Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Nicotina pode ajudar no tratamento da esquizofrenia

Fumar é notoriamente ruim para a saúde. O uso de tabaco pode levar a incapacidades, doenças e até a morte, mas novas pesquisas sugerem que a nicotina pode ter alguns benefícios para pacientes que vivem com esquizofrenia.

[sinal de nicotina]

A esquizofrenia é uma condição mental grave e incapacitante que afeta mais de 21 milhões de pessoas em todo o mundo e mais de 1% da população adulta dos Estados Unidos a cada ano.

Um número significativo de estudos mostrou que a condição é um distúrbio cerebral, com técnicas de imagem cerebral revelando que o comprometimento neurológico geralmente acompanha a esquizofrenia.

Uma das anormalidades neurológicas que a pesquisa anterior ligou à esquizofrenia é uma atividade diminuída no córtex pré-frontal (CPF). Essa área abriga as funções executivas do cérebro, como julgamento, tomada de decisão e resolução de problemas. O PFC também nos ajuda a permanecer no controle durante eventos estressantes e lida com memória de curto e longo prazo.

Um novo estudo, publicado na revista, sugere que a nicotina pode ajudar pacientes com esquizofrenia.

Examinando a ligação entre tabagismo, esquizofrenia e genética

Pesquisadores da University of Colorado (CU) de Boulder – liderados por Uwe Maskos, pesquisador do Instituto Pasteur em Paris, na França – começaram a entender as causas da “hipofrontalidade”, uma ativação neuronal diminuída do CPF quando a tarefa exige isso.

Acredita-se que a hipofrontalidade cause muitos dos problemas cognitivos associados à esquizofrenia, incluindo a dificuldade de tomar decisões, focalizar ou lembrar de coisas.

Além disso, pesquisas anteriores associaram a esquizofrenia a uma mutação no gene CHRNA5.

Muitos estudos anteriores também encontraram uma ligação entre a esquizofrenia, o gene CHRNA5 e o tabagismo. Quase 90 por cento das pessoas com esquizofrenia fumam, a maioria delas sendo fumantes pesados, e 60 a 70 por cento das pessoas com transtorno bipolar também fumam.

Além disso, a pesquisa mostrou uma associação entre o número de cigarros fumados por dia e uma variação polimórfica do gene CHRNA5.

Neste contexto, Maskos e equipe fizeram a pergunta: uma variação no gene CHRNA5 desencadeia a hipofrontalidade? Se sim, como isso acontece, e a nicotina pode fazer alguma coisa para impedir esse processo?

Nicotina encontrada para corrigir a hipofrontalidade

Para começar, Maskos e equipe examinaram ratos que tinham o gene CHRNA5 e apresentavam comprometimento comportamental neurocognitivo em interação social e tarefas sensório-motoras.

Especificamente, eles examinaram esses ratos que tinham um polimorfismo de nucleotídeo único no gene CHRNA5 – a subunidade alfa 5 nAChR – que foi encontrado para aumentar o risco de fumar e esquizofrenia.

Usando técnicas de imagem cerebral, eles descobriram que esses ratos também tinham hipofrontalidade. Os ratos tiveram atividade neural diminuída de forma semelhante à hipofrontalidade encontrada em pacientes com esquizofrenia e dependência.

Finalmente, os pesquisadores administraram nicotina a esses camundongos, o que reverteu a hipofrontalidade. Ao agir sobre receptores nicotínicos em áreas cerebrais relacionadas à função cognitiva saudável, a administração crônica de nicotina reverteu o comprometimento cognitivo.

“Basicamente, a nicotina está compensando uma deficiência geneticamente determinada”, diz Jerry Stitzel, pesquisador do Institute for Behavioral Genetics e um dos pesquisadores da CU Boulder. “Ninguém nunca mostrou isso antes.”

Implicações para o tratamento da esquizofrenia

Os autores concluem que seus resultados revelam uma base fisiológica para por que os pacientes esquizofrênicos tendem a automedicar-se por fumar.

Os autores esperam que suas descobertas acabem levando a terapias baseadas em nicotina não-viciantes para pacientes com esquizofrenia.

“Nosso estudo fornece evidências biológicas convincentes de que uma variante genética específica contribui para o risco de esquizofrenia, define o mecanismo responsável pelo efeito e confirma que a nicotina melhora esse déficit”.

Jerry Stitzel

As aplicações terapêuticas de seus achados podem ser ainda mais amplas, uma vez que pessoas com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, transtorno do estresse pós-traumático ou transtorno bipolar têm atividade reduzida no CPF.

“Isso define uma estratégia completamente nova para o desenvolvimento de medicação”, diz o autor Maskos. “A identificação de déficits comportamentais associados a essa mutação pode ser usada para o trabalho diagnóstico ou preditivo na esquizofrenia”, acrescenta o coautor Charles Hoeffer.

Saiba como o tabagismo pode contribuir para a esquizofrenia.

Like this post? Please share to your friends: