Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O que a cafeína faz ao seu corpo?

A cafeína é um estimulante e a droga mais comumente usada no mundo. Todos os dias, milhões consomem para aumentar a vigília, aliviar a fadiga e melhorar a concentração e o foco.

Em meio a mitos e controvérsias sobre se a cafeína é boa ou ruim para nós, as evidências sugerem que o consumo moderado de café pode trazer benefícios e riscos.

No entanto, um alto consumo de cafeína pode não ser saudável. Além disso, a recente tendência de adicionar cafeína a bebidas e lanches que não a contenham naturalmente levantou novas preocupações.

Este artigo examinará os possíveis benefícios à saúde e os riscos da cafeína, as questões relacionadas às bebidas energéticas e a probabilidade de ocorrer uma superdosagem de cafeína.

Fatos rápidos sobre cafeína

  • A cafeína é um estimulante que ocorre naturalmente em alguns alimentos.
  • A Food and Drug Administration (FDA) recomenda uma ingestão máxima de 400 mg por dia, ou duas a três xícaras de café.
  • Uma ingestão moderada de café pode aumentar a perda de peso, a função cognitiva e o estado de alerta.
  • A cafeína pode ter um impacto negativo na gravidez, fertilidade, controle da glicose e outros aspectos da saúde.
  • As bebidas energéticas podem conter altos níveis de cafeína, mas é improvável que sejam perigosos, a menos que sejam consumidas com álcool.
  • A cafeína em pó pode levar a uma overdose fatal e deve ser evitada.

Usos

Café sendo servido em um copo

A Food and Drug Administration (FDA) considera a cafeína uma droga e um aditivo alimentar. Eles recomendam uma ingestão máxima de 400 mg por dia.

Nos medicamentos prescritos e vendidos sem prescrição médica (OTC), a cafeína é usada para tratar o cansaço e a sonolência e para melhorar o efeito de alguns analgésicos.

Pertence a um grupo de medicamentos chamados estimulantes do sistema nervoso central (SNC).

Alimentos que contenham cafeína podem ajudar a restaurar o estado de alerta mental.

O uso de cafeína como um auxílio de alerta deve ser apenas ocasional. Não se destina a substituir o sono e não deve ser usado regularmente para esse fim.

Nos Estados Unidos (EUA), mais de 90% dos adultos usam cafeína regularmente, com um consumo médio de mais de 200 miligramas de cafeína por dia. Isso é mais cafeína do que em duas xícaras de café ou cinco latas de refrigerante.

Fontes

A cafeína ocorre naturalmente nas folhas, sementes ou frutos de mais de 60 espécies de plantas, incluindo:

  • grãos de café
  • folhas de chá e botões
  • nozes de dola
  • grãos de cacau
  • sementes de guaraná
  • folha de erva-mate

A cafeína nas plantas age como um pesticida natural. Ele paralisa e mata insetos que tentam se alimentar deles.

Fontes de alimentos

A cafeína apresenta no chá, café e chocolate, e é regularmente adicionado à goma, jujubas, waffles, água, xarope, marshmallows, sementes de girassol e outros petiscos.

A FDA recomenda que adultos saudáveis ​​limitem sua ingestão de cafeína a um máximo de 400 miligramas (mg) por dia, cerca de 4 ou 5 xícaras de café. Este montante não está associado a efeitos negativos.

Não há limite estabelecido para crianças, mas a Academia Americana de Pediatria (AAP) desencoraja o consumo de cafeína e outros estimulantes por crianças e adolescentes.

A quantidade de cafeína incluída em alguns alimentos e bebidas comuns é:

  • Uma xícara de 8 onças de café: 95 a 200 mg
  • Uma lata de 12 onças de cola: 35 a 45 mg
  • Uma bebida energética de 8 onças: 70 a 150 mg
  • Uma xícara de chá de 8 onças: 14 a 60 mg

Cola descafeinada e refrigerantes não contêm cafeína, mas o café descafeinado não é isento de cafeína.

“Bebidas energéticas” contêm quantidades variadas de cafeína.

Produtos adicionais agora estão aparecendo no mercado, de “witched” aveia para waffles “com fio”.

Estes levantaram preocupações, especialmente em relação ao impacto potencial em crianças e adolescentes. O FDA questionou a segurança desta prática.

Benefícios

A cafeína pode ter alguns benefícios à saúde, mas nem todos foram confirmados pela pesquisa.

Perda de peso

A cafeína pode aumentar a perda de peso ou evitar o ganho de peso, possivelmente por:

  • suprimindo o apetite e reduzindo temporariamente o desejo de comer
  • estimulando a termogênese, então o corpo gera mais calor e energia a partir da digestão dos alimentos

Produtos de perda de peso que são comercializados como termogênicos podem conter cafeína e efedra, ou efedrina.

A pesquisa não confirmou resultados a longo prazo.

Presteza

Uma dose de 75 mg de cafeína pode aumentar a atenção e o estado de alerta, e uma dose de 160 a 600 mg pode melhorar o estado de alerta mental, o raciocínio de velocidade e a memória.

No entanto, a cafeína não é um substituto para o sono.

Desempenho esportivo

A cafeína pode melhorar o desempenho físico durante o exercício de resistência.

A Agência Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) reconhece que a cafeína pode aumentar o desempenho de resistência, a capacidade de resistência e a redução do esforço percebido.

No entanto, os efeitos no exercício de alta intensidade a curto prazo permanecem inconclusivos.

Função cerebral

A cafeína afeta os receptores de adenosina no cérebro. O café também contém antioxidantes polifenóis, e estes também atuam em várias vias.

Estudos sugeriram que beber café pode ajudar a melhorar algumas habilidades de pensamento e diminuir o declínio mental que vem com a idade.

No entanto, mais pesquisas são necessárias para confirmar isso.

Doença de Alzheimer e Parkinson

Pesquisa descobriu que o consumo de cafeína ao longo da vida pode reduzir o risco de desenvolver a doença de Alzheimer.

Estudos também relataram que pessoas com maior consumo de café têm menor risco de doença de Parkinson.

Memória

Uma pesquisa da Universidade Johns Hopkins sugere que uma dose de cafeína após uma sessão de aprendizado pode ajudar a aumentar a memória de longo prazo.

Fígado e cólon

Tem sido sugerido que os enemas de cafeína podem ajudar a preparar o cólon para uma endoscopia ou colonoscopia, apoiando a excreção da bile através da parede do cólon.

Os proponentes afirmam que um enema de cafeína aumenta os níveis de glutationa, um antioxidante, e por isso apoia os processos naturais de desintoxicação no fígado.

No entanto, há poucas evidências para apoiar essa teoria.

O consumo de café pode ajudar a diminuir o risco de cirrose e diminuir a taxa de progressão da doença na infecção por hepatite C. Estudos observacionais descobriram que o café pode ter benefícios protetores para pessoas com câncer hepatocelular.

Espasmo palpebral

Há algumas evidências de que a cafeína pode ajudar a proteger as pessoas de uma doença ocular conhecida como blefarospasmo.

Esta condição, causada por uma função cerebral anormal, faz as pessoas piscarem incessantemente e podem deixá-las cegas funcionalmente.

Cataratas

Pesquisadores descobriram que a cafeína pode ajudar a proteger o cristalino contra danos que possam levar à formação de catarata.

Câncer de pele

Alguns cientistas sugeriram que a cafeína pode proteger contra certos tipos de câncer de pele.

Uma equipe descobriu que a cafeína aplicada diretamente na pele de camundongos ajudou a prevenir que a luz ultravioleta (UV) prejudicial causasse câncer de pele.

Outros associaram o consumo de três xícaras de café com cafeína por dia com um risco 21 por cento menor de desenvolver carcinoma basocelular em mulheres, e um risco 10 por cento menor em homens, comparado com beber menos de um copo por mês.

Pedras nos rins

Um estudo de 217.883 participantes analisou a associação entre a ingestão de cafeína e o risco de desenvolver cálculos renais.

Aqueles que consumiram mais cafeína tiveram menor risco de desenvolver cálculos renais.

Boca, garganta e outros tipos de câncer

Em um estudo de 968.432 homens e mulheres, os participantes que beberam mais de 4 xícaras de café por dia tiveram um risco 49% menor de morte por câncer oral, comparados àqueles que não beberam café ou apenas uma xícara ocasional.

Outros possíveis benefícios relacionados ao câncer incluem:

  • um risco menor de câncer endometrial
  • um risco reduzido de câncer de próstata
  • proteção contra câncer de cabeça e pescoço
  • proteção contra a recorrência de câncer de mama

Acidente vascular encefálico

Dados de 34.670 mulheres na Suécia sem história de doença cardiovascular indicaram que as mulheres que tomavam mais de uma xícara de café por dia tinham um risco 22% a 25% menor de derrame em comparação com mulheres que bebiam menos.

Beber pouco ou nenhum café parecia estar ligado a um aumento do risco de acidente vascular cerebral.

Diabetes tipo 2

Um estudo longitudinal descobriu que os participantes que aumentaram sua ingestão de café em mais de uma xícara por dia durante um período de 4 anos tiveram um risco 1% menor de desenvolver diabetes tipo 2 em comparação com pessoas que não mudaram sua ingestão.

As pessoas que reduziram seu consumo diário em mais de uma xícara de café apresentaram um risco 17% maior de diabetes tipo 2.

Um estudo publicado em 2004 relacionou um alto consumo de café durante um período de 4 semanas com o aumento das concentrações de insulina em jejum.

No entanto, as razões para o link não eram claras. Pode ser devido à diminuição da sensibilidade à insulina, o que significa que o corpo não usa a insulina produzida de forma eficiente.

A equipe pediu mais investigação antes de afirmar que o alto consumo de café reduz o risco de diabetes tipo 2.

Riscos

Grande parte da pesquisa publicada sobre cafeína sugere que ela é benéfica, com moderação.

No entanto, alguns estudos destacam os efeitos potencialmente nocivos da cafeína.

Depressão

Uma alta ingestão de cafeína pode piorar os sintomas de ansiedade e depressão.

Pesquisa publicada em 2016 constatou que, em 234 estudantes do ensino médio na Coréia, uma maior ingestão de cafeína estava ligada ao maior peso, menor desempenho acadêmico e um maior risco de depressão grave.

No entanto, se a cafeína leva à depressão ou à depressão, as pessoas consomem mais cafeína ainda não está claro.

Açúcar sanguíneo

Pessoas com diabetes tipo 2 relatam que seus níveis de glicose no sangue aumentam após o consumo de cafeína.

Existem algumas evidências de que a cafeína pode prejudicar a ação da insulina, levando a um pequeno mas detectável aumento nos níveis de açúcar no sangue, particularmente após as refeições.

Gravidez

Estudos sugeriram que mais de 300 mg por dia de cafeína, ou a quantidade equivalente a cerca de três xícaras de café, poderia levar a:

  • perda de gravidez
  • crescimento fetal atrasado
  • ritmo cardíaco fetal anormal

De acordo com os Institutos Nacionais de Saúde (NIH), as semanas antes da gravidez também contam. Pesquisas mostram que, se ambos os pais consumirem mais de duas doses de cafeína por dia nas semanas que antecedem a concepção, a perda da gravidez pode ser mais provável.

As mulheres devem limitar sua ingestão de cafeína a 200 mg ou menos durante a gravidez.

Fertilidade

Algumas pesquisas sugerem que a cafeína pode reduzir a atividade muscular nas trompas de falópio, que transportam óvulos dos ovários para o útero.

Isso poderia significar, segundo os autores do estudo, que a cafeína reduz as chances de uma mulher engravidar em cerca de 27%.

Amamentação

A cafeína passa para o leite materno em pequenas quantidades e pode se acumular no lactente.

Bebês cujas mães bebem grandes quantidades de bebidas cafeinadas podem estar nervosos e ter problemas para dormir.

Gota

Uma ingestão adicional de cafeína pode desencadear um ataque de gota em pessoas com a doença.

Beber seis ou mais bebidas cafeinadas em 24 horas tem sido associado a um aumento de quase quatro vezes no risco de ataques recorrentes de gota.

Incontinência

Um estudo que analisou 1.356 mulheres descobriu que aqueles com uma ingestão de 329 mg de cafeína por dia, equivalente a cerca de três xícaras de café ou mais, tiveram uma chance 70% maior de problemas na bexiga.

Insônia

Consumir cafeína 3 e até 6 horas antes de dormir pode atrapalhar significativamente o sono. Até 6 horas antes de dormir, a cafeína pode reduzir o tempo de sono total medido objetivamente em mais de 1 hora.

Dores de cabeça

Um estudo de base populacional descobriu que o consumo dietético e medicinal de cafeína pode ser um fator de risco modesto para desencadear cefaléia crônica diária, independentemente do tipo de cefaleia.

Menopausa

Um estudo publicado na revista descobriu que as mulheres que consumiram cafeína durante a menopausa eram mais propensas a ter ondas de calor e suores noturnos.

Outros efeitos adversos

O principal efeito da cafeína no corpo é um aumento da sensação temporária de vigília e alerta, mas também pode causar sintomas desconfortáveis.

Consumir mais de 400 mg de cafeína por dia pode levar a:

mulher olhando preocupado

  • tremores e tremores
  • sono interrompido
  • pulsação rápida ou irregular
  • pressão alta
  • dores de cabeça
  • nervosismo ou ansiedade
  • tontura
  • dependência
  • desidratação
  • irritabilidade
  • azia
  • dor de estômago, diarréia e náusea
  • tremores musculares

A cafeína aumenta a liberação de ácido no estômago, às vezes levando a uma dor de estômago ou azia.

A cafeína pode interferir no ciclo do sono. A perda de sono é cumulativa, e mesmo pequenas diminuições noturnas podem se somar e perturbar o estado de alerta e o desempenho durante o dia.

Interações medicamentosas

Alguns medicamentos podem interagir com cafeína.

Estes incluem alguns:

  • Antibióticos
  • Broncodilatadores
  • Antipsicóticos, como a clozapina
  • Alguns antidepressivos
  • Carbamazepina, como a cafeína pode aumentar o risco de convulsões

A cafeína também pode interagir com diuréticos, estrógenos, valproato e alguns outros medicamentos.

Um número de ervas e suplementos pode interagir com a cafeína em diferentes graus:

  • cálcio
  • creatina
  • equinácea
  • efedra
  • kudzu
  • melatonina
  • magnésio
  • trevo vermelho

Combinar cafeína com efedrina ou creatina, que deriva da efedrina, pode ter efeitos cardiovasculares potencialmente graves.

Mitos

Uma série de mitos cercam o consumo de cafeína. Dê uma olhada em alguns deles.

1. A cafeína é viciante?

Em 2013, a Associação Americana de Psiquiatria (APA) adicionou a retirada de cafeína à lista de condições reconhecidas no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V). No entanto, nem todos os consumidores de cafeína têm sintomas de abstinência quando param de consumir cafeína.

As pessoas que de repente param de tomar café podem sentir sintomas cerca de 12 a 24 horas depois de desistirem. Estes pico após 20 a 48 horas antes de desaparecer. A redução gradual da ingestão de cafeína durante um período de dias não desencadeia esses sintomas.

Ao contrário de outras drogas, a cafeína não demonstrou ativar os caminhos no cérebro que estão relacionados ao vício.

Portanto, a cafeína não é considerada uma substância viciante.

2. A cafeína é um diurético?

A cafeína tem sido associada ao aumento do volume e da frequência urinária, fazendo com que o corpo perca água e eletrólitos, como potássio e sódio.

No entanto, os pesquisadores não encontraram uma diferença significativa na perda de líquidos entre pessoas que bebem ou não bebem café.

Uma equipe concluiu que: “O café, quando consumido com moderação pelos machos habituados à cafeína, fornece qualidades hidratantes semelhantes à da água”.

Perda adicional de água pode ocorrer se uma pessoa consome mais de 250 mg por dia, mas o fluido consumido com a bebida provavelmente compensará qualquer perda.

3. O café causa osteoporose?

A cafeína pode afetar a maneira como o corpo absorve o cálcio, e isso levantou preocupações de que beber café pode levar à osteoporose.

No entanto, isso não foi confirmado pela pesquisa.

Um estudo sueco de dados para mais de 60.000 mulheres descobriu que: “O alto consumo de café foi associado a uma pequena redução na densidade óssea que não se traduziu em aumento do risco de fratura”.

Mulheres com uma boa ingestão de cálcio através de sua dieta provavelmente não correrão risco de osteoporose como resultado do consumo de café.

4. A cafeína sóbrio você?

As pessoas que bebem muito álcool geralmente recorrem ao café ou a uma bebida energética para deixá-las sóbrias.

No entanto, a cafeína não torna a pessoa sóbria ou adequada para dirigir. Pode torná-los mais alertas, mas não reverte o mau julgamento e outros efeitos associados ao álcool.

Na verdade, pode ser mais perigoso porque, sem a sonolência, é mais provável que uma pessoa acredite que está sóbria, o que pode levar a atividades perigosas, como dirigir para casa ou consumir mais álcool.

Bebidas energéticas

bebidas energéticas

Há alguma controvérsia em torno de bebidas energéticas. Eles foram banidos de vários campi de estudantes, por causa de relatos de problemas de saúde e até fatalidades.

A quantidade de cafeína em uma bebida energética depende da marca e do tipo.

Enquanto um café Americano de 16 onças pode conter 225 mg de cafeína, o conteúdo de cafeína de uma lata de 16 onças de bebida energética até recentemente variou de 160 mg a 357 mg.

Produtores da bebida que continham 357 mg de cafeína baixaram agora o seu teor de cafeína para 300 mg. Ele traz um aviso de saúde de que não deve ser consumido por crianças, pessoas com problemas cardíacos ou com intolerância à cafeína.

As bebidas energéticas contêm não apenas cafeína, mas também outros estimulantes à base de plantas, açúcares simples ou adoçantes artificiais e aditivos. Uma dose de 60 ml de uma bebida energética bem conhecida conteria cerca de 50 g, ou 1,75 onças, ou 5 colheres de chá de açúcar.

Estas altas concentrações de cafeína e açúcar podem ter um impacto negativo no corpo.

Mistura de bebidas alcoólicas e energéticas

Quando bebidas alcoólicas são misturadas com bebidas energéticas, a cafeína pode mascarar os efeitos depressores do álcool. O álcool também diminui o metabolismo da cafeína, prolongando seus efeitos.

Bebedores que consomem álcool misturado com bebidas energéticas têm três vezes mais chances de beber muito do que os que não relatam misturar álcool com bebidas energéticas.

Eles também são duas vezes mais propensos a relatar a experiência de agressão sexual, agredir sexualmente alguém, andar com um motorista que estava sob a influência de álcool, estar fisicamente machucado ou ferido e necessitar de tratamento médico.

Overdose

É improvável que uma pessoa morra de consumir muita cafeína na dieta. Estima-se que levaria 149 ou mais latas de bebida energética cafeinada para matar um macho adulto médio. Vômitos certamente ocorreriam antes que uma pessoa tivesse a chance de consumir uma overdose fatal de cafeína de fontes dietéticas.

pílulas

No entanto, a cafeína pura é um poderoso estimulante, e quantidades muito pequenas podem levar a uma overdose acidental. Uma única colher de chá de cafeína pura é equivalente a 28 xícaras de café.

Além dos habituais efeitos adversos de muita cafeína, doses altas podem levar a:

  • ansiedade
  • palpitações cardíacas e batimento cardíaco acelerado
  • suando
  • nausea e vomito
  • parada cardíaca

Após a morte de dois homens jovens de uma overdose de cafeína pura vendida pela Internet, a FDA encoraja as pessoas a “evitar a cafeína em pó pura”. Eles também pedem que os pais saibam que esses produtos podem atrair os jovens.

Efeitos

Consumido como alimento ou medicamento, o sangue e os tecidos do corpo absorvem a cafeína em cerca de 45 minutos. Atinge o nível de pico no sangue dentro de 1 hora e permanece lá por 4 a 6 horas.

Enquanto estiver lá, a cafeína muda a maneira como o cérebro e o corpo funcionam.

A cafeína tem uma estrutura semelhante à adenosina, uma substância química presente em todas as células humanas.

No cérebro, a adenosina age como um depressor do SNC.

Adenosina promove o sono e suprime a excitação, diminuindo a atividade nervosa. A ligação à adenosina também faz com que os vasos sanguíneos do cérebro se dilatem, para aumentar a ingestão de oxigénio durante o sono. Quando acordados, os níveis de adenosina no cérebro aumentam a cada hora, tornando o cérebro e o corpo mais alerta.

Para uma célula nervosa, a cafeína se parece com a adenosina e a cafeína se liga aos receptores de adenosina.

No entanto, ao contrário da adenosina, não diminui a atividade da célula. Como a cafeína utiliza todos os receptores aos quais a adenosina se liga, as células já não conseguem sentir a adenosina. Como resultado, em vez de desacelerar por causa do nível de adenosina, a atividade celular acelera.

A cafeína bloqueia a capacidade da adenosina de abrir os vasos sangüíneos do cérebro, levando-os a se contraírem. É por isso que a cafeína é usada no tratamento da dor para dores de cabeça. Se a dor de cabeça é vascular, o alívio ocorre quando a cafeína estreita os vasos sangüíneos.

O bloqueio da adenosina faz com que os neurotransmissores excitatórios aumentem no cérebro. A glândula pituitária percebe essa atividade aumentada e libera hormônios que dizem às glândulas supra-renais para produzir epinefrina.

Leve embora

Quantidades moderadas de cafeína parecem não ser prejudiciais, e uma ingestão moderada de cafeína pode trazer benefícios para a saúde.

O FDA recomenda uma ingestão de não mais de 400 mg por dia.

No entanto, o impacto irá variar de acordo com a quantidade consumida, o tamanho do indivíduo, sexo e sensibilidade aos efeitos, e quaisquer medicamentos ou suplementos que possam estar tomando.

A cafeína pura pode ser perigosa, até mesmo fatal, e deve ser evitada.

Além disso, a tendência atual de adicionar cafeína a alimentos como chicletes e sorvetes, itens que geralmente são direcionados a crianças, ainda é motivo de preocupação, e as investigações estão em andamento.

Qualquer um que deseje abandonar a cafeína deve diminuir alguns dias em vez de ao mesmo tempo, para evitar sintomas desconfortáveis.

Like this post? Please share to your friends: