Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Neuroproteção: uma solução para doença neurológica?

Neuroproteção refere-se aos mecanismos e estratégias usados ​​para proteger contra lesão ou degeneração do nervo e para prevenir a quebra do sistema nervoso central.

Pesquisadores estão procurando maneiras de proteger o corpo após eventos agudos, como acidente vascular cerebral ou lesão do sistema nervoso, e para ajudar com doenças do sistema nervoso crônico, como Alzheimer, Parkinson ou esclerose múltipla (MS).

O desenvolvimento de agentes neuroprotetores ainda está em andamento, embora existam alguns em uso atualmente.

Neuropretores atuais não podem reverter o dano já feito, mas eles podem proteger contra danos nervosos adicionais e retardar qualquer degeneração, ou quebra, do sistema nervoso central (SNC).

Os cientistas estão atualmente investigando uma ampla gama de tratamentos. Alguns produtos podem potencialmente ser usados ​​em mais de um distúrbio, já que distúrbios diferentes compartilham muitos dos mecanismos subjacentes.

Fatos rápidos sobre neuroproteção:

Aqui estão alguns pontos-chave sobre a neuroproteção. Mais detalhes estão no artigo principal.

  • O campo da pesquisa em neuroproteção está se desenvolvendo rapidamente.
  • Os pesquisadores pretendem encontrar uma maneira de proteger os nervos contra danos causados ​​por ferimentos ou doenças.
  • Pessoas com Alzheimer, Parkinson, AVC e EM podem se beneficiar de novos medicamentos.
  • As drogas atuais que prometem incluem riluzol, fenitoína e amilorida.

O que causa dano neuronal?

Os cientistas esperam encontrar agentes neuroprotetores que protejam contra danos nos nervos.

Para entender a neuroproteção, devemos primeiro olhar para o que mata os nervos e inibe a função cerebral.

Diferentes doenças relacionadas ao SNC apresentam sintomas diferentes. No entanto, os processos pelos quais os neurônios, ou células nervosas, morrem, são semelhantes.

Atualmente, acredita-se que esses processos incluam o seguinte.

Estresse oxidativo

Um desequilíbrio ocorre entre a produção de radicais livres do corpo e sua capacidade de removê-los.

Os radicais livres são o que resta depois que as reações químicas ocorrem dentro do corpo. Essas partículas eletricamente carregadas podem interagir, alterar substâncias e causar danos às células.

Os radicais livres são o resultado de um ambiente rico em oxigênio. O corpo precisa deles, mas eles também precisam ser mantidos em equilíbrio.

No sistema nervoso, o estresse oxidativo tem sido conectado à progressão da doença de Alzheimer, doenças de Parkinson e outras condições.

Disfunção mitocondrial

As mitocôndrias são estruturas especializadas, ou organelas, dentro das células que geram energia.

Problemas com mitocôndrias em neurônios têm sido associados ao autismo, doença de Alzheimer, doença de Parkinson e várias condições de saúde mental.

Acredita-se que problemas com as mitocôndrias em outras partes do corpo estejam ligados a problemas crônicos de saúde, como diabetes e asma.

Excitotoxicidade

As células nervosas podem morrer no cérebro se forem superativadas.

O glutamato, um químico cerebral, estimula a interação entre as células nervosas. É um passo importante da neurotransmissão, a passagem da informação de uma célula nervosa para a outra.

No entanto, o excesso de glutamato pode causar destruição celular.

Nervos que se tornam super estimulados por impulsos nervosos ficam danificados ou não funcionais.

A excitotoxicidade é um fator chave nos danos nervosos após um derrame.

Alterações inflamatórias

Inflamação em qualquer parte do corpo ocorre quando o sistema imunológico reage a um organismo estranho ou infecção. A inflamação também pode ocorrer após dano ou lesão celular, pois o corpo tenta se reparar.

Quando a inflamação ocorre no cérebro ou no SNC, essa resposta imune pode acabar matando os neurônios, pois repara os danos ou combate a infecção.

Isso muitas vezes pode ser a causa da morte celular na doença de Alzheimer, Parkinson e infecções do cérebro e do SNC.

Acumulação de ferro

O acúmulo de ferro no cérebro parece desempenhar um papel em doenças degenerativas, como Alzheimer, Parkinson e esclerose lateral amiotrófica (ELA).

Pesquisadores estão procurando substâncias que podem ajudar a remover o excesso de ferro do SNC. Ao remover o ferro, essas substâncias poderiam restaurar o equilíbrio do cérebro e do SNC.

Os cientistas estão estudando o papel do ferro nessas doenças, na esperança de encontrar novos tratamentos. O excesso de ferro pode fazer parte de um ciclo de excitotoxicidade e morte celular.

Proteínas do cérebro

Na demência, certas proteínas se acumulam no cérebro. Isso parece ser parte de um quadro mais complexo, já que a pesquisa está começando a sugerir que as próprias proteínas não são o problema.

O problema, alguns acreditam, está nas moléculas causadoras de inflamação que elas produzem.

Níveis elevados da proteína do fator de necrose tumoral (TNF) são encontrados em uma ampla variedade de condições degenerativas do SNC. Altos níveis de TNF parecem estar associados com excitotoxicidade e altos níveis de glutamato.

Tipos de neuroproteção

A neuroproteção visa limitar a morte do nervo após a lesão do SNC e proteger o SNC da quebra prematura e outras causas de morte das células nervosas.

Os agentes neuroprotetores combatem os efeitos da neurodegeneração ou da quebra dos nervos.

Produtos com efeitos neuroprotetores são agrupados nas seguintes categorias.

Agentes de captura de radicais livres

Estes convertem células de radicais livres instáveis, danificadas e causadoras de doenças, em moléculas que são mais estáveis ​​e mais fáceis de gerir pelo corpo.

Os pesquisadores estão investigando uma série de possíveis causas de danos nos nervos, na esperança de encontrar uma maneira de pará-lo.

Antioxidantes são agentes que podem interagir e reduzir o impacto dos radicais livres. Eles podem ser encontrados em alimentos ou suplementos.

Como eles funcionam não é totalmente compreendido. Parece depender muito da doença que eles estão atacando e dos muitos fatores únicos de cada indivíduo.

A vitamina E, por exemplo, mostrou propriedades antioxidantes na doença de Alzheimer e, em menor extensão, na ELA.

No entanto, a pesquisa também sugere que a suplementação de vitamina E pode piorar a função cerebral e a demência em algumas pessoas.

É importante conversar com um médico antes de usar qualquer medicamento à base de plantas, medicamentos vendidos sem prescrição médica (over-the-counter – OTC) ou suplementos.

Muitos produtos podem interagir com outros medicamentos ou causar efeitos colaterais inesperados.

Agentes anti-excitotóxicos

Em teoria, o bloqueio dos receptores de glutamato previne excitotoxicidade e degeneração. No entanto, algum glutamato é necessário para o funcionamento normal das células nervosas.

Amantadine, uma opção de tratamento para a doença de Parkinson, parece funcionar, alterando a interação entre o glutamato e outro produto químico do cérebro.

No entanto, os efeitos colaterais podem incluir alucinações, visão turva, confusão e inchaço dos pés.

Amantadina pode ajudar a reduzir a discinesia desencadeada por Parkinson ou movimentos involuntários.

Inibidores da apoptose (morte celular programada)

A apoptose é a morte natural das células à medida que o corpo envelhece e cresce. Teoricamente, os agentes antiapoptóticos retardariam esse processo nos neurônios. Atualmente, esses tipos de terapias estão sendo usados ​​na pesquisa do tratamento do câncer.

Agentes anti-inflamatórios

Estes têm propriedades analgésicas, mas também podem afetar os processos inflamatórios envolvidos no agravamento da doença de Parkinson e da doença de Alzheimer.

Um estudo mostrou que metade de um bebê aspirina, ou 40 miligramas (mg) por dia, pode diminuir o risco de Alzheimer em indivíduos com diabetes tipo 2.

Fatores neurotróficos

Este grupo de biomoléculas promove o crescimento dos neurônios. Os cientistas estão procurando maneiras de distribuir as moléculas para fins de tratamento.

Quelantes de íon de metal

Como algumas pessoas com Alzheimer, Parkinson e ALS parecem ter níveis de ferro acima do normal, substâncias que podem reduzir os níveis de ferro podem ajudar nessas doenças.

Um estudo de roedores com doença semelhante à doença de Alzheimer descobriu que o tratamento de ligação de ferro melhorou sua condição. Mais estudos são necessários.

Estimulantes

Os pesquisadores discordam sobre o papel dos estimulantes no desenvolvimento de problemas no funcionamento do cérebro, como a demência.

Estudos em animais sugeriram que a cafeína é neuroprotetora, mas outros estudos concluem que ela pode ser um fator de risco para o desenvolvimento de demência.

Uma recente revisão de pesquisas sobre uso de cafeína e demência descobriu que não era nem preventiva nem prejudicial à função cerebral.

Terapia de genes

A barreira hematoencefálica protege o cérebro contra infecções e vírus, mas também pode impedir que os tratamentos atinjam o cérebro. Isso dificulta a administração de um tratamento diretamente ao cérebro.

Terapia gênica, ou identificar e substituir um gene causador de doença, poderia resolver este problema.

No entanto, como é o caso de muitos neuroprotectores, a terapia genética ainda não provou ser consistentemente eficaz.

Drogas que mostram promessa

Alguns medicamentos estão sendo testados em pessoas com doenças como esclerose múltipla e esclerose múltipla (EM). Acredita-se que eles forneçam efeitos neuroprotetores.

A barreira hematoencefálica protege o cérebro de substâncias nocivas, mas também dificulta alguns tratamentos. A terapia genética pode ajudar a superar esse obstáculo.

Eles incluem:

  • O riluzol é utilizado no tratamento da ELA. Primeiro pensado para ser principalmente um inibidor de glutamato, agora parece interagir principalmente com moléculas de sódio, potássio e cálcio dentro do SNC. O papel exato que desempenha em ajudar a ELA é desconhecido.
  • A fenitoína é normalmente usada para tratar convulsões. Quando testado em pessoas com neurite óptica, uma inflamação do nervo óptico frequentemente associada à EM, houve uma redução na lesão nervosa.
  • Amiloride é uma pílula diurética usada para tratar a insuficiência cardíaca congestiva e pressão alta. Demonstrou benefício neuroprotetor em um pequeno estudo de pacientes com EM

    Pesquisas sobre doenças neurodegenerativas e possíveis terapias são estimulantes e mudam rapidamente, mas é necessário mais trabalho antes que os tratamentos possam ser considerados seguros e eficazes.

Like this post? Please share to your friends: