Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que é transtorno de personalidade borderline (borderline personality disorder, BPD)?

Transtorno de personalidade borderline é uma condição de saúde mental que cria instabilidade de humor, comportamento e relacionamento.

Os sintomas da doença têm sido descritos na literatura médica há mais de 3.000 anos, mas a doença só começou a aumentar de visibilidade nos últimos 30 anos.

O termo “borderline” originalmente entrou em uso quando os médicos pensaram que os pacientes estavam na fronteira entre neuróticos e psicóticos – tendo apresentado sintomas neuróticos e psicóticos.

O Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH) afirma que cerca de 1,6% dos adultos nos EUA têm transtorno de personalidade limítrofe (TPL) em qualquer ano.

Fatos rápidos sobre transtorno de personalidade borderline:

  • Pessoas com DBP têm problemas para regular pensamentos, emoções e auto-imagem. Eles podem ser impulsivos e imprudentes, e muitas vezes têm relacionamentos instáveis ​​com outras pessoas.
  • A maioria dos casos de DBP começa nos estágios iniciais da vida adulta, parece pior na idade adulta jovem, mas os sintomas podem melhorar com a idade.
  • Os especialistas não sabem o que causa o BPD. Acredita-se que a genética, os fatores ambientais e as anormalidades cerebrais desempenham um papel.
  • A DBP é comumente tratada com psicoterapia, auxiliada com medicação em alguns casos.
  • Não há cura para a DBP, mas os sintomas podem melhorar com o tempo.

O que é transtorno de personalidade limítrofe?

mulher conversando com psiquiatra

A maioria dos casos de DBP começa a ocorrer no início da idade adulta. A maneira pela qual uma pessoa com DBP interage com os outros está intimamente associada à sua autoimagem e interações sociais precoces. A DBP causa os seguintes distúrbios comportamentais:

  • percepções distorcidas
  • relacionamentos perturbados
  • respostas emocionais excessivas
  • ações prejudiciais, impulsivas

As pessoas com DBP geralmente têm uma auto-imagem distorcida e podem sentir-se como falhas e sem valor.

Causas

Especialistas acreditam que é provável que as pessoas possam ser geneticamente predispostas a desenvolver DBP, com fatores ambientais aumentando o risco. Três fatores foram identificados como sendo susceptíveis de desempenhar um papel no desenvolvimento da DBP:

  • Genética: Estudos de gêmeos com DBP sugerem que uma predisposição para a condição é herdada.
  • Fatores ambientais (sociais): Relacionamentos familiares instáveis, abuso infantil e negligência têm sido associados a um risco aumentado de DBP.
  • Anormalidades cerebrais: a DBP tem sido associada em estudos com alterações em certas partes do cérebro envolvidas na regulação da emoção.

Muitas pessoas com DBP têm um parente imediato que tem uma doença mental, como TDAH, transtorno bipolar, depressão e esquizofrenia.

sinais e sintomas

A DBP normalmente não é diagnosticada em crianças ou adolescentes, pois a personalidade ainda está se desenvolvendo durante esses anos. Os sintomas que podem parecer distúrbios de personalidade borderline podem desaparecer à medida que as crianças crescem.

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Quinta Edição (DSM-5), publicado pela Associação Americana de Psiquiatria, é usado para diagnosticar condições de saúde mental, como BPD, e por companhias de seguro para reembolsar o tratamento da condição.

Ao contrário do DSM-4 (uma versão anterior), o DSM-5 não exige que haja pelo menos cinco dos nove sintomas específicos presentes para que um diagnóstico seja feito. Em vez disso, o DSM-5 requer que os seguintes critérios sejam atendidos:

Prejuízos no auto-funcionamento

  • Identidade: Auto-imagem mal desenvolvida ou instável, geralmente muito autocrítica; sentimentos de vazio; estados dissociativos sob estresse.
  • Autodireção: Mudança de metas, valores, aspirações ou planos de carreira.

Deficiências no funcionamento interpessoal

  • Empatia: Não é capaz de reconhecer os sentimentos e necessidades dos outros.
  • Intimidade: Relações íntimas intensas e instáveis, marcadas pela desconfiança, conflito, carência e preocupações com o abandono. Os relacionamentos próximos flutuam entre o envolvimento excessivo e a retirada.

Traços de personalidade patológica

Esses incluem:

  • emoções altamente mutáveis
  • ansiedade
  • insegurança de separação
  • humor frequentemente deprimido

Desinibição, caracterizada por:

  • agir impulsivamente
  • assumir riscos

Antagonismo, caracterizado por:

  • hostilidade

Além disso, as deficiências em traços de personalidade e personalidade são:

  • bastante constante em diferentes momentos e em diferentes situações
  • não consistente com o estágio de desenvolvimento do indivíduo ou lugar na sociedade
  • não apenas devido ao uso de drogas ou outras substâncias, ou uma condição médica

Os sintomas da DBP podem ser desencadeados por situações que pessoas saudáveis ​​acham normal. Pessoas com DBP têm dificuldade em aceitar áreas cinzentas na vida, muitas vezes vendo coisas como preto ou branco. Eles podem sentir-se angustiados com pequenas separações de pessoas que sentem perto, como resultado de viagens de negócios ou mudanças súbitas de planos, por exemplo.

Estudos também descobriram que pessoas com DBP podem ver a raiva em rostos emocionalmente neutros ou reagir a palavras com conotações negativas com muito mais força do que pessoas sem a condição.

Segundo o NIMH, 80% das pessoas com DBP desenvolvem comportamentos suicidas, com 4-9% cometer suicídio. A automutilação é outro sintoma comum, usado às vezes por pessoas com DBP como forma de regular suas emoções, punindo-se ou expressando sua dor interior.

Pessoas com DBP também correm um risco maior de desenvolver distúrbios alimentares, abuso de substâncias e serem vítimas de crimes violentos, como estupro.

Diagnóstico

homem conversando com psiquiatra

A DBP é difícil de diagnosticar porque os sintomas da condição se sobrepõem a outras doenças mentais, e os casos individuais podem variar muito.

Os profissionais de saúde mental podem diagnosticar a DBP após uma entrevista completa, durante a qual eles farão uma avaliação psicológica onde perguntarão sobre o histórico clínico de um paciente e seus sintomas.

Como a DBP compartilha sintomas com várias outras condições, os profissionais de saúde mental precisarão descartá-las antes de poderem fazer um diagnóstico de DBP.

Devido às dificuldades no diagnóstico da DBP, muitas vezes é subdiagnosticada ou diagnosticada incorretamente.

Tratamento

Opções de tratamento incluem:

Psicoterapia

Existem diferentes formas disponíveis:

  • Terapia comportamental cognitiva (TCC): Trabalhando com um terapeuta, os pacientes tornam-se conscientes de formas negativas ou ineficazes de pensamento, permitindo-lhes ver situações desafiadoras mais claramente.
  • Terapia comportamental dialética (DBT): Os pacientes usam uma abordagem baseada em habilidades ao lado de exercícios físicos e meditativos para aprender a melhor forma de regular as emoções e tolerar o sofrimento.
  • Terapia focada no esquema (SFT): Com base na ideia de que a DBP vem de uma auto-imagem disfuncional, a SFT se concentra em ressignificar como os pacientes se vêem.
  • Terapia baseada em Mentalização (MBT): Uma forma de terapia de conversa que ajuda os pacientes a identificar seus próprios pensamentos e separá-los daqueles de pessoas ao seu redor.
  • Psicoterapia focada na transferência (TFP): Utiliza a relação de desenvolvimento entre paciente e terapeuta para ajudar o indivíduo a entender suas emoções e dificuldades interpessoais.
  • Treinamento de Sistemas para Previsibilidade Emocional e Solução de Problemas (STEPPS): Uma forma de terapia de grupo liderada por um assistente social que se destina a suplementar outras formas de tratamento.

Medicação

Os médicos podem prescrever medicação para tratar problemas clínicos que ocorrem ao lado da DBP, embora não haja medicação disponível atualmente que possa curar a própria condição. Medicamentos incluem:

  • Inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs): Esta prática não é apoiada por evidências de estudos clínicos, mas essa classe de drogas pode ser usada se a pessoa também tiver ansiedade ou transtorno depressivo concomitante.
  • Antipsicóticos de segunda geração e estabilizadores de humor: Existem algumas evidências de que estes ajudam a controlar alguns sintomas da DBP.
  • Ômega-3: Há algumas evidências de que os ácidos graxos ômega-3 – comumente encontrados no óleo de peixe – ajudam a estabilizar o humor, reduzindo os sintomas de agressão e a depressão na DBP, no entanto, mais estudos são necessários.

Pesquisas preliminares também sugerem que pode haver um papel no tratamento da DBP para medicamentos que modificam os sistemas de neurotransmissores glutamatérgico, opióide e oxitocinérgico.

Hospitalização

Em alguns casos (como tentativa de suicídio), as pessoas com DBP necessitam de tratamento intenso em ambientes especializados, como hospitais e clínicas psiquiátricas. Muitas vezes, o tratamento hospitalar será uma combinação de sessões de medicação e psicoterapia. É raro as pessoas serem hospitalizadas com BPD por muito tempo; a maioria das pessoas requer apenas hospitalização parcial ou um programa de tratamento diurno.

Like this post? Please share to your friends: