Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que é neurociência?

A neurociência é o estudo de como o sistema nervoso se desenvolve, sua estrutura e o que faz.

Os neurocientistas se concentram no cérebro e seu impacto no comportamento e funções cognitivas (pensamento). Eles também investigam o que acontece com o sistema nervoso quando as pessoas têm distúrbios neurológicos, psiquiátricos e neurodesenvolvimentais.

Visão geral

[ilustração de um cérebro em um fundo branco]

A neurociência tem sido tradicionalmente classificada como uma subdivisão da biologia. Hoje em dia, é uma ciência interdisciplinar que se relaciona intimamente com outras disciplinas, como matemática, lingüística, engenharia, ciência da computação, química, filosofia, psicologia e medicina.

Alguns dizem que a neurociência significa o mesmo que neurobiologia. No entanto, a neurobiologia olha para a biologia do sistema nervoso, enquanto a neurociência se refere a qualquer coisa relacionada ao sistema nervoso.

Neurocientistas estão envolvidos em um campo muito mais amplo de campos hoje do que antes. Eles estudam os aspectos celulares, funcionais, evolutivos, computacionais, moleculares, celulares e médicos do sistema nervoso.

História

Os antigos egípcios achavam que a sede da inteligência estava no coração. Por causa dessa crença, durante o processo de mumificação, eles removeriam o cérebro, mas deixariam o coração no corpo.

Os primeiros escritos sobre o cérebro foram encontrados em 1700 aC Edwin Smith Surgical Papyrus. A palavra “cérebro” é mencionada oito vezes ao descrever os sintomas, o diagnóstico e os resultados prováveis ​​de duas pessoas que tiveram ferimentos na cabeça – fraturas compostas do crânio.

Alcmaeon (por volta de 500 aC) – diferentes pontos de vista sobre o cérebro começaram a surgir na Grécia Antiga. Alcmaeon, acredita-se ser um estudante de Pitágoras, escreveu que o cérebro é onde a mente é; ele foi provavelmente a primeira pessoa na história a expressar a ideia por escrito. Hipócrates logo seguiu, dizendo que o cérebro é a sede da inteligência.

Aristóteles (384-322 aC) – um filósofo e polímata grego, foi um pouco impreciso ao dizer que o cérebro é um mecanismo de resfriamento do sangue e que o coração é a sede da inteligência. Ele argumentou que os seres humanos se comportam de forma mais racional do que os animais, porque nossos cérebros maiores resfriam o sangue quente, evitando assim o sangue quente.

Herófilo e Erasístrato (cerca de 300-240 aC) – Herófilo da Calcedônia, um médico grego, e Erasístrato de Ceos, um anatomista grego e médico real, são conhecidos por terem contribuído consideravelmente para a anatomia do cérebro e do sistema nervoso. Infelizmente, seus escritos foram perdidos – só sabemos sobre suas contribuições através de fontes secundárias.

Galeno de Pérgamo (129-200) – um anatomista grego que trabalhou em Roma, disse que o cérebro é onde os sentidos são processados ​​porque é macio, enquanto o cerebelo controla os músculos porque é mais denso que o cérebro.

[cientista feminina moderna cedo com um microscópio]

O microscópio (1590) – provavelmente inventado na Holanda em 1590, permitiu uma compreensão muito mais profunda do cérebro.

Golgi (1843-1926) – Durante o final da década de 1980, Gamillo Golgi, um médico, patologista e cientista italiano, usou sal de cromato de prata para mostrar como eram os neurônios.

Santiago Ramón y Cajal (1852-1934) – um patologista, histologista e neurocientista espanhol, aprofundou o trabalho de Golgi e formou a doutrina dos neurônios: uma hipótese de que o neurônio é a unidade funcional do cérebro. Em 1906, Golgi e Cajal receberam conjuntamente o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina por seus extensos trabalhos e categorizações de neurônios no cérebro.

Hermann von Hemholtz (1821-1894) – no final do século XIX, von Hemholtz, médico e físico alemão, com um grupo de outros cientistas, demonstrou a excitabilidade elétrica dos neurônios e como o estado elétrico dos neurônios vizinhos era afetado. por um neurônio eletricamente estimulado.

Pierre Paul Broca (1824-1880) – médico, cirurgião, anatomista e antropólogo francês, trabalhou em pacientes com danos cerebrais. Ele chegou à conclusão de que diferentes regiões do cérebro estavam envolvidas em funções específicas.

John Hughlings Jackson (1835-1911) – um neurologista inglês, através de observações de pacientes com epilepsia, descobriu como o córtex motor era organizado enquanto assistia à progressão das convulsões através do corpo.

Carl Wernicke (1848-1905) – médico, anatomista, psiquiatra e neuropatologista alemão, acreditava que certas partes do cérebro eram responsáveis ​​pela compreensão e expressão da linguagem.

A partir da década de 1950, o estudo científico do sistema nervoso fez enormes avanços, principalmente por causa do progresso alcançado em outros campos relacionados, como a neurociência computacional, a eletrofisiologia e a biologia molecular.

Os neurocientistas puderam estudar a estrutura, as funções, o desenvolvimento, as anormalidades e as formas de funcionamento do sistema nervoso.

Ramos principais

Os seguintes ramos da neurociência podem ser amplamente classificados nas seguintes disciplinas (os neurocientistas geralmente cobrem vários ramos ao mesmo tempo):

[neurologista olhando para exames cerebrais]

  • Neurociência afetiva – na maioria dos casos, a pesquisa é realizada em animais de laboratório e examina como os neurônios se comportam em relação às emoções.
  • Neurociência comportamental – o estudo das bases biológicas do comportamento. Olhando como o cérebro afeta o comportamento.
  • Neurociência celular – o estudo dos neurônios, incluindo sua forma e propriedades fisiológicas no nível celular.
  • Neurociência clínica – examina os distúrbios do sistema nervoso, enquanto a psiquiatria, por exemplo, examina os distúrbios mentais.
  • Neurociência cognitiva – o estudo das funções cognitivas superiores que existem nos seres humanos e sua base neural subjacente. A neurociência cognitiva se baseia na lingüística, na psicologia e na ciência cognitiva.Os neurocientistas cognitivos podem tomar duas direções amplas: comportamental / experimental ou computacional / modelagem, com o objetivo de entender a natureza da cognição do ponto de vista neural.
  • Neurociência computacional – tentando entender como os cérebros computam, usando computadores para simular e modelar funções cerebrais e aplicando técnicas de matemática, física e outros campos computacionais para estudar a função cerebral.
  • Neurociência cultural – analisa como as crenças, práticas e valores culturais são moldados e moldam o cérebro, as mentes e os genes em diferentes períodos.
  • Neurociência do desenvolvimento – examina como o sistema nervoso se desenvolve em uma base celular; que mecanismos subjacentes existem no desenvolvimento neural.
  • Neurociência Molecular – o estudo do papel de moléculas individuais no sistema nervoso.
  • Neuroengenharia – usando técnicas de engenharia para melhor entender, substituir, reparar ou melhorar os sistemas neurais.
  • Neuroimagem – um ramo da imagiologia médica que se concentra no cérebro. A neuroimagem é usada para diagnosticar doenças e avaliar a saúde do cérebro. Também pode ser útil no estudo do cérebro, como ele funciona e como diferentes atividades afetam o cérebro.
  • Neuroinformática – integra dados em todas as áreas da neurociência, para ajudar a entender o cérebro e tratar doenças. Neuroinformática envolve a aquisição de dados, compartilhamento, publicação e armazenamento de informações, análise, modelagem e simulação.
  • Neurolinguistics – estudando que mecanismos neurais no cérebro controlam a aquisição, compreensão e expressão da linguagem.
  • Neurofisiologia – examina a relação entre o cérebro e suas funções e a soma das partes do corpo e como elas se inter-relacionam. O estudo de como o sistema nervoso funciona, normalmente usando técnicas fisiológicas, como estimulação com eletrodos, canais sensíveis à luz ou corantes sensíveis a íons ou voltagem.
  • Paleoneurologia – o estudo de cérebros antigos usando fósseis.
  • Neurociência social – este é um campo interdisciplinar dedicado a compreender como os sistemas biológicos implementam processos e comportamentos sociais. A neurociência social reúne conceitos e métodos biológicos para informar e refinar as teorias do comportamento social. Utiliza conceitos e dados sociais e comportamentais para refinar as teorias de organização e funcionamento neural.
  • Sistemas de neurociência – segue os caminhos do fluxo de dados dentro do SNC (Sistema Nervoso Central) e tenta definir os tipos de processamento que estão ocorrendo. Usa essa informação para explicar funções comportamentais.

Para investigar desenvolvimentos recentes nos campos da neurociência, visite a seção de neurociência.

Like this post? Please share to your friends: