser fatal.

Dependendo de onde o bloqueio ocorre, os sintomas e a gravidade variam. A embolia aérea é uma das principais causas de morte na comunidade de mergulho.1

A embolia aérea pode ser causada por vários fatores – mais comumente o mergulho – mas alguns procedimentos médicos também podem causar bolhas de gás no sangue. A prevalência exata de embolia aérea não é conhecida; mais casos menores podem não ser tratados e podem ficar sem sintomas.

Este artigo irá analisar as causas, sintomas e diagnóstico de embolia aérea. Também incluirá maneiras de evitar a condição ao mergulhar.

Fatos rápidos sobre embolia aérea

Aqui estão alguns pontos-chave sobre embolia aérea. Mais detalhes e informações de suporte estão no artigo principal.

  • As embolias aéreas são mais frequentemente formadas durante o mergulho
  • As bolhas de ar nas veias não são tão graves como as das artérias
  • Embolias gasosas arteriais podem causar derrames
  • Apenas 2-3 ml de ar injetado na circulação cerebral podem causar a morte
  • Alguns procedimentos médicos podem causar embolia aérea
  • Estima-se que 57% das cirurgias ortopédicas produzam embolia aérea
  • Os sintomas de embolia aérea incluem dores nas articulações, sentimentos de estresse, dor no peito e tremores
  • O melhor tratamento para embolia aérea é recompressão em uma câmara hiperbárica
  • Formas de evitar embolias durante o mergulho incluem evitar o álcool e ressurgir lentamente.

O que é uma embolia aérea?

[Veias e artérias da cabeça e pescoço]

Uma embolia, em geral, refere-se a qualquer coisa inconveniente que tenha sido aprisionada dentro do sistema vascular.

Uma embolia aérea, especificamente, é uma bolha ou bolhas de gás aprisionado dentro dos vasos sanguíneos. As bolhas irão, em algum momento, cortar o suprimento de sangue para uma área específica do corpo.

A embolia aérea pode facilmente causar danos significativos e permanentes ao sistema nervoso central e, como tal, deve ser tratada como uma emergência.

Uma embolia venosa não é tão séria quanto uma embolia arterial, que não é tão séria quanto uma embolia cerebral. No entanto, todos os itens acima têm o potencial de causar danos graves aos órgãos e sistemas, se não forem controlados.2

Alguns procedimentos médicos podem causar pequenas quantidades de ar para entrar no sistema venoso; através de um gotejamento intravenoso, por exemplo. Em geral, estes são interrompidos nos pulmões e causam pouco ou nenhum dano. Em casos raros, eles podem atingir o coração e atrapalhar seu funcionamento.

A embolia gasosa arterial é muito mais grave. A embolia pode potencialmente impedir que o sangue oxigenado atinja o órgão alvo e cause isquemia (um suprimento inadequado de sangue para um órgão); se o coração for afetado, pode causar um ataque cardíaco.

Se uma embolia gasosa arterial atinge o cérebro, é referida como uma embolia cerebral e pode causar um acidente vascular cerebral.

Uma injeção de 2-3 ml de ar na circulação cerebral pode ser fatal. Apenas 0,5-1 ml de ar na veia pulmonar podem causar uma parada cardíaca.3

Causas

Como mencionado, alguns procedimentos médicos podem permitir que pequenas quantidades de ar entrem no corpo; isso pode ser sério, mas acontece raramente. A grande maioria dos casos de embolia aérea envolve mergulho.

De fato, a embolia aérea é a causa mais comum de morte entre os mergulhadores.

Existem duas maneiras pelas quais uma embolia aérea pode se formar em resposta a um mergulho; ambos ocorrem durante a subida, mas através de dois processos diferentes:

[Mergulhador]

  • Doença descompressiva: também conhecida como “as curvas”, uma embolia pode ocorrer quando um mergulhador surge muito rapidamente. Quando um mergulhador desce, seu corpo, junto com o gás que está respirando (oxigênio e nitrogênio), está sob crescente pressão. O mergulhador usa constantemente o oxigênio, mas o nitrogênio se acumula nos tecidos do mergulhador.

    Se o mergulhador retornar à superfície com muita rapidez, o azoto não terá a possibilidade de ser reabsorvido para o sangue e deixará o tecido como bolhas de gás.

    Uma boa analogia para ajudar a entender esse processo envolve uma garrafa de refrigerante carbonatada. Quando a garrafa é lacrada, o dióxido de carbono não pode ser visto porque está sob pressão. No entanto, se a pressão for liberada rapidamente pela abertura da tampa, o dióxido de carbono se formará em bolhas prontamente visíveis.

    Se a tampa for liberada lentamente em etapas, as bolhas não se formarão.

  • Barotrauma pulmonar: se um mergulhador prender a respiração durante uma subida rápida, o trauma pode ser causado ao revestimento dos pulmões. Quando a pressão diminui durante a subida, o volume do ar nos pulmões aumenta. Se a respiração for mantida voluntariamente, os pequenos sacos aéreos dos pulmões (alvéolos) podem se romper. Essas lágrimas podem permitir que o gás passe para o sangue.

Outras causas de embolia aérea podem ser iatrogênicas (causadas por uma intervenção médica). Estes podem incluir:

  • Gotejamento intravenoso: mais comumente via cateterismo venoso central desconectado
  • Hemodiálise: tratamento para insuficiência renal
  • Insuflações laparoscópicas: também conhecido como cirurgia de buraco de fechadura, o ar é por vezes bombeado para o espaço entre os órgãos e a pele para limpar uma passagem para o cirurgião trabalhar
  • Cirurgia cardíaca aberta
  • Biópsia pulmonar: remoção de uma seção do pulmão para exame
  • Procedimentos radiológicos: especificamente onde a injeção de corante é necessária
  • Parto: particularmente cesariana
  • Colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE): um procedimento projetado para examinar os ductos pancreático e biliar, a CPRE envolve a injeção de um corante na região por meio de um endoscópio.4

Não há números precisos são conhecidos para a prevalência de embolias de ar devido a procedimentos cirúrgicos. Alguns estimam que a embolia aérea vascular ocorre em qualquer coisa entre 10-80% das neurocirurgias e 57% das cirurgias ortopédicas.5

Para que o ar se mova da atmosfera para o sistema sanguíneo, o gradiente de pressão tem que ser tal que o ar que entra no local seja favorecido. Em geral, a pressão nos vasos sanguíneos é maior que a pressão atmosférica circundante. Portanto, uma ferida normal não permitirá que o gás entre.

No entanto, na região da cabeça ou pescoço, a pressão é menor que a pressão atmosférica; lesões nesses locais podem causar embolias de ar. Por esta razão, as operações na cabeça e no pescoço são mais propensas a causar embolias aéreas iatrogênicas.

Sintomas

[Snorkeling em águas azuis profundas]

Sinais e sintomas de embolia gasosa podem incluir os seguintes6:

  • Dor nas articulações ou músculos
  • Ritmos cardíacos irregulares
  • Borrão de visão
  • Ansiedade
  • Comichão na pele
  • Convulsões
  • Espuma de sangue da boca
  • Pressão arterial baixa e tontura
  • Dificuldade em respirar
  • Dor no peito
  • Vertigem
  • Fadiga extrema
  • Tremores
  • Perda de coordenação
  • Alucinações visuais ou auditivas
  • Náusea ou vômito
  • Cianose (coloração azul pálida da pele)
  • Paralisia ou fraqueza das extremidades, ou um ou mais membros
  • Perda de consciência.

Se um mergulhador for visto desenvolvendo esses sintomas dentro de 10 a 20 minutos de um mergulho, ele deve ficar deitado na horizontal, receber 100% de oxigênio e ser levado a um hospital – de preferência um com uma câmara de recompressão.

Diagnóstico

O fator clinicamente mais importante no diagnóstico de embolia aérea é a história do paciente. Os sintomas em si podem ser uma manifestação de vários distúrbios; no entanto, uma recente expedição de mergulho ou procedimento cirúrgico pode indicar uma embolia aérea.

Os procedimentos cirúrgicos que apresentam maior risco de embolia aérea são a craniotomia realizada com o paciente em posição sentada, cesariana, artroplastia de quadril e cirurgia cardíaca com circulação extracorpórea.

Se uma embolia aérea for uma possibilidade ou um risco, os seguintes procedimentos podem ser realizados durante ou após a cirurgia: 4

[Imagem manchada da artéria carótida]

  • Raio X de tórax: bolhas de gás às vezes podem aparecer nos raios X
  • Estetoscópio: para o ouvido treinado, um murmúrio “millwheel” às vezes pode ser detectado
  • Mudança de gases: se o paciente estiver sob anestesia e ainda estiver sendo monitorado, o anestesista poderá detectar uma diminuição na quantidade de dióxido de carbono liberado no final de uma expiração.
  • Ultrassonografia com Doppler: esse procedimento não invasivo estima o fluxo sanguíneo através dos vasos por meio de ondas sonoras de alta freqüência que saem das células vermelhas do sangue em circulação. Este procedimento é freqüentemente usado durante operações com alto risco de embolia aérea
  • Ecocardiografia transesofágica: este método usa o som para produzir uma imagem altamente detalhada do coração e dos vasos que o conduzem.

Tratamento

Se a embolia gasosa tiver sido causada por mergulho, a única opção é o tratamento de recompressão imediata em uma câmara hiperbárica. O mergulhador estará na vertical e respirará uma mistura de gases a alta pressão.

Isso irá restaurar o fluxo sanguíneo normal e reduzir o tamanho da embolia. A pressão força o nitrogênio a ser reabsorvido na corrente sanguínea.

O tratamento levará algumas horas, pois a pressão diminui lentamente na câmara, imitando uma lenta subida de mergulho. Dependendo da gravidade da condição, o tratamento pode continuar por vários dias.

Outros tratamentos para embolia aérea

Se a embolia gasosa é de natureza iatrogênica ou devido a trauma e uma grande bolha de ar fica presa no coração, o paciente pode ser colocado em certas posições para ajudar a evitar mais danos:

  • Posição de Trendelenburg: deitada de costas com a pélvis acima da cabeça
  • Decúbito lateral esquerdo: deitado no lado esquerdo, em um esforço para aprisionar o ar próximo ao ápice do ventrículo direito; isso impede ou minimiza a obstrução da artéria pulmonar.

O paciente também receberá uma mistura de alto teor de oxigênio. Isso acelera a redução no tamanho da bolha e ajuda a reverter a isquemia. A recompressão pode ser útil se a embolia aérea é iatrogênica ou devido ao mergulho.

Prevenção

O mergulho é a causa mais comum de embolia aérea. A lista a seguir pode ajudar a evitar sua ocorrência:

  • Limite a duração e a profundidade dos mergulhos
  • Sempre superfície lentamente e use paradas de segurança para permitir que os gases sejam reabsorvidos de forma segura e natural
  • Nunca mergulhe com um resfriado ou tosse
  • Mostrar precaução adicional se mergulhar em água particularmente fria7
  • Evite o consumo de álcool antes e depois do mergulho
  • Nenhuma atividade vigorosa antes, durante ou depois de um mergulho
  • Permaneça na superfície por tempo adequado entre os mergulhos
  • Mantenha-se hidratado antes de mergulhar
  • Deixe pelo menos 24 horas antes de ir para uma altitude mais alta, por ex. escalada de montanha ou um voo.
Like this post? Please share to your friends: