Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

O diabetes tipo 2 pode ser transmissível?

Embora os achados sejam preliminares, novas pesquisas sugerem que o diabetes tipo 2 pode ser transmissível de maneira similar aos distúrbios por prions, como a “doença da vaca louca”.

conceito de diabetes tipo 2

Embora o diabetes tipo 2 afete mais de 420 milhões de pessoas em todo o mundo, suas causas permanecem em grande parte desconhecidas. No entanto, um novo estudo descobriu um novo mecanismo que pode direcionar a doença. A descoberta poderia mudar a forma como abordamos o diabetes tipo 2, tanto do ponto de vista da pesquisa quanto do ponto de vista terapêutico.

Mais especificamente, o estudo investiga a possibilidade de que o diabetes tipo 2 possa ser causado por um enrolamento incorreto da proteína polipeptídica amilóide das ilhotas (IAPP).

A pesquisa foi liderada por Claudio Soto, da McGovern Medical School, em Houston, Texas, que faz parte do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas, em Houston.

Os resultados, publicados na, mostram que o diabetes tipo 2 compartilha semelhanças com um grupo de doenças neurodegenerativas transmissíveis conhecidas como “doenças priônicas”.

Exemplos de tais doens incluem a encefalopatia espongiforme bovina – popularmente conhecida como “doen das vacas loucas” – ou o seu equivalente humano, a doen de Creutzfeldt-Jakob.

IAPP em diabetes tipo 2

Pesquisas anteriores mostraram que até 80 por cento de todos os pacientes com diabetes tipo 2 têm um acúmulo de IAPP nas ilhotas do pâncreas. Estes são pequenos aglomerados de células dentro do pâncreas, que contêm, entre outras células, células beta produtoras de insulina.

O IAPP é um hormônio peptídeo que é secretado junto com a insulina pelas células beta pancreáticas. Embora o efeito deste excesso de IAPP no diabetes tipo 2 não seja totalmente conhecido, acredita-se que ele danifica as células beta, impedindo-as de produzir a insulina que o corpo necessita para baixar os níveis de açúcar no sangue.

Os pesquisadores levantaram a hipótese de que um dobramento incorreto do IAPP poderia ser o que faz com que as células beta parem de produzir insulina no diabetes tipo 2. Esse mecanismo de dobramento incorreto de proteínas caracteriza uma série de distúrbios neurodegenerativos, incluindo doenças por prions.

Examinando o mecanismo ‘prião’

As doenças priônicas têm esse nome devido ao acúmulo excessivo de uma forma anormal da chamada proteína príon – isto é, uma proteína celular que ocorre naturalmente no corpo. Esta forma anormal da proteína prion é gerada através de um mecanismo chamado misfolding. Normalmente, as proteínas ganham sua forma funcional através de um processo chamado de dobramento.

Mas quando eles não dobram corretamente, ou “dobram”, essas proteínas se agregam, formando agregados como os encontrados na doença de Alzheimer, doença de Parkinson, doença de Huntington e outras condições neurodegenerativas.

Além disso, em algumas dessas doenças, algumas das proteínas desdobradas podem atuar como “sementes” que desencadeiam o desenvolvimento incorreto de outras proteínas. Nessas doenças, as sementes – ou prions anormais – podem transmitir de uma pessoa ou animal para outra.

Mecanismo semelhante ao prion pode causar diabetes

Para sua pesquisa, Soto e sua equipe projetaram um modelo de camundongo em que os pâncreas dos camundongos foram geneticamente modificados para expressar o IAPP humano.

Eles injetaram IAPP incorretamente enrolado nesses camundongos e descobriram que isso desencadeou a formação de depósitos protéicos, ou agregados, nos pâncreas dos camundongos.

Além disso, os camundongos desenvolveram sintomas de diabetes tipo 2 semanas após a injeção de IAPP: eles perderam células beta e tiveram altos níveis de açúcar no sangue.

Além disso, os pesquisadores examinaram o efeito do IAPP desdobrado em culturas de ilhotas pancreáticas, retiradas de humanos saudáveis. Lá, também, o IAPP desdobrado disparou a formação de grandes agregados do IAPP.

Portanto, parece que o IAPP desdobrado pode, de fato, causar agregados de maneira similar aos distúrbios infecciosos de príons.

Embora tenha havido numerosos casos de pacientes que desenvolveram diabetes tipo 2 após o transplante de órgãos, os autores alertam contra a possibilidade de tirar conclusões precipitadas.

“Considerando a natureza experimental dos modelos e condições utilizados neste estudo, os resultados não devem ser extrapolados para concluir que o diabetes tipo 2 é uma doença transmissível em humanos, sem estudos adicionais”, alerta Soto.

Ele ainda comenta sobre a significância das descobertas, dizendo: “Até agora, esse conceito não foi considerado. Nossos dados, portanto, [abrem] uma área totalmente nova de pesquisa com profundas implicações para a saúde pública”.

“Talvez mais importante do que uma suposta transmissão interindividual, o mecanismo do tipo prião pode desempenhar um papel fundamental na disseminação da patologia de célula para célula ou ilhota para ilhota durante a progressão do diabetes tipo 2.”

Claudio Soto

Like this post? Please share to your friends: