Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

O que aumenta a chance de contrair o HIV?

Algumas décadas atrás, o HIV era um mistério e uma sentença de morte inevitável. Nós agora temos um profundo conhecimento do HIV, o vírus que causa a AIDS.

Desde o início da epidemia em 1981, 35 milhões de pessoas em todo o mundo morreram de HIV e AIDS. As pessoas agora vivem uma vida longa e razoavelmente saudável com o HIV, graças em grande parte aos medicamentos anti-retrovirais que retardam o crescimento do vírus.

O tratamento é caro e está frequentemente associado a uma ampla gama de efeitos colaterais. Permanecer livre do HIV ainda é a melhor opção. Várias escolhas de estilo de vida aumentam muito o risco de contrair o HIV. Algumas estratégias simples de prevenção podem eliminar quase completamente o risco de infecção pelo HIV.

Transmissão

sangue em um dedo

O HIV não pode se espalhar pelo ar ou pelo contato físico com uma pessoa infectada. Só pode ser espalhado através de alguns fluidos corporais. Aqueles incluem:

  • sangue
  • sêmen
  • fluido pré-seminal
  • fluidos retais
  • fluidos vaginais
  • leite materno

O HIV é considerado uma doença transmitida pelo sangue, o que significa que o vírus deve entrar em contato com o sangue para espalhar uma infecção. No entanto, também é espalhado através de outros fluidos corporais, conforme listado acima. A exposição a fluidos infectados por si só não causará infecção. Por exemplo, uma pessoa que toca em sangue infectado não será infectada a menos que tenha uma ferida aberta.

Fluido de uma pequena ferida aberta na pessoa com HIV pode infectar outras pessoas. Uma pessoa mordida por alguém com HIV tem uma chance muito pequena de contrair o vírus se o mordedor tiver uma ferida aberta na boca.

O sangue geralmente contém mais vírus do que outros fluidos corporais, então a exposição ao sangue infectado é a mais arriscada de todas as exposições ao HIV. O sangue injetado diretamente na corrente sanguínea tem maior probabilidade de causar uma infecção do que o sangue que entra em contato com uma pequena ferida. Isso pode acontecer na forma de ferimentos causados ​​por agulhas, uso de drogas intravenosas ou transfusões de sangue.

Relações sexuais vaginais e anais desprotegidas são as fontes mais comuns de infecções por HIV.

É um mito que o HIV pode ser transmitido através de:

  • assentos sanitários
  • piscinas
  • se beijando
  • fontes de água
  • lágrimas
  • contato físico com uma pessoa que tem HIV
  • pets

Fatores de risco

agulha e drogas

Qualquer pessoa pode desenvolver o HIV, mas vários fatores de risco aumentam o risco. Esses incluem:

  • Injetando drogas intravenosas, especialmente quando as agulhas são compartilhadas.
  • Submetido a uma transfusão de sangue.
  • Fazendo uma tatuagem com uma agulha usada.
  • Engajar-se em relações sexuais desprotegidas; O sexo anal desprotegido torna as pessoas particularmente vulneráveis ​​à infecção.
  • Ter uma infecção sexualmente transmissível (DST).
  • Exposição frequente a fluidos infectados, como em situações médicas ou de emergência.
  • Uso de drogas e álcool, o que pode minar o julgamento. Entre 2005-2009, 1 em cada 3 pessoas infectadas com o HIV nos Estados Unidos usavam drogas ou bebiam álcool.
  • Exposição ao vírus durante o parto, gravidez ou amamentação. Mães e seus bebês podem transmitir a infecção para o outro.

Sem qualquer forma de tratamento, as taxas de transmissão do HIV de mãe para filho variam de 15 a 45%. Intervenções como o tratamento anti-retroviral podem reduzir essa taxa para 5%.

Um estudo de 2014 analisou dados sobre a transmissão do HIV por 10.000 exposições a fluidos infectados. O número de infecções para cada 10.000 exposições foi o seguinte:

  • transfusão de sangue: 9,250
  • compartilhamento de agulhas entre usuários de drogas injetáveis: 63
  • Needlesticks (como exames de sangue ou vacinas): 23
  • sendo o parceiro receptivo durante a relação anal: 138
  • sendo o parceiro penetrante durante o intercurso anal: 11
  • sendo o parceiro receptivo durante o coito vaginal: 8
  • sendo o parceiro penetrante durante o coito vaginal: 4

Hoje, o suprimento de sangue é seguro. No entanto, o compartilhamento de agulhas entre usuários de drogas continua sendo uma fonte significativa de transmissão do HIV.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) têm uma ferramenta de estimativa de risco em seu site. Funciona o risco de transmissão do HIV para diferentes atividades sexuais, onde uma pessoa é HIV positiva e a outra é HIV negativo. A ferramenta é baseada nas evidências mais recentes.

Outros métodos de exposição, como sexo oral, mordidas e fluidos corporais produzidos, geraram um risco estatisticamente inexistente de contrair o vírus. É possível contrair o HIV destas formas, mas o risco é extremamente pequeno.

Como o leite materno é tão benéfico para os bebês, os médicos continuam a ponderar os riscos da transmissão do HIV relacionada à amamentação.

Um estudo recente que revisou cinco estudos anteriores sobre crianças infectadas que deram à mãe o HIV através da amamentação descobriu que o risco variava entre 40 e 60 por cento. Feridas abertas na boca podem espalhar o vírus em pequenas feridas no seio de uma mãe. Mães com HIV também podem transmitir o vírus através da amamentação.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que as mulheres evitem o aleitamento materno quando apenas um membro do casal mãe-filho tem HIV e a mãe não está tomando medicamentos anti-retrovirais. No entanto, existem recomendações diferentes. Qualquer decisão de amamentar deve ser uma informação que é feita depois de falar com um médico.

Grupos com maior risco de HIV

Alguns grupos de pessoas são mais propensos a desenvolver o HIV do que outros. Isso se deve a uma combinação de fatores de estilo de vida, econômicos e de saúde. Isto não é porque o HIV atinge alguns grupos de forma mais agressiva do que outros.

Grupos em risco incluem:

  • Homens que fazem sexo com homens: A relação anal é mais arriscada do que a relação vaginal. O estigma anti-homossexual também pode enfraquecer a capacidade dos homens para acessar os serviços de HIV, ou discutir com confiança o sexo seguro.
  • Usuários de drogas injetáveis: O compartilhamento de agulhas aumenta ainda mais o risco nesse grupo.Cerca de 13 por cento dos usuários de drogas injetáveis ​​têm HIV.
  • Profissionais do sexo: estigma, desequilíbrios de poder e práticas sexuais inseguras tornam os profissionais do sexo vulneráveis. O risco de contrair o HIV é 12 vezes maior que o da população em geral.
  • Prisioneiros: Os presos podem se envolver em comportamentos de alto risco, como sexo com inseticida e compartilhamento de seringas, o que aumenta sua exposição ao HIV.
  • Crianças: O parto e a amamentação são os meios mais comuns pelos quais as crianças contraem o HIV.
  • Adolescentes e jovens adultos: Os jovens são mais propensos do que os adultos mais velhos a se engajar em comportamentos de alto risco, como o compartilhamento de seringas e sexo inseguro.
  • Mulheres: O coito vaginal receptivo é mais provável do que a penetração vaginal por penetração para propagar o HIV. A desigualdade de gênero, incluindo a ameaça de violência, também pode reduzir a capacidade das mulheres de discutir sexo seguro.
  • Transgêneros: pessoas transgêneras enfrentam discriminação e estigma, além de violência. Isso pode aumentar a exposição ao HIV e reduzir o poder de negociação nos relacionamentos.

Reduzindo o risco

preservativos

Uma série de estratégias pode reduzir o risco de desenvolver o HIV. Etapas que as pessoas podem tomar incluem:

  • nunca compartilhando agulhas com outra pessoa
  • teste frequente de HIV para quem tem múltiplos parceiros sexuais
  • evitar a amamentação quando uma mulher ou seu filho tem HIV
  • usando luvas e outros equipamentos estéreis em ambientes médicos
  • praticando sexo seguro, incluindo o uso de preservativos

Mulheres grávidas com HIV devem discutir estratégias de mitigação de risco com seus médicos.

As pessoas que já são portadoras do HIV podem reduzir o risco de propagação do vírus para outra pessoa tomando medicamentos anti-retrovirais. Essas drogas também retardam a disseminação do vírus, potencialmente prolongando a vida.

Um estudo de 2016 analisou casais em que um dos parceiros era seropositivo. Mesmo quando os casais tiveram relações sexuais sem preservativos, a taxa de transmissão do HIV em 3 anos foi zero quando o parceiro HIV positivo tomou antirretrovirais. Isto não significa que os medicamentos para o HIV eliminem completamente o risco, mas reduzem substancialmente o risco.

Quem deve fazer o teste para o HIV?

Pouco depois de ser infectado pelo HIV, geralmente dentro de um mês, muitas pessoas desenvolvem sintomas intensos semelhantes aos da gripe. As pessoas que experimentam esses sintomas devem consultar seu médico. No entanto, nem todos desenvolvem esses sintomas, por isso, qualquer um que pense que pode ter sido exposto ao HIV deve procurar um médico e fazer o teste.

O teste frequente de HIV é uma maneira barata e eficaz de impedir a disseminação do HIV. O diagnóstico precoce também pode prolongar a vida com acesso imediato aos medicamentos para o HIV.

Testes nas seguintes circunstâncias podem retardar a propagação do HIV:

  • quando planeja engravidar, ou depois de engravidar
  • antes de fazer sexo com um novo parceiro

Pessoas com alto risco de contrair o vírus, incluindo profissionais do sexo, usuários de drogas intravenosas e aqueles que regularmente entram em contato com fluidos corporais, devem fazer o teste a cada 3-6 meses.

Like this post? Please share to your friends: