Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que causa dispareunia ou relação sexual dolorosa?

A dispareunia é uma dor persistente ou recorrente que pode acontecer durante a relação sexual. As causas variam muito. Pode levar a problemas de aflição e relacionamento.

O intercurso doloroso pode afetar homens e mulheres, mas é mais comum em mulheres. Segundo a Academia Americana de Médicos de Família (AAFP), até 20% das mulheres americanas a experimentam.

Uma variedade de fatores – físicos a psicológicos – pode contribuir. O tratamento normalmente se concentra na causa subjacente.

Fatos rápidos sobre dispareunia do exercício

Aqui estão alguns fatos sobre a dispareunia. Mais detalhes estão no artigo principal.

  • A dispareunia refere-se à dor durante a relação sexual. Isso afeta principalmente as mulheres.
  • A dor pode variar de moderada a grave.
  • As razões podem ser físicas ou psicológicas e podem estar relacionadas à menopausa.
  • As soluções incluem terapia com estrogênio, mudança de medicamentos existentes e aconselhamento.

Sintomas

[Dispareunia]

O sintoma definidor da dispareunia é a dor com relação sexual que pode ocorrer na abertura vaginal ou profunda na pelve.

A dor pode ser distinta e localizada, ou pode haver uma sensação mais ampla de desconforto.

Há uma sensação dolorida, ardente, latejante ou dolorosa.

Insatisfação ou desinteresse na relação sexual pode resultar.

Causas

As causas da dispareunia são variadas e incluem fatores físicos, fatores psicológicos ou ambos.

A localização da dor pode ajudar a identificar uma causa física específica.

Causas Físicas: Dor na Entrada

A dor inicial pode estar associada à secura vaginal, vaginismo, lesão genital e outros.

Secura vaginal: Durante a excitação sexual, as glândulas na entrada da vagina secretam fluidos para ajudar na relação sexual. Muito pouco líquido pode levar a relações sexuais dolorosas.

Lubrificação inadequada pode surgir de:

  • falta de preliminares
  • uma redução no estrogênio, particularmente após a menopausa ou parto
  • medicamentos, incluindo alguns antidepressivos, anti-histamínicos e pílulas anticoncepcionais

Vaginismo: A contração involuntária dos músculos do assoalho pélvico causa o vaginismo, levando a relações sexuais dolorosas.

[Sistema reprodutivo dispareunia]

Mulheres com vaginismo também podem ter dificuldades com exames ginecológicos e inserção de tampões.

Existem várias formas de vaginismo. Os sintomas variam entre os indivíduos e variam de leves a graves. Pode ser causado por fatores médicos, fatores emocionais ou ambos.

Lesão genital: qualquer trauma na região genital pode causar dispareunia. Exemplos incluem mutilação genital feminina (FGM), cirurgia pélvica ou lesão decorrente de um acidente.

O intercurso doloroso também é comum após o parto. Algumas pesquisas sugerem que 45% dos participantes experimentaram dispareunia no pós-parto.

Inflamação ou infecção: A inflamação ao redor da abertura vaginal é chamada de vestibulite vulvar. Isso pode causar dispareunia. Infecções fúngicas vaginais, infecções do trato urinário ou infecções sexualmente transmissíveis (DSTs) também podem levar a relações sexuais dolorosas.

Distúrbios da pele ou irritação: A dispareunia pode surgir de eczema, líquen plano, líquen escleroso ou outros problemas de pele na área genital.

Irritação ou reações alérgicas a roupas, detergentes para a roupa ou produtos de higiene pessoal também podem causar dor.

Anormalidades ao nascimento: As causas subjacentes menos comuns da dispareunia incluem agenesia vaginal, quando a vagina não se desenvolve totalmente, ou híper imperfurado, em que o hímen bloqueia a abertura vaginal.

Causas físicas: dor profunda

Se a dor ocorre durante a penetração profunda ou é mais aguda em posições particulares, pode ser o resultado de um tratamento médico ou de uma condição médica.

Tratamentos médicos que podem levar à dor incluem cirurgia pélvica, histerectomia e alguns tratamentos de câncer.

Condições médicas incluem:

  • cistite: inflamação da parede da bexiga, geralmente causada por infecção bacteriana
  • endometriose: uma condição decorrente da presença de tecido do útero em outras áreas do corpo
  • miomas: tumores não cancerígenos que crescem na parede do útero
  • cistite intersticial: uma condição de bexiga dolorosa crônica
  • síndrome do intestino irritável (SII): um distúrbio funcional do trato digestivo
  • cistos ovarianos: Um acúmulo de líquido dentro de um ovário
  • doença inflamatória pélvica (PID): Inflamação dos órgãos reprodutivos femininos, geralmente causada por infecção
  • prolapso uterino: Um ou mais órgãos pélvicos se estendem para dentro da vagina

Causas psicológicas

Alguns fatores emocionais e psicológicos comuns podem desempenhar um papel no intercurso doloroso.

  • Ansiedade, medo e depressão podem inibir a excitação sexual e contribuir para a secura vaginal ou vaginismo
  • O estresse pode desencadear um aperto dos músculos do assoalho pélvico, resultando em dor

Uma história de abuso sexual ou violência sexual pode contribuir para a dispareunia.

Diagnóstico

Um médico também perguntará sobre o histórico médico do paciente e realizará um exame pélvico, para tentar identificar a causa da dor.

O paciente deve estar pronto para explicar a localização exata, duração e tempo da dor. Eles podem precisar falar sobre experiências sexuais anteriores e história reprodutiva.

Exame pélvico

Durante um exame pélvico, o médico verifica sinais de infecção ou anormalidades estruturais.

Eles podem usar um dispositivo chamado espéculo, que é inserido na vagina para permitir um exame visual. Isso pode causar algum desconforto ou dor às mulheres com dispareunia.

Dizer ao médico quando e onde a dor ocorre durante o exame pode ajudar a identificar a causa.

O médico também pode pressionar suavemente os genitais e os músculos pélvicos para determinar a localização da dor.

Uma ultrassonografia pélvica pode ajudar a detectar anormalidades estruturais, endometriose, miomas ou cistos.

Opções de tratamento

[Relação de dispareunia]

O tratamento visa aliviar a causa subjacente da condição. As opções incluem medicação e aconselhamento.

Medicação

A medicação pode tratar a dor devido a uma infecção ou condição médica.

Se os medicamentos existentes estão causando ressecamento vaginal, o médico pode recomendar alternativas.

O estrogênio tópico pode ajudar as mulheres que apresentam secura vaginal devido aos baixos níveis de estrogênio.

Em 2013, a Food and Drug Administration dos Estados Unidos (FDA) aprovou uma droga chamada ospemifene para mulheres com dispareunia moderada a grave devido à menopausa, na dose de 60 mg uma vez ao dia.

Os efeitos adversos incluem que os afrontamentos leves a moderados.

Terapia de dessensibilização

Aprender algumas técnicas pode ajudar a relaxar os músculos vaginais e diminuir os níveis de dor.

Aconselhamento

Se o abuso sexual, trauma ou outros problemas emocionais são a causa da dispareunia, o aconselhamento pode ajudar.

As mulheres cuja dispareunia não tem uma causa psicológica também podem desejar participar de um aconselhamento para lidar com as consequências emocionais do intercurso doloroso ou difícil.

Casais podem participar de aconselhamento juntos se a relação sexual dolorosa estiver levando a problemas de comunicação ou intimidade.

Estilo de vida e remédios caseiros

Algumas mudanças no estilo de vida podem abordar o intercurso doloroso.

Mudanças no comportamento sexual

A dor sentida durante a relação sexual pode ser reduzida por:

  • usando lubrificantes pessoais à base de água
  • envolver-se em preliminares mais longas para estimular a secreção dos lubrificantes naturais do corpo
  • melhor comunicação entre parceiros sexuais
  • escolhendo posições sexuais confortáveis ​​para minimizar a dor profunda

Manter a saúde sexual e reprodutiva

Praticar boa higiene genital e sexo seguro, e participar de exames médicos regulares, ajudará a prevenir infecções genitais e urinárias que podem contribuir para a relação sexual dolorosa.

Contrações de Kegel

Algumas mulheres com vaginismo podem achar os exercícios de Kegel úteis para fortalecer os músculos do assoalho pélvico.

Para localizar esses músculos, tente parar a micção no meio do caminho. Se bem sucedido, a pessoa que urina encontrou os músculos corretos.

Esprema e segure esses músculos por 10 segundos, depois relaxe-os por 10 segundos. Repita 10 vezes, três vezes por dia. Pode ser útil praticar técnicas de respiração profunda ao executar o Kegel.

Like this post? Please share to your friends: