Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Nanopartículas magnéticas para curar o câncer

Cientistas da Nanoprobes, Inc. afirmam que as nanopartículas magnéticas podem curar o câncer em apenas um tratamento. Suas descobertas são publicadas em

A equipe, liderada pelo Dr. James F. Hainfeld, afirma que uma injeção contendo as nanopartículas seguido por 3 minutos em um campo magnético “completamente curado” animais de teste de câncer.

A ideia é surpreendentemente simples. Quando você coloca uma partícula de ferro dentro de um campo magnético alternado, ela gira para frente e para trás, gerando calor significativo. Então, se você pode entregar partículas de ferro suficientes para um tumor, você pode realmente “cozinhar” o câncer.

No entanto, traduzir a teoria em ciência mostrou-se um pouco mais complicado.

Um dos principais obstáculos que os cientistas enfrentaram foi que a quantidade de ferro necessária para a terapia do câncer era tóxica para o corpo. E enquanto os cientistas tentaram superar isso injetando o ferro diretamente no tumor, descobriram que qualquer área que eles perdessem inevitavelmente voltaria a crescer.

O Dr. Hainfeld, um dos pioneiros da nanotecnologia, decidiu analisar o problema de um ângulo diferente. Em vez de olhar para uma maneira mais precisa de injetar ferro, ele decidiu alterar a própria partícula de ferro.

Juntamente com seu colega, Hui Huang, os cientistas passaram 6 anos projetando uma nanopartícula com um núcleo de ferro e uma concha biocompatível. Isso poderia ser injetado na corrente sanguínea sem efeitos adversos.

‘Melhor efeito de permeabilidade e retenção’

Os tumores precisam crescer rapidamente e, para conseguir isso, os cientistas acreditam que estimulam a produção de vasos sanguíneos. Um dos efeitos colaterais da produção acelerada é que os novos vasos tendem a vazar – e não possuem drenagem linfática efetiva.

Esse fenômeno – conhecido como “efeito de permeabilidade e retenção aprimorados” – é um dos que a nanotecnologia explora. Os vasos com vazamento permitem que as partículas se acumulem no tumor, enquanto a falta de drenagem adequada significa que eles permanecem lá por mais tempo do que nas células saudáveis.

Sabendo disso, o Dr. Hainfeld classificou as partículas de ferro especificamente para vazar nos tumores. Outra vantagem deste tratamento é que as nanopartículas encontrarão células cancerígenas em qualquer parte do corpo, mesmo que tenham metastizado – ou se espalhado para outros órgãos do corpo.

E, crucialmente, como os campos magnéticos passam por todo o corpo humano, as nanopartículas também aquecerão tumores profundos que antes eram inacessíveis.

Quando a nanopartícula estava finalmente pronta para ser testada, seu núcleo de ferro estava envolto em uma concha biocompatível que era grande o suficiente para permitir que o núcleo girasse, mas ainda deixava espaço suficiente para passar pelos vasos sanguíneos com vazamento. Também tinha longos fios poliméricos para mantê-lo fora do fígado.

Os cientistas então injetaram as nanopartículas na corrente sanguínea de camundongos atingidos por câncer. Os animais não mostraram reação adversa às injeções, mostrando que os cientistas superaram o problema com a toxicidade do ferro.

Os cientistas observam que as partículas se acumulam nos tumores – com aproximadamente 16 vezes a concentração do tecido saudável circundante.

O teste final do experimento foi expor os animais a um campo magnético de rápida alternância. Usando uma câmera de infravermelho para medir a temperatura no interior dos tumores, eles viram que eles subiam o suficiente para “derreter” o câncer, enquanto deixavam o tecido ao redor fresco e incólume.

Taxa de sucesso entre 78% e 90% em ratos

Depois de um tratamento de 3 minutos, os cientistas dizem que os tumores foram completamente erradicados, “com precisão mais fina que a faca de um cirurgião”.

Outra vantagem do tratamento é que os restos neutralizados dos tumores “derretidos” são simplesmente absorvidos pelo corpo, enquanto as nanopartículas se decompõem lentamente ao longo do tempo, permitindo que o corpo processe o excedente de ferro sem causar danos.

Dr. Hainfeld e Huang afirmam uma taxa de sucesso de 78-90% em camundongos.

Trabalhando em colaboração com o Dr. Henry Smilowitz, do Centro de Saúde da Universidade de Connecticut, o casal também demonstrou excelentes resultados no tratamento do câncer cerebral.

Atravessar a barreira hematoencefálica apresenta seus próprios problemas, mas eles conseguiram demonstrar uma “taxa de concentração aguçada na borda do tumor cerebral”. Crucialmente, essa precisão salvaria a matéria cerebral saudável quando a área fosse magneticamente aquecida.

O trabalho do Dr. Hainfeld e Huang foi reconhecido pelos Institutos Nacionais de Saúde, e eles estão atualmente conduzindo mais testes de laboratório em preparação para a aprovação do FDA.

Pesquisadores do MIT já usaram nanopartículas para distribuir drogas quimioterápicas para as áreas afetadas, enquanto nanopartículas furtivas podem ser eficazes no tratamento de cânceres de mama resistentes a drogas.

Like this post? Please share to your friends: