Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Novas evidências fortes para a causa neurológica da esquizofrenia

Uma equipe de cientistas afirma ter finalmente começado a entender o que está errado na esquizofrenia, após a descoberta de que as mutações ligadas à doença perturbam os genes responsáveis ​​por manter um equilíbrio químico no cérebro crucial para o desenvolvimento e a função do cérebro saudável.

Ilustração do cérebro

As mutações interrompem os genes que regulam a neurotransmissão excitatória e inibitória, que precisa ser delicadamente balanceada para garantir que o cérebro funcione adequadamente.

“Nosso estudo marca um passo significativo para entender a biologia subjacente à esquizofrenia, que é uma condição incrivelmente complexa e até recentemente manteve os cientistas muito confusos quanto às suas origens”, diz o principal autor Dr. Andrew Pocklington, da Universidade de Cardiff, no País de Gales.

“Agora temos o que esperamos que seja uma peça considerável do quebra-cabeça que nos ajudará a desenvolver um modelo coerente da doença, enquanto nos ajuda a descartar algumas das alternativas. Um modelo confiável de doença é urgentemente necessário para direcionar futuras esforços no desenvolvimento de novos tratamentos, que realmente não melhoraram muito desde a década de 1970. “

Os especialistas sabem há algum tempo que a esquizofrenia é um distúrbio altamente hereditário. Embora a esquizofrenia ocorra em 1% da população geral, ela ocorre em 10% das pessoas que têm um parente de primeiro grau com a doença. O gêmeo idêntico de alguém com esquizofrenia tem 40% a 65% de chance de desenvolver o distúrbio sozinho.

O funcionamento saudável de um cérebro depende do equilíbrio entre os sinais químicos que regulam a atividade das células nervosas. No passado, especialistas em distúrbios psiquiátricos sugeriram que a interrupção desse equilíbrio poderia contribuir para o desenvolvimento da esquizofrenia.

Em 2011, os autores – baseados no Centro MRC para Genética Neuropsiquiátrica e Genômica da Universidade de Cardiff – encontraram evidências de que as mutações da esquizofrenia interferem na sinalização química excitatória.

Seu novo estudo, publicado na, não só confirma estes achados, mas também fornece fortes evidências de que a interrupção da sinalização inibitória também contribui para a esquizofrenia.

Mutações podem contribuir para outros transtornos, como o transtorno do espectro do autismo

Para o estudo, a equipe comparou os dados genéticos de 11.355 pessoas diagnosticadas com esquizofrenia com dados de 16.416 pessoas sem o transtorno. Estes dados foram obtidos a partir de três estudos separados: o Consórcio Internacional de Esquizofrenia, a Molecular Genetics of Schizophrenia e um estudo com base no Reino Unido de pacientes com esquizofrenia tomando um medicamento antipsicótico.

Os pesquisadores examinaram os dados genéticos, buscando especificamente por tipos de mutação conhecidos como variantes do número de cópias (CNVs) – mutações pelas quais grandes extensões de DNA estão ausentes ou multiplicadas.

As CNVs nos participantes com esquizofrenia tipicamente afetavam genes que estavam envolvidos na neurotransmissão no cérebro, em comparação com as CNVs encontradas em pessoas sem o distúrbio. Os resultados indicam que a interrupção dessa sinalização é de relevância causal direta.

Acredita-se que essas mutações também estejam implicadas no desenvolvimento de outros distúrbios do neurodesenvolvimento, incluindo o transtorno do espectro do autismo (TEA) e o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

“Este trabalho baseia-se na nossa compreensão das causas genéticas da esquizofrenia – desvendando como uma combinação de falhas genéticas pode perturbar o equilíbrio químico do cérebro”, diz o professor Hugh Perry, presidente do Conselho de Pesquisa Médica de Neurociência e Saúde Mental no REINO UNIDO.

“No futuro, este trabalho pode levar a novas formas de prever o risco individual de desenvolver esquizofrenia e formar a base de novos tratamentos direcionados que são baseados na composição genética de um indivíduo.”

Anteriormente, relatado em um estudo canadense que encontrou imigrantes das Bermudas e do Caribe e refugiados da África Oriental e do Sul da Ásia são até duas vezes mais propensos a desenvolver distúrbios psicóticos em comparação com a população em geral.

Like this post? Please share to your friends: