Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que é bilharziose, febre do caracol ou esquistossomose?

A bilharzia, também conhecida como “febre do caracol”, é uma doença causada por um parasita. O parasita é um verme ou vermes e existem espécies diferentes. Afeta os intestinos e o sistema urinário em primeiro lugar, mas, como vive no sangue, pode afetar outros sistemas.

A parte do corpo que é afetada depende da espécie do parasita. Algumas espécies podem afetar os pulmões e a medula espinhal, ou o cérebro e o sistema nervoso central (SNC).

A bilharziose não costuma ser fatal de imediato, mas é uma doença crônica que pode danificar seriamente os órgãos internos. Pode até levar a um crescimento reduzido e desenvolvimento cognitivo em crianças.

Também é conhecida como esquistossomose ou bilharziose.

Transmissão: como você consegue?

As pessoas podem ser infectadas através do contato direto com água doce contaminada, onde vivem certos tipos de caramujos, porque os caramujos carregam o verme.

[parasita]

Isso pode ser através de natação, lavagem ou remo na água, de beber ou comer alimentos que tenham sido lavados em água não tratada.

A bilharziosca entra no corpo quando as larvas do parasita, ou parasita, passam através da pele. As larvas emergem de lesmas, entram na pele quando as pessoas estão na água e se desenvolvem em vermes adultos que vivem no sangue.

Se o sistema urinário estiver infectado, pode aumentar o risco de desenvolver câncer de bexiga entre adultos. Pode infectar o trato gastrointestinal e o fígado.

Existem vários tipos de esquistossomose que podem infectar humanos:

  • Schistosoma mansoni e Schistosoma intercalatum causam esquistossomose intestinal
  • Schistosoma haematobium causa esquistossomose urinária
  • Schistosoma japonicum e Schistosoma mekongi causam esquistossomose intestinal asiática.

Se uma pessoa desenvolve uma infecção crônica dessas espécies, ela pode afetar o fígado, o baço, os pulmões, a medula espinhal ou o cérebro.

O ciclo de infecção começa quando a água doce é infectada com os ovos do parasita através das fezes e da urina de humanos infectados.

Os ovos eclodem na água e os vermes se reproduzem dentro dos caracóis aquáticos. Larvas minúsculas são liberadas na água. As larvas podem sobreviver por até 48 horas na água.

As larvas podem penetrar na pele humana e entrar na corrente sanguínea. Lá, eles viajam através dos vasos sangüíneos dos pulmões e fígado, e depois para as veias ao redor do intestino e da bexiga.

Algumas semanas depois, os vermes estão maduros. Eles acasalam e começam a produzir ovos. Esses ovos passam pelas paredes da bexiga, intestino ou ambos. Eventualmente, eles deixam o corpo através de urina ou fezes. O ciclo começa novamente.

Não é possível pegar a esquistossomose de uma pessoa infectada. Os humanos só podem ser infectados pela água contaminada que tem os caracóis que vivem nela.

Onde ocorre

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), mais de 200 milhões de pessoas estão infectadas com esquistossomose, globalmente. Depois da malária, é vista como a segunda doença parasitária mais devastadora do mundo. É categorizado como Doença Tropical Negligenciada (DTN).

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que pelo menos 258 milhões de pessoas precisaram de tratamento preventivo para a esquistossomose em 2014, e mais de 61,6 milhões de pessoas foram tratadas para a esquistossomose em 2014.

Diferentes espécies de bilharziose, ou esquistossomose, são encontradas em todo o mundo. As principais áreas, de acordo com o CDC, são:

  • África: sul, centro, oeste e África subsaariana, nos grandes lagos e rios, e em corpos menores de água; o vale do rio Nilo no Sudão e Egito e a região do Magreb no norte da África
  • América do Sul: incluindo Brasil, Suriname e Venezuela
  • Ásia: Indonésia, partes da China e sudeste da Ásia, incluindo o Camboja e o Laos
  • Oriente Médio: Iêmen.

Há um risco baixo em partes do Caribe, na República Dominicana, Guadalupe, Martinica e Santa Lúcia.

A esquistossomose pode afetar pessoas de qualquer idade, mas especialmente crianças que vivem em países em desenvolvimento.

Pessoas que nadam em rios, canais, lagos e córregos de água doce contaminados em áreas onde a doença é encontrada têm uma chance maior de se infectarem.

A bilharziose geralmente não ocorre nos Estados Unidos, mas em alguns lugares as pessoas desenvolveram coceira, ou dermatite cercariana, e surtos foram investigados em Stubblefield Lake, no norte do Novo México, e um em Prospect Lake, no coração de Colorado Springs, Colorado. .

Além disso, os americanos podem ser infectados se viajarem para áreas onde a doença existe.

Sintomas

Os sintomas da esquistossomose dependem do tipo de verme e do estágio da infecção, mas são principalmente o resultado da reação do corpo aos ovos dos vermes, e não causados ​​pelos próprios vermes.

Os sintomas iniciais são a coceira do nadador, que inclui pele com comichão e erupção cutânea. Eles podem aparecer horas depois de serem infectados e podem durar até cerca de 7 dias.

Aproximadamente 3 a 8 semanas após a infecção, a pessoa pode sentir:

  • Fadiga
  • Febre e calafrios
  • Tosse
  • Dores musculares
  • Perda de peso
  • Alargamento do fígado e baço
  • Diarréia
  • Dor abdominal.

Mais tarde, quando os ovos passam para o sistema urinário, pode haver sangue na urina.

Diagnóstico

Se uma pessoa voltar para casa depois de viajar em áreas onde a bilharziose é prevalente e apresentar sintomas, ela deverá consultar o médico.

[malawi do lago]

Eles podem então precisar de uma doença infecciosa ou especialista em medicina tropical.

Pode ser uma boa ideia fazer um check-up 3 meses depois de voltar para casa, mesmo que não haja sintomas, porque os sintomas podem não aparecer até mais tarde.

O médico perguntará ao paciente onde ele viajou, quanto tempo estiveram lá e se houve contato com água contaminada.

O paciente deve informar o médico sobre quaisquer sintomas, quando estes apareceram pela primeira vez, e se eles tiveram uma erupção cutânea com comichão ou sangue na urina.

Uma amostra de fezes ou urina indicará se há algum ovo presente e um exame de sangue pode ser feito.

O verme leva cerca de 40 dias para amadurecer; por isso, pode levar 3 meses após a exposição à água contaminada antes que a amostra de sangue possa fornecer resultados confiáveis.

Se o paciente tiver sintomas intestinais, eles podem precisar de uma biópsia do reto, mesmo se a urina e os exames de sangue forem negativos. O paciente também pode ter uma biópsia da bexiga.

Tratamento

O praziquantel é um medicamento que pode ser administrado como um tratamento de curta duração para limpar a infecção. Pode ajudar, mesmo que a doença de um paciente tenha atingido um estágio avançado.

Geralmente é eficaz, desde que danos significativos ou complicações ainda não tenham ocorrido. No entanto, isso não impede a reinfecção.

As pessoas que vivem em áreas onde a esquistossomose é endêmica podem tomar uma dose oral única de Praziquantel a cada ano, para reduzir a chance de infecção e complicações.

Pesquisadores estão trabalhando para desenvolver uma vacina contra esquistossomose que impedirá que o ciclo de vida do parasita continue em humanos.

Complicações

Se o paciente não receber tratamento e os óvulos permanecerem no corpo, pode haver efeitos a longo prazo. Esses incluem:

  • Sangramento da bexiga
  • Ulceração da bexiga
  • Dano hepático
  • Insuficiência renal eventual
  • Câncer de bexiga.

Se os ovos entrarem na corrente sanguínea, eles podem entrar em vários órgãos vitais, resultando em danos ao pulmão, coração, intestino e sistema nervoso central (SNC).

Infecções recorrentes, especialmente durante um período de anos, podem resultar em sérios danos aos órgãos vitais.

Prevenção

Se possível, é melhor não nadar ou entrar em contato com água doce potencialmente contaminada em áreas onde ocorre a esquistossomose.

Em alguns lugares, há projetos para eliminar os caramujos que carregam a doença. Isso pode ser feito com acroleína, sulfato de cobre e niclosamida.

Em outros lugares, a introdução de lagostins em áreas onde os caracóis existem pode ajudar a controlar a população de caracóis. Como acontece com qualquer intervenção ecológica, isso deve ser feito com cautela.

É possível projetar esquemas de irrigação que dificultam a colonização da água pelos caracóis. Isso pode reduzir a possibilidade de os seres humanos serem expostos à doença.

Like this post? Please share to your friends: