Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O estado do câncer: Estamos perto de uma cura?

O câncer é a principal causa de morte em todo o mundo. Por anos, os pesquisadores conduziram estudos meticulosos focados em como deter esta doença mortal em suas trilhas. Quão perto estamos de encontrar tratamentos mais eficazes?

pesquisadores no laboratório

A Organização Mundial da Saúde (OMS) observa que, em todo o mundo, quase 1 em cada 6 mortes se reduz ao câncer.

Nos Estados Unidos, o National Cancer Institute (NCI) estimou 1.688.780 novos casos de câncer e 600.920 mortes relacionadas ao câncer em 2017.

Atualmente, os tipos mais comuns de tratamento do câncer são quimioterapia, radioterapia, cirurgia de tumor e, no caso de câncer de próstata e câncer de mama, terapia hormonal.

No entanto, outros tipos de tratamento estão começando a ganhar força: terapias que – sozinhas ou em combinação com outros tratamentos – são destinadas a ajudar a derrotar o câncer de forma mais eficiente e, idealmente, têm menos efeitos colaterais.

As inovações no tratamento do câncer visam abordar um conjunto de questões que normalmente enfrentarão os provedores de saúde e pacientes, incluindo tratamento agressivo acompanhado de efeitos colaterais indesejados, recorrência do tumor após tratamento, cirurgia ou ambos, e cânceres agressivos resilientes a tratamentos amplamente utilizados.

Abaixo, revisamos alguns dos mais recentes avanços em pesquisas sobre o câncer que nos dão esperança renovada de que melhores terapias e estratégias de prevenção seguirão o mesmo caminho.

Impulsionando o ‘arsenal’ do sistema imunológico

Um tipo de terapia que tem atraído muita atenção recentemente é a imunoterapia, que visa reforçar o arsenal existente dos nossos próprios corpos contra corpos estranhos e células nocivas: a resposta do nosso sistema imunológico à disseminação de tumores cancerígenos.

Mas muitos tipos de células cancerosas são tão perigosas porque têm maneiras de “enganar” o sistema imunológico – seja ignorando-as completamente ou dando-lhes uma “mãozinha”.

Portanto, alguns tipos de câncer agressivo são capazes de se espalhar mais facilmente e se tornar resistentes à quimioterapia ou radioterapia.

No entanto, graças a experimentos in vitro e in vivo, os pesquisadores agora estão aprendendo como eles podem ser capazes de “desativar” os sistemas de proteção das células cancerígenas. Um estudo publicado no ano passado descobriu que os macrófagos, ou glóbulos brancos, que são normalmente encarregados de “comer” detritos celulares e outros “objetos” estrangeiros prejudiciais, não conseguem obliterar as células cancerígenas super-agressivas.

Isso porque, em sua interação com as células cancerosas, os macrófagos leem não um, mas dois sinais para repelir sua ação de “limpeza”.

Esse conhecimento, no entanto, também mostrou aos cientistas o caminho a seguir: ao bloquear as duas vias de sinalização relevantes, eles reativaram os glóbulos brancos a fazerem seu trabalho.

Vírus terapêuticos e inovadoras ‘vacinas’

Uma arma surpreendente na luta contra o câncer pode ser um vírus terapêutico, como revelado por uma equipe do Reino Unido no início deste ano. Em seus experimentos, eles conseguiram usar um reovírus para atacar as células do câncer cerebral, deixando as células saudáveis ​​sozinhas.

“Esta é a primeira vez que foi demonstrado que um vírus terapêutico é capaz de atravessar a barreira cérebro-sangue”, explicaram os autores do estudo, o que “abre a possibilidade de que este tipo de imunoterapia possa ser usado para tratar mais pessoas com câncer cerebral agressivo “.

Outra área para melhoria na imunoterapia é “vacinas dendríticas”, uma estratégia em que as células dendríticas (que desempenham um papel fundamental na resposta imune do corpo) são coletadas do corpo de uma pessoa, “armadas” com antígenos tumor-específicos – que os ensinam a “caçar” e destruir as células cancerígenas relevantes – e injetar de volta no corpo para impulsionar o sistema imunológico.

Em um novo estudo, pesquisadores na Suíça identificaram uma maneira de melhorar a ação dessas vacinas dendríticas criando receptores artificiais capazes de reconhecer e “seqüestrar” minúsculas vesículas que têm sido ligadas a tumores cancerígenos espalhados pelo corpo.

Ao ligar esses receptores artificiais às células dendríticas nas “vacinas”, as células terapêuticas são capazes de reconhecer as células cancerosas prejudiciais com mais precisão.

É importante ressaltar que estudos recentes demonstraram que a imunoterapia pode funcionar melhor se for administrada em conjunto com a quimioterapia – especificamente, se as drogas quimioterápicas forem administradas primeiro e forem seguidas com imunoterapia.

Mas essa abordagem tem algumas armadilhas; é difícil controlar os efeitos desse método combinado, então, às vezes, tecidos saudáveis ​​podem ser atacados ao lado de tumores cancerígenos.

No entanto, cientistas de duas instituições da Carolina do Norte desenvolveram uma substância que, uma vez injetada no corpo, se torna gelatinosa: um “sistema de suporte biológico biorresponsivo”. O andaime pode conter quimioterapia e imunoterapia de uma só vez, liberando-os sistematicamente em tumores primários.

Este método permite um melhor controle de ambas as terapias, garantindo que as drogas atuem apenas no tumor alvo.

A revolução das nanopartículas

Falando de ferramentas especialmente desenvolvidas para fornecer drogas diretamente ao tumor e caçar micro tumores com precisão e eficiência, os últimos dois anos viram um “boom” no desenvolvimento de nanotecnologia e nanopartículas para tratamentos de câncer.

nanopartículas

As nanopartículas são partículas microscópicas que atraíram tanta atenção em pesquisas clínicas, entre outras áreas, porque nos trazem a chance de desenvolver métodos precisos e menos invasivos de combater doenças.

Vitalmente, eles podem atacar células cancerígenas ou tumores cancerígenos sem prejudicar as células saudáveis ​​no ambiente circundante.

Algumas nanopartículas foram criadas para fornecer tratamento hipertermico muito focado, que é um tipo de terapia que usa temperaturas altas para reduzir os tumores cancerígenos.

No ano passado, cientistas da China e do Reino Unido conseguiram criar um tipo de nanopartícula “autorregulável” capaz de expor os tumores ao calor, evitando o contato com tecidos saudáveis.

“Isso poderia potencialmente mudar o jogo na forma como tratamos as pessoas que têm câncer”, disse um dos pesquisadores encarregados deste projeto.

Esses minúsculos veículos também podem ser usados ​​para atacar células semelhantes a caules de câncer, que são células indiferenciadas que têm sido ligadas à resiliência de certos tipos de câncer diante de tratamentos tradicionais, como a quimioterapia.

Assim, as nanopartículas podem ser “carregadas” com drogas e preparadas para “caçar” as células-tronco cancerosas para prevenir o crescimento ou a recorrência de tumores. Os cientistas experimentaram nanopartículas cheias de drogas no tratamento de vários tipos de câncer, incluindo câncer de mama e endometrial.

Não menos importante, veículos minúsculos chamados “nanossondas” podem ser usados ​​para detectar a presença de micrometástases, que são tumores secundários tão pequenos que não podem ser vistos usando métodos tradicionais.

O dr. Steven K. Libutti, diretor do Rutgers Cancer Institute de New Jersey, em Nova Brunswick, considera as micrometástases “o calcanhar de Aquiles do tratamento cirúrgico do câncer” e argumenta que as nanoprobes “ajudam muito a resolver [tais] problemas”.

Tumor “fome” estratégias

Outro tipo de estratégia que os pesquisadores têm investigado ultimamente é o dos tumores “famintos” dos nutrientes que precisam para crescer e se espalhar. Isso, segundo os cientistas, pode ser uma graça salvadora no caso de cânceres agressivos e resistentes que não podem ser efetivamente erradicados de outra forma.

ilustração de microscópio e seringas

Três estudos diferentes – cujos resultados foram todos publicados em janeiro deste ano – analisaram as formas de cortar os suprimentos nutricionais dos cânceres.

Um desses estudos analisou formas de impedir a glutamina, um aminoácido natural, de alimentar as células cancerígenas.

Certos tipos de câncer, como mama, pulmão e cólon, são conhecidos por usar este aminoácido para apoiar seu crescimento.

Ao bloquear o acesso das células cancerosas à glutamina, os pesquisadores conseguiram maximizar o impacto do estresse oxidativo, um processo que eventualmente induz a morte celular, nessas células.

Alguns tipos agressivos de câncer de mama podem ser interrompidos, impedindo as células de “se alimentarem” de uma determinada enzima que as ajuda a produzir a energia de que precisam para se desenvolver.

Outra forma de esgotar as células cancerígenas da energia é bloqueando seu acesso à vitamina B-2, como observaram pesquisadores da Universidade de Salford, no Reino Unido.

Como um autor do estudo diz: “Espero que seja o começo de uma abordagem alternativa para deter as células-tronco cancerosas”. Essa estratégia pode ajudar os indivíduos que recebem tratamento contra o câncer a evitar os efeitos colaterais tóxicos da quimioterapia.

Tratamentos de câncer e epigenética

Epigenética refere-se às alterações causadas em nossos corpos por alterações na expressão gênica, que determinam se certas características aparecem ou se certas “ações” são afetadas em um nível biológico.

Segundo pesquisas que abordaram o impacto dessas mudanças, muitos tipos de câncer, assim como os comportamentos das células cancerosas, são determinados por fatores epigenéticos.

“Recentes avanços no campo da epigenética mostraram que as células cancerígenas humanas abrigam anormalidades epigenéticas globais, além de numerosas alterações genéticas.”

“Essas alterações genéticas e epigenéticas interagem em todos os estágios do desenvolvimento do câncer, trabalhando em conjunto para promover a progressão do câncer.”

Assim, é crucial que os especialistas compreendam quando e onde intervir e a expressão de quais genes eles podem precisar ativar ou desativar, dependendo de seu papel no desenvolvimento do câncer.

Um estudo, por exemplo, descobriu que o gene responsável pelo advento da doença de Huntington produz um conjunto de moléculas cuja ação pode, na verdade, impedir a ocorrência do câncer.

Agora, o desafio dos pesquisadores é canalizar o potencial terapêutico desse processo sem desencadear a doença de Huntington. No entanto, os cientistas estão esperançosos.

“Acreditamos que um tratamento de curta duração para o tratamento do câncer por algumas semanas pode ser possível”, diz o autor sênior do estudo.

Outro estudo recente foi capaz de estabelecer que os cânceres de mama positivos para receptores de estrogênio, que se tornam resistentes à quimioterapia, ganham sua resiliência por meio de mutações genéticas que “conferem uma vantagem metastática ao tumor”.

Mas esse conhecimento também deu aos pesquisadores a “quebra” que eles precisavam para chegar a um tratamento melhorado para esses tumores teimosos: uma terapia combinada que administra o fulvestrant da droga quimioterapêutica ao lado de um inibidor enzimático experimental.

O que tudo isso significa?

A pesquisa sobre o câncer está ocorrendo a todo vapor, aproveitando todos os avanços tecnológicos que a ciência alcançou nos últimos anos. Mas o que isso significa em termos de encontrar uma cura para o câncer?

A existência ou não de uma cura para todos os tipos de câncer é atualmente uma questão de forte debate; Embora estudos promissores sejam publicados e cobertos pela mídia quase todos os dias, os tipos de câncer variam imensamente.

Isso torna muito difícil dizer que uma abordagem que funcione para um tipo seja adaptável a todos.

Além disso, embora haja muitas pesquisas emergentes prometendo tratamentos mais eficazes, a maioria desses projetos ainda está em seus estágios iniciais, tendo conduzido experimentos in vitro e in vivo. Alguns tratamentos potenciais ainda têm um longo caminho a percorrer antes dos ensaios clínicos em pacientes humanos.

Ainda assim, isso não significa que devemos perder toda a esperança. Alguns pesquisadores explicam que esses esforços devem nos tornar otimistas; enquanto não podemos estar no estágio em que podemos afirmar que o câncer pode ser facilmente erradicado, nosso conhecimento adicional e ferramentas cada vez mais precisas nos mantêm à frente do jogo e melhoram nossas chances na luta contra essa doença.

Like this post? Please share to your friends: