Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que é cardiomiopatia hipertrófica?

A cardiomiopatia hipertrófica é um tipo de doença cardíaca na qual o músculo cardíaco nos ventrículos se torna espesso sem causa óbvia.

Isso evita que o coração bombeie com eficácia e pode causar morte súbita cardíaca se não for tratado.

À medida que o músculo cardíaco, ou miocárdio, se espessa, as células musculares também podem se desorganizar. Isso pode complicar a entrega de sinais elétricos através do músculo.

O músculo cardíaco também se torna rígido e isso impede que o músculo relaxe completamente.

Segundo a American Heart Association (AHA), a doença ocorre igualmente em homens e mulheres, e pode afetar pessoas de várias idades, incluindo bebês. Geralmente é herdada, mas pode se desenvolver com o tempo devido à pressão alta ou ao envelhecimento.

A AHA observa que a condição afeta até 500.000 pessoas nos Estados Unidos. Menos de 10% desses casos ocorrem entre crianças menores de 12 anos.

Normalmente desenvolve-se durante a infância ou a idade adulta jovem. Pessoas mais jovens com cardiomiopatia hipertrófica tendem a ter uma forma mais grave da doença. É também o motivo mais comum para parada cardíaca súbita em jovens, incluindo atletas.

Sintomas e causas da cardiomiopatia hipertrófica

[coração]

Uma pessoa pode sofrer de cardiomiopatia hipertrófica e nunca sentir nenhum sintoma, mas os possíveis sintomas são:

  • Dor no peito quando sob estresse, conhecida como angina
  • Palpitações ou batimento cardíaco irregular
  • Falta de ar
  • Sentindo-se fraco ou tonto.

Os sintomas podem aparecer em qualquer fase da vida de uma pessoa, desde a adolescência até a meia-idade ou mais.

A causa exata da cardiomiopatia hipertrófica não é conhecida, mas parece resultar de uma mutação genética.

Estudos sugerem que 50 a 60 por cento das pessoas com cardiomiopatia hipertrófica têm um parente próximo com a doença.

A causa genética da cardiomiopatia hipertrófica para pessoas sem história familiar da doença é conhecida como mutação de novo.

Também pode haver fatores não genéticos, mas isso ainda precisa ser confirmado pela pesquisa.

Como é diagnosticada a cardiomiopatia hipertrófica?

Para diagnosticar cardiomiopatia hipertrófica, o médico perguntará ao paciente sobre seu histórico médico e seus sintomas, e também haverá um exame físico.

[Monitor cardíaco]

Diversos testes podem ajudar a diagnosticar cardiomiopatia hipertrófica.

Um eletrocardiograma (ECG) será realizado. Testes de imagem que podem ajudar o médico a identificar a condição incluem uma ressonância magnética, uma radiografia de tórax e um ecocardiograma, que usa ondas sonoras.

O coração será avaliado quanto a sinais de vazamento ou obstrução da válvula, espessura do músculo cardíaco, tamanho da câmara, amplitude de movimento da válvula, fluxo de sangue e extensão de qualquer obstrução.

Amostras de sangue podem ajudar a identificar mutações genéticas específicas.

Monitorar como o corpo responde ao exercício é uma maneira de verificar a condição do coração. A observação é realizada durante ou logo após o exercício ou ambos.

Um teste de estresse em esteira monitora o ritmo cardíaco, a pressão sanguínea e a respiração enquanto a pessoa está andando ou correndo.

Um teste de consumo de oxigênio mede o uso de oxigênio pelo paciente, enquanto inspiram uma máscara durante o exercício. Um exame de tálio monitora a alteração da pressão arterial, e um ecocardiograma pode ser realizado após o exercício.

O cateterismo cardíaco envolve a inserção de um tubo macio e fino, chamado cateter, na virilha ou braço através de um vaso sanguíneo.

O cateter será guiado para o ventrículo esquerdo do coração e a aorta ascendente, para medir a diferença de pressão entre eles. Em uma pessoa com cardiomiopatia hipertrófica, as pressões serão diferentes.

Opções de tratamento para cardiomiopatia hipertrófica

Existe uma gama de tratamentos para cardiomiopatia hipertrófica. A escolha dependerá do risco para o paciente e da gravidade da condição.

Medicamentos podem remover parcialmente a obstrução e relaxar os músculos do coração. Estes incluem drogas anti-arritmia e beta-bloqueadores. O paciente também pode receber diluentes do sangue, como a varfarina, para reduzir o risco de coágulos sanguíneos.

Um procedimento conhecido como ablação de álcool septal envolve a injeção de álcool na artéria que leva à seção afetada do coração. Isso causa um pequeno ataque cardíaco controlado, conhecido como infarto do miocárdio localizado. O procedimento pode ajudar a aliviar os sintomas e reduzir a obstrução.

Terapia desfibrilador pode prevenir a morte cardíaca em pacientes de alto risco. Ele monitora os ritmos cardíacos e corrige quaisquer irregularidades usando pequenos choques elétricos.

A estimulação ventricular, utilizando um pacemaker, pode ajudar o ventrículo esquerdo a contrair. Não é consistentemente bem sucedido em todos os casos de cardiomiopatia hipertrófica.

Cirurgia cardíaca

A miectomia cirúrgica é uma operação complexa, de coração aberto, na qual uma seção do músculo crescido é removida e qualquer obstrução é eliminada. A miectomia cirúrgica provou ser bem sucedida no tratamento da cardiomiopatia hipertrófica, com uma baixa taxa de mortalidade de menos de 1%.

Em alguns lugares, a ablação de álcool septal tornou-se o tratamento de escolha para cardiomiopatia hipertrófica, houve alguma controvérsia sobre se deve substituir a cirurgia para todos os pacientes.

O transplante cardíaco também é conhecido como transplante de coração. Isso envolve a substituição do coração doente por um coração saudável de um doador falecido recentemente. É o último recurso usado quando todos os outros métodos de tratamento não tiveram sucesso.

Like this post? Please share to your friends: