Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O paracetamol reduz a empatia?

Pesquisadores da Ohio State University descobriram evidências de que o acetaminofeno não apenas atenua a dor física, mas também reduz nossa capacidade de prever a dor nos outros e simpatizar. Se os resultados forem confiáveis, essa droga comum pode dificultar a nossa capacidade de imaginar o desconforto de cada um.

[Cérebro em uma pílula]

Usado para aliviar a dor e a febre, o acetaminofeno – conhecido como paracetamol no Reino Unido – está presente em pelo menos 600 medicamentos na América, incluindo o Tylenol.

Descoberto pela primeira vez em 1877, o acetaminofeno é um dos ingredientes mais comuns das drogas na América. Em 2008, 24,6 bilhões de doses foram vendidas.

Estima-se que 23% dos americanos (52 milhões de pessoas) usam medicamentos contendo paracetamol a cada semana.

Apesar do longo e popular serviço da droga para a humanidade, a ciência ainda está aprendendo sobre seus efeitos. Esses novos insights estão vindo de uma variedade de disciplinas, não menos de psicologia.

Nos últimos anos, pesquisadores investigando os efeitos psicológicos do acetaminofeno descobriram algumas idéias experimentais, mas fascinantes.

Por exemplo, uma equipe da Universidade de Kentucky descobriu que o paracetamol não só reduzia a dor física, como também reduzia a dor psicológica causada pela rejeição social.

Outro estudo, realizado na Universidade Estadual de Ohio e publicado em junho de 2015, descobriu que o paracetamol reduz a avaliação e a resposta das pessoas a estímulos negativos e positivos.

O estudo atual, da mesma equipe de Ohio, segue esses achados. Desta vez, a emoção sob escrutínio é empatia.

Acetaminofeno e empatia

Os pesquisadores realizaram uma investigação em três frentes. A primeira sessão envolveu 80 participantes. Metade recebeu um líquido contendo 1.000 miligramas de acetaminofeno; a outra metade, o grupo controle, bebeu uma solução placebo sem qualquer droga.

Uma hora depois, cada participante recebeu uma série de pequenos cenários para ler. As histórias incluíam personagens que experimentavam algum tipo de dor – por exemplo, um sério ferimento com faca ou a perda de um ente querido. Os participantes então avaliaram a dor física e emocional experimentada pelos personagens.

A equipe descobriu que os indivíduos que consumiram paracetamol classificaram a dor dos personagens da história como menos severa.

A segunda etapa do experimento envolveu 114 participantes. Como antes, metade recebeu acetaminofeno e a outra metade, placebo. Eles foram submetidos a pequenas e altas rajadas de ruído branco. Em seguida, eles foram convidados a avaliar o desagradável do ruído e como desagradável eles achavam que o ruído seria para um participante anônimo.

Aqueles que tomaram a droga classificaram o ruído como menos desagradável, e também acreditavam que seria menos desagradável para o participante anônimo.

Na terceira e última parte do estudo, os participantes puderam se encontrar e se misturar antes de serem levados para ficar sozinhos e assistir – mas não participar – de um “jogo” on-line.

Os participantes foram informados que três das pessoas que acabaram de conhecer estavam jogando. Durante o jogo, dois dos participantes excluíram o terceiro (embora os participantes não estivessem realmente envolvidos).

Os indivíduos que estavam assistindo ao jogo foram solicitados a avaliar a dor emocional e a mágoa do participante que foi excluído. De acordo com o autor sênior, Baldwin Way, “aqueles que tomaram paracetamol mostraram uma redução na empatia. Eles não estavam tão preocupados com os sentimentos feridos da pessoa rejeitada”.

Por que o acetaminofeno reduziria a empatia?

Nesse estágio, não está claro por que essa redução na empatia ocorre. No entanto, estudos anteriores envolvendo exames cerebrais podem nos dar uma pista.

Os pesquisadores descobriram que, quando um indivíduo sente dor, e quando imagina a dor em outra pessoa, ele causa uma resposta em partes semelhantes do cérebro. Em outras palavras, as regiões do cérebro envolvidas na experiência da dor também estão envolvidas na imaginação da dor dos outros.

Teoricamente, pode-se imaginar que, se as mesmas áreas do cérebro são usadas para experimentar e imaginar a dor, uma droga que reduz a dor real também pode reduzir a dor imaginária.

Se os resultados forem replicados, eles serão altamente relevantes para o mundo real. Afinal, isso significaria que um quarto da população estaria tomando regularmente uma droga que reduz a empatia.

“Não sabemos por que o acetaminofeno está tendo esses efeitos, mas é preocupante”.

Caminho Baldwin

A empatia é vital em situações cotidianas. Se um indivíduo está discutindo com um ente querido e tem uma capacidade reduzida de ver o lado da outra pessoa da história, a resolução é, talvez, menos provável. Contamos com empatia pela coesão social, pelo menos em parte.

Porque a pesquisa foi realizada em um grupo relativamente pequeno, estudos maiores serão necessários para tirar conclusões sólidas, mas certamente faz uma leitura interessante.

O fato de ainda estarmos aprendendo sobre essa droga parece surpreendente. No entanto, os mecanismos pelos quais o acetaminofeno reduz a dor e a febre ainda não são precisamente conhecidos, portanto, pode haver mais surpresas mais adiante.

Leia como o paracetamol pode ser útil no tratamento da osteoartrite.

Like this post? Please share to your friends: