Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Nova molécula pode impedir a disseminação da doença de Alzheimer

Um composto chamado cambinol mostra uma grande promessa como um futuro medicamento para Alzheimer. A molécula interrompeu a disseminação da proteína cerebral tóxica tau em culturas de células e camundongos.

mulher sênior, olhando esperançosa

Sabe-se que uma proteína do cérebro chamada tau desempenha um papel fundamental no desenvolvimento da doença de Alzheimer.

Nossas células cerebrais têm um “sistema de transporte” feito de “estradas” paralelas e retas, ao longo das quais moléculas de alimento, nutrientes e partes descartadas das células podem viajar.

Em um cérebro saudável, a proteína tau ajuda essas faixas a permanecerem retas. No entanto, na doença de Alzheimer, a proteína se acumula em níveis anormais, formando estruturas prejudiciais chamadas emaranhados.

Inicialmente, esses emaranhados formam nas áreas do cérebro a chave para a formação da memória, mas à medida que a doença progride, os emaranhados continuam a se espalhar pelo resto do cérebro.

No entanto, pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (UCLA), podem agora ter encontrado uma maneira de impedir a propagação desses emaranhados danosos.

Seu novo estudo – publicado na revista – mostra como uma pequena molécula chamada cambinol impede que os emaranhados do tau migrem de célula para célula.

O autor sênior do estudo, Varghese John, professor associado de neurologia da Universidade da Califórnia, comenta sobre a significância dos resultados, dizendo: “Mais de 200 moléculas foram testadas como terapia de Alzheimer modificadora de doenças em ensaios clínicos e nenhuma atingiu o santo graal. “

“Nosso trabalho descreve uma nova abordagem para retardar a progressão de Alzheimer, mostrando que é possível inibir a propagação de formas patológicas de tau.”

Varghese John

Cambinol bloqueia transferência de tau

Em um cérebro saudável, a proteína tau garante que os rastros permaneçam retos ligando-se aos microtúbulos, que formam o esqueleto das células.

Mas na doença de Alzheimer, a tau se destaca e “cai” do esqueleto, criando os chamados emaranhados neurofibrilares, o que faz com que as células cerebrais morram.

A situação agrava quando essas células cerebrais continuam a envolver grumos de tau, ou agregados, em pequenas bolsas que depois migram e “criam raízes” no tecido saudável circundante.

Essas pequenas bolsas lipídicas, ou vesículas, são chamadas de exossomos. Eles garantem a propagação contínua de emaranhados tau. Mas e se houvesse uma maneira de bloquear a própria formação dessas “sacolas” para a proteína tau tóxica?

Analisando o comportamento da proteína tau in vitro (em culturas celulares) e in vivo (usando modelos de ratos), os pesquisadores descobriram que cambinol tem a capacidade de fazer exatamente isso: seqüestra a transferência de tau bloqueando uma enzima chamada nSMase2, que é fundamental para produzir os exossomos portadores de tau.

Em um experimento, os cientistas usaram células transportadoras de tau obtidas post-mortem do cérebro de humanos que tiveram Alzheimer. Eles misturaram essas células com células livres de tau.

Os agregados de tau continuaram a se espalhar nas células que não haviam sido tratadas com cambinol. Mas naqueles que receberam o tratamento, as células novas e saudáveis ​​não foram “contaminadas” pela tau.

Para novos medicamentos para o mal de Alzheimer

Os pesquisadores acham que esses resultados promissores se devem ao cambinol, que inibe a atividade da enzima nSMase2, e que esse mecanismo pode fornecer uma ótima base para o desenvolvimento futuro de medicamentos.

De fato, em um segundo experimento in vivo, os pesquisadores viram que a atividade da enzima foi reduzida nos cérebros de camundongos tratados com cambinol. Isso foi particularmente promissor.

“Colocar moléculas no cérebro é um grande obstáculo, porque a maioria das drogas não penetra na barreira hematoencefálica”, explica John. “Agora sabemos que podemos tratar animais com cambinol para determinar seu efeito na patologia e progressão da doença de Alzheimer.”

Para o conhecimento dos autores, este foi o primeiro estudo que demonstrou que o cambinol suprime a atividade da enzima nSMase2. Os resultados nos aproximam de novos tratamentos para a doença de Alzheimer, bem como para outras condições caracterizadas por agregados de tau.

“Entender os caminhos é o primeiro passo para novos alvos de drogas”, diz Karen Gylys, coautora do estudo, professora de enfermagem da UCLA.

“Com o cambinol em mãos, temos uma ferramenta útil para entender as vias celulares que permitem a disseminação da patologia da tau.”

Karen Gylys

Os pesquisadores estão agora trabalhando para projetar drogas que tornem o cambinol mais potente, e eles estão esperançosos de que seu trabalho será bem-sucedido em animais.

Se for esse o caso, o próximo passo será testar os novos medicamentos em ensaios clínicos em humanos.

Like this post? Please share to your friends: