Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que é ablutofobia?

Ablutofobia é uma fobia específica em que os indivíduos têm um medo irracional de tomar banho ou lavar-se. Pode afetar crianças e adultos e é mais comum em mulheres que em homens.

Pessoas com fobias específicas sabem que seus medos não são realistas, mas são incapazes de lidar com eles. Em vez disso, eles se esforçam muito para evitar o que os deixa com medo.

Neste artigo, analisamos a definição de ablutofobia e os sintomas que ela causa. Também examinamos os diferentes tratamentos que podem ajudar as pessoas com a condição a viver vidas mais convencionais.

Definição

Mulher coleta de água nas mãos da torneira na pia, para lavar o rosto.

As pessoas com ablutofobia têm medo de tomar banho, tomar banho ou tomar banho.

O banho é uma parte vital da vida, tanto por razões médicas como sociais. Para a maioria das pessoas, o banho é uma rotina diária agradável. Para pessoas com ablutofobia, no entanto, pode ser assustador.

Com o tratamento, muitas pessoas com ablutofobia podem viver vidas produtivas com sua fobia sob controle.

A American Psychiatric Association estima que 7-9 por cento dos adultos nos Estados Unidos têm uma fobia específica, como medo de aranhas ou aracnofobia. É possível desenvolver uma fobia específica sobre quase tudo.

De acordo com a Anxiety Disorders Association da British Columbia, as crianças tendem a desenvolver fobias específicas, como a ablutofobia, entre 7 e 11 anos de idade.

Fobias específicas são duas vezes mais comuns em meninas do que em meninos e afetam cerca de 16% dos adolescentes e 5% das crianças menores.

Sintomas e possíveis complicações

A falta de lavagem pode ter algumas conseqüências importantes. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) afirmam que lavar o corpo, cabelo e rosto regularmente, juntamente com lavagens frequentes das mãos, é uma excelente maneira de evitar a disseminação de doenças e condições, incluindo diarréia crônica e piolhos.

Os americanos tendem a ser banhistas freqüentes, com 66% tomando banho pelo menos uma vez por dia e apenas 7% tomando banho uma vez por semana ou menos.

Os sintomas da ablutofobia são bem diferentes do comportamento difícil de uma criança mal-humorada que não quer tomar banho ou de adultos que não são muito exigentes com seus hábitos de higiene.

O sintoma mais prevalente da ablutofobia é o medo. Esse medo não se baseia em nenhum perigo real associado ao banho. O medo também é persistente, o que significa que dura por muito tempo, geralmente mais de 6 meses.

Os sintomas físicos associados à ablutofobia incluem:

  • pulso de corrida
  • dificuldade ao respirar
  • sentindo-se fraco ou tonto
  • palpitações cardíacas
  • sentindo de repente quente ou frio
  • falta de ar
  • tremendo ou tremendo
  • tontura
  • suores repentinos
  • boca seca
  • náusea

Assim como o medo que as pessoas com a ablutofobia experimentam, elas também podem se sentir desconectadas da realidade e desligadas de seus corpos. Eles podem ter medo de que eles:

  • tem um colapso nervoso
  • desmaiar ou desmaiar
  • perder o controle
  • morrer

Muitas vezes, uma das maneiras pelas quais as pessoas tentam lidar com a angústia é evitar a situação que a desencadeia. Para as pessoas com ablutofobia, isso significa tentar evitar o banho e a lavagem, o que pode levar a diferentes problemas de saúde, bem-estar e aceitação social.

Consequências

Homem que senta-se na frente do vidro do álcool, olhando forçado e deprimido.

As pessoas que evitam o banho devido à ablutofobia podem ter problemas no trabalho ou na escola e podem tornar-se socialmente isoladas e deprimidas.

Sua auto-imagem e auto-estima podem sofrer. As crianças com ablutofobia podem enfrentar um risco maior de intimidação, particularmente quando se aproximam da adolescência.

Existe o risco de alguns indivíduos tentarem lidar com o medo com drogas ou álcool, o que pode levar a problemas de dependência química.

Causas possíveis

Os especialistas ainda precisam determinar a causa de fobias específicas e, em particular, da ablutofobia.

Fatores ambientais

Muitos pensam que um fator genético pode contribuir para o desenvolvimento da doença, juntamente com fatores ambientais e experiências individuais de desenvolvimento. Às vezes, pode ser difícil dizer onde o impacto da genética termina e a criação assume o controle.

Por exemplo, se alguém da família tiver uma fobia de banho e uma criança desenvolver o mesmo padrão de comportamento, pode ser porque existe um elo genético. Ou, pode ser porque a criança viu o comportamento modelado por uma figura-chave da família.

Trauma

Algumas pessoas podem desenvolver ablutofobia após uma experiência assustadora ou traumática com banho ou água, como uma escova com afogamento ou uma situação familiar abusiva.

Também é possível que as pessoas desenvolvam uma fobia específica, como a ablutofobia, depois de aprender sobre algum evento trágico ou perigoso associado ao gatilho. Um exemplo seria uma notícia sobre alguém se machucando em um acidente na banheira.

Tratamento

Terapia e medicação foram encontrados para ser eficaz no tratamento de pessoas com esta condição.

O primeiro passo geralmente é consultar um médico para verificar se nenhum problema médico está causando o problema.

Terapia cognitiva comportamental

Conselheiro, falando com o paciente na sessão de terapia.

As abordagens terapêuticas, como a terapia cognitivo-comportamental, podem ajudar as pessoas a mudar a maneira de monitorar, pensar e responder aos sentimentos e ao mundo ao seu redor.

Os indivíduos podem aprender a administrar suas reações emocionais, o que os ajudará a viver com a ablutofobia e a controlar.

Em geral, a terapia cognitivo-comportamental ajuda cerca de 75% das pessoas com fobias específicas a encontrar alívio.

Medicamentos

Medicamentos às vezes podem ser usados ​​para tratar fobia específica. Este é especialmente o caso quando outras formas de terapia foram ineficazes, ou alguém tem outros problemas psiquiátricos que requerem tratamento separado.

Medicamentos ansiolíticos, como os benzodiazepínicos, e antidepressivos, incluindo os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs), podem ser prescritos para aliviar os sintomas.

Terapia exposta

Enfrentar os medos pela exposição ao que está causando a fobia é feito de maneira planejada e gradual. Ao fazer isso, os indivíduos seguem pacientemente uma série de passos que os aproximam do que os assusta.

Uma pessoa com ablutofobia pode primeiro simplesmente ligar o chuveiro, ou entrar em um banho completamente vestido, e gradualmente trabalhar para experiências de banho mais completas e mais longas.

Gestão

Práticas de autocuidado, como meditação, exercícios e evitar a cafeína, podem ajudar as pessoas a controlar os sintomas da ablutofobia.

Eles também podem praticar outras técnicas de auto-ajuda para controlar seus medos e prevenir recaídas, mas o tratamento é geralmente um primeiro passo essencial.

Leve embora

É vital que as crianças com ablutofobia recebam tratamento. Sem tratamento, existe a possibilidade de que sua fobia possa persistir e, talvez, piorar.

Explicações baseadas em fatos e apoio amoroso dos pais não são, por si só, suficientes para fazer com que o problema desapareça. No entanto, com ajuda profissional, as crianças com fobias podem aprender maneiras saudáveis ​​de lidar com seus medos.

Like this post? Please share to your friends: