Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que acontece dentro do cérebro de um psicopata?

É bem sabido que os psicopatas podem cometer atos violentos e muitas vezes criminosos. Mas os mecanismos neurais precisos subjacentes a esse comportamento permaneceram ilusórios. No entanto, novas pesquisas revelam os circuitos neurais que podem direcionar o comportamento psicopático.

neurônios disparando no cérebro

O que se passa na mente de um psicopata? De estudos neurocientíficos especializados a livros de psicologia popular, essa questão preocupante preocupa cientistas, eticistas e jornalistas há anos.

Embora se saiba que os psicopatas às vezes exibem um comportamento violento ou criminoso, os fundamentos neurológicos dessa condição permaneceram um tanto quanto misteriosos.

Mas uma equipe de pesquisadores da Universidade de Harvard, em Cambridge, Massachusetts – liderada por Joshua Buckholtz, professor associado de psicologia – recentemente decidiu desvendar parte desse mistério. Examinando as imagens cerebrais de quase 50 detentos em duas prisões de segurança média em Wisconsin, o Prof. Buckholtz e sua equipe examinaram o que faz os psicopatas agirem da maneira como agem, bem como o que impulsiona suas decisões.

Podemos ainda não saber o que se passa no caso de um psicopata, mas as novas descobertas – publicadas na revista – podem nos ajudar a entender o que acontece com elas.

Estudando psicopatas nas prisões

Como explicam os autores, estudos anteriores apontaram para uma associação entre o fator impulsivo-antissocial e os circuitos de antecipação de recompensa no cérebro, medidos pela sinalização dependente do nível de oxigênio no sangue, que é uma técnica padrão usada na ressonância magnética funcional.

Por exemplo, alguns estudos descobriram um volume maior de massa cinzenta do estriado em adolescentes com sintomas impulsivo-anti-sociais, assim como em agressores psicopatas.

Além disso, o professor Buckholtz e sua equipe demonstraram em um estudo anterior que uma alta pontuação na escala impulsivo-anti-social se correlacionava fortemente com os circuitos liberadores de dopamina e aumentava a atividade cerebral em áreas associadas à antecipação de recompensas – o nucleus accumbens.

Todos esses estudos sugeriram aos pesquisadores que o comportamento psicopático pode estar associado à transmissão excessiva de dopamina e a uma “reatividade funcional mais forte às recompensas” no estriado. Então, eles começaram a investigar se a hipótese deles estava correta ou não.

Como parte do estudo, 49 reclusos foram convidados a completar o chamado teste de gratificação retardada, enquanto seus cérebros foram escaneados usando scanners móveis. No teste, os participantes tiveram que escolher entre receber uma pequena quantia de dinheiro imediatamente e receber uma quantia maior mais tarde.

Os pesquisadores então estimaram o valor subjetivo que cada uma das duas opções apresentou aos participantes. A soma desses valores subjetivos foi alimentada em um modelo baseado parcialmente em estudos realizados em primatas.

O modelo permitiu aos cientistas medir a impulsividade das escolhas dos participantes, bem como detectar as áreas do cérebro que são fundamentais para avaliar o valor dessas escolhas.

Os pesquisadores também examinaram as características psicopáticas dos reclusos usando um teste de psicopatia tradicional chamado Hare Psychopathy Checklist-Revised.

Psicopatia como “disfunção da fiação cerebral”

“Quanto mais psicopata é uma pessoa, maior a magnitude dessa resposta estriatal”, explica o Prof. Buckholtz. “Isso sugere que a forma como eles estão calculando as recompensas de valor está desregulada – elas podem representar em excesso o valor da recompensa imediata”.

O experimento confirmou a hipótese dos cientistas. Buckholtz e equipe descobriram que os detentos com a maior pontuação no teste de psicopatia também mostraram maior atividade em uma área do cérebro chamada estriado ventral, uma região chave para avaliar as recompensas imediatas.

Normalmente, a atividade no estriado ventral do cérebro também é regulada por outra região do cérebro, chamada córtex pré-frontal medial ventral (vmPFC).

Essa área está envolvida na tomada de decisões sociais e morais, no aprendizado do medo e nas respostas empáticas. O vmPFC também é responsável pela capacidade de projetar as conseqüências de nossas ações e decisões no futuro.

Assim, o vmPFC pode controlar como o striatum representa o valor de uma recompensa e, sem este regulamento, o valor dessa recompensa pode ser superestimado.

O Prof. Buckholtz e a equipe mapearam várias áreas do cérebro que estavam conectadas ao estriado ventral para ver como elas influenciam a tomada de decisão, e descobriram que a conectividade entre a vmPFC e o estriado ventral estava enfraquecida.

“Descobrimos que as conexões entre o corpo estriado e o córtex pré-frontal medial ventral eram muito mais fracas em pessoas com psicopatia”, explica Buckholtz. “Se você romper essa conexão com alguém, eles começarão a fazer escolhas erradas porque não terão as informações que, de outra forma, guiariam sua tomada de decisão para fins mais adaptativos.”

É importante ressaltar que o efeito da conectividade corticostriatal fraca foi tão claro que os pesquisadores conseguiram prever o número de condenações criminais que cada detento recebeu.

“O mesmo tipo de tomada de decisão impulsiva e de visão curta que vemos em indivíduos psicopatas também foi observado em comedores compulsivos e usuários abusivos de substâncias”.

“Se pudermos colocar isso de volta no domínio da análise científica rigorosa, poderemos ver que os psicopatas não são desumanos, são exatamente o que você esperaria de humanos que têm esse tipo particular de disfunção na fiação cerebral.”

Joshua Buckholtz

Aprenda como as varreduras do cérebro diferenciam dois tipos de empatia.

Like this post? Please share to your friends: