Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que é um espasmo esofágico?

Os espasmos esofágicos ocorrem quando o esôfago se contrai anormalmente e podem ser dolorosos e desconfortáveis. Quando eles acontecem, o movimento de comida e bebida em direção ao estômago é interrompido e menos eficiente.

O esôfago vai da boca ao estômago e faz parte do sistema digestivo de uma pessoa. Move a comida da garganta para o estômago, contraindo-se de maneira coordenada.

O esôfago é o tubo que leva a comida e a bebida que uma pessoa ingere no estômago. É cerca de 10 centímetros de comprimento e tem paredes musculares revestidas de membranas mucosas.

Para alguns, os espasmos esofágicos ocorrem com freqüência e interferem na capacidade de comer e beber normalmente. Quando este é o caso, o tratamento é geralmente necessário.

Fatos rápidos sobre espasmos esofágicos:

  • A maioria das pessoas tende a experimentar espasmos esofágicos com pouca frequência.
  • Aqueles entre as idades de 60 e 80 são mais propensos a tê-los.
  • Um médico pode diagnosticar a condição através da realização de vários testes.

Causas do espasmo esofágico

espasmo esofágico representado por imagem 3D do esôfago

Não existe uma razão definitiva para a ocorrência de espasmos esofágicos. Acredita-se que um problema com os nervos que controlam os músculos do esôfago pode ser uma das causas.

Muitas pessoas acham que existem gatilhos específicos que provocam espasmos esofágicos. Esses incluem:

  • comida e bebida, como vinho tinto ou comida picante
  • temperatura dos alimentos, seja muito quente ou muito frio
  • medicação e tratamento para câncer, incluindo radiação ou cirurgia no esôfago
  • estresse, depressão ou ansiedade
  • doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), se ocorrer cicatrização ou estreitamento do esófago

Espasmos esofágicos são divididos em duas categorias:

Espasmos esofágicos difusos: Estes geralmente fazem uma pessoa regurgitar comida ou bebida. Eles acontecem apenas ocasionalmente e podem ser dolorosos.

Esôfago do quebra-nozes: Onde os espasmos dolorosos ocorrem, mas nenhum alimento ou líquido é regurgitado. Eles podem tornar difícil para uma pessoa engolir.

Quais são os fatores de risco?

Embora os espasmos esofágicos sejam raros, existem certos fatores de risco que podem tornar a pessoa mais suscetível a eles.

Fatores de risco incluem:

  • ter pressão alta
  • vivenciando momentos de ansiedade ou depressão
  • consumir alimentos ou bebidas de gatilho, como vinho tinto ou alimentos muito quentes ou frios
  • ter doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)

Pessoas com idade entre 60 e 80 anos têm maior probabilidade de apresentar espasmos esofágicos.

Sintomas e quando consultar um médico

Homem segurando o peito por causa da dor da azia.

As pessoas que apresentam espasmos esofágicos podem apresentar os seguintes sintomas:

  • dor no peito grave, como se o peito estivesse sendo comprimido ou a pessoa tivesse um ataque cardíaco
  • dificuldade em engolir
  • azia
  • sentindo como se um objeto estivesse preso na garganta ou no peito
  • regurgitação de comida ou bebida

É essencial procurar aconselhamento de um médico se os sintomas acima ocorrerem ou se uma pessoa acreditar que está a sofrer de um espasmo esofágico. Isto é porque é vital para um médico descartar quaisquer condições graves ou com risco de vida com sistemas semelhantes, como angina ou ataque cardíaco.

Diagnóstico

Um médico pode diagnosticar espasmo esofágico realizando vários testes. Inicialmente, é provável que descartem condições mais graves, como a angina, realizando um teste cardíaco, por exemplo, um ECG.

Outros testes incluem:

  • Manometria esofágica: As contrações musculares do esôfago são medidas enquanto a água é engolida.
  • Andorinha de bário: pede-se a uma pessoa que beba um líquido de contraste e, em seguida, faça uma radiografia. O líquido ajuda os médicos a obter uma melhor visão do esôfago.
  • Endoscopia: Realizar uma endoscopia envolve colocar um tubo fino na garganta de uma pessoa. O tubo tem uma luz e uma câmera que permite ao médico ver o interior do esôfago.
  • Monitoramento do pH esofágico: Um teste que mede o equilíbrio do pH do esôfago para mostrar se uma pessoa tem refluxo ácido.

Quais são as opções de tratamento?

Salada fresca de quinoa com feijão.

É essencial descobrir qual tipo de espasmo esofágico a pessoa deve ser capaz de tratá-la corretamente.

Espasmos esofágicos difusos podem ser tratados pela avaliação de quais alimentos e bebidas são desencadeantes e eliminados da dieta de uma pessoa.

Manter um diário alimentar do que é consumido, bem como a temperatura e o tamanho da porção, ajudará a decifrar onde as mudanças na dieta devem ser feitas.

Outras mudanças na dieta e no estilo de vida que podem ajudar a aliviar os espasmos esofágicos incluem:

  • comer refeições menores e mais frequentes e evitar grandes porções
  • Aumentando o consumo diário de fibras
  • parar de fumar
  • perder peso se necessário
  • comer mais cedo à noite
  • reduzir ou eliminar o álcool
  • vestindo roupas soltas

Remédios naturais

Os remédios naturais também podem ser tratamentos eficazes para espasmos esofágicos.

O extrato padronizado de alcaçuz deglycyrrhizinated (DGL), que está disponível em pó ou em formas de comprimidos mastigáveis, pode ser tomado antes e após as refeições para reduzir os espasmos.

Óleo de hortelã-pimenta também pode ser benéfico para pessoas que experimentam espasmos esofágicos. Fazer uma solução de óleo de hortelã e água ou chupar uma pastilha de hortelã-pimenta pode ajudar a reduzir os sintomas.

Medicação

Um médico também pode prescrever medicação para ajudar quando alguém tem esses espasmos de digestão.

Pessoas com DRGE podem receber um inibidor da bomba de prótons ou um bloqueador H2. No entanto, estes não são isentos de efeitos colaterais, e algumas pesquisas sugerem que inibidores da bomba de prótons, usados ​​por um longo período, podem causar doença renal.

Se a ansiedade ou depressão for um fator desencadeante dos espasmos esofágicos, os antidepressivos podem ser prescritos.

Botox

Injeções de Botox e bloqueadores de cálcio também podem funcionar através do relaxamento dos músculos da deglutição, o que pode ajudar a reduzir os casos de espasmos esofágicos.

Cirurgia

A cirurgia é outra opção para casos mais graves em que a medicação não ajudou.

A miotomia endoscópica oral (POEM) é um procedimento em que o cirurgião insere um endoscópio através da boca de uma pessoa, cortando o músculo na parte inferior do esôfago, o que deve resultar em contrações cada vez menos graves.

Alternativamente, a miotomia de Heller é uma cirurgia diferente, que pode ajudar as pessoas com espasmos esofágicos.

Nessa cirurgia laparoscópica, o músculo do esfíncter esofágico é cortado, permitindo que comida e bebida passem para o estômago com mais facilidade.

Prevenção e perspectiva

Eliminar os alimentos que desencadeiam espasmos esofágicos pode reduzir a frequência com que uma pessoa os vivencia. Tomar medicação prescrita e fazer mudanças na dieta e no estilo de vida também pode ser benéfico.

Uma condição subjacente, como DRGE ou depressão, pode ser a causa de espasmos esofágicos, caso em que estes devem ser tratados para aliviar os sintomas.

Vendo um médico se espasmos esofágicos ocorrem, ajuda alguém a determinar a causa e receber o melhor tratamento.

Like this post? Please share to your friends: