Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Nanopartículas de gengibre prometem doença inflamatória intestinal

Ginger está estimulando a busca por uma cura para a doença inflamatória intestinal, de acordo com pesquisa publicada em. Entregues na forma de nanopartículas, os pesquisadores acreditam que o gengibre poderia oferecer um remédio direcionado e eficaz para essa condição potencialmente debilitante.

[Raiz de gengibre]

A doença inflamatória intestinal (DII) refere-se a um grupo de distúrbios em que os intestinos se tornam inflamados. A causa do IBD é desconhecida, mas os cientistas acreditam que pode ser uma condição auto-imune, na qual o sistema imunológico do corpo se ataca erroneamente. As duas principais formas de DII são a doença de Crohn e a colite ulcerativa.

Pessoas com DII muitas vezes experimentam diarréia e dor – que podem ser graves – e podem perder sangue pelo reto. Eles também são mais propensos a complicações como a anemia, pois seus intestinos não absorvem nutrientes de forma eficaz.

Os cientistas têm olhado para a nanotecnologia como uma forma de fornecer drogas, incluindo drogas voltadas para o sistema digestivo.

A vantagem da nanotecnologia é que ela pode fornecer baixas doses de drogas para áreas específicas, evitando assim efeitos indesejados no resto do corpo.

Benefícios para a saúde de gengibre

O gengibre é conhecido há muito tempo por seus efeitos terapêuticos. Ele tem sido usado por milhares de anos como um remédio para uma série de problemas de saúde, incluindo resfriados, náuseas, artrite, enxaqueca e hipertensão.

É usado em uma forma fresca, seca, em conserva, cristalizada, cristalizada e em pó ou em pó, em doces e salgados e como uma bebida.

O chá de gengibre é dito para ajudar na digestão. Suplementos de gengibre estão disponíveis em lojas de alimentos saudáveis ​​na forma de mastiga, ou misturados com mel como um auxílio digestivo.

No entanto, o novo remédio não será alcançado através de chás ou mastigações. Pesquisadores da Associação de Veteranos de Atlanta usaram a centrifugação de alta velocidade para obter nanopartículas derivadas de gengibre (GDNPs).

Criando nanopartículas

A equipe, liderada pelo Dr. Didier Merlin e pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Estadual da Geórgia, começou por fazer suco de raiz de gengibre fresco do mercado de agricultores locais em um liquidificador de cozinha.

Fatos rápidos sobre o IBD

  • Entre 1-1,3 milhões de pessoas nos EUA vivem com DII
  • Acredita-se que a doença de Crohn afeta 201 pessoas em cada 100.000
  • 238 pessoas em cada 100.000 têm colite ulcerativa.

Aprenda sobre a doença de Crohn

Em seguida, usaram uma centrífuga de alta velocidade para obter a dispersão ultra-sônica do suco de gengibre e criar pelotas.

Cada nanopartícula tinha cerca de 230 nanômetros de diâmetro, e mais de 300 delas poderiam caber em toda a largura de um fio de cabelo humano.

Achados de estudos com camundongos indicam que as partículas podem reduzir a colite aguda e prevenir a colite crônica e o câncer associado à colite.

As partículas parecem ajudar na reparação intestinal, incentivando a sobrevivência e proliferação de células no revestimento do cólon. Eles também parecem diminuir a produção de proteínas que promovem a inflamação e elevam os níveis de proteínas que combatem a inflamação.

As partículas podem atingir eficientemente o cólon, uma vez que são absorvidas principalmente pelas células do revestimento dos intestinos, onde ocorre a DII.

Eles também parecem não ser tóxicos.

Como resultado, os pesquisadores sugerem que as partículas poderiam ser usadas para tratar as duas principais formas de DII, bem como o câncer ligado à colite.

Constituintes que ajudam a aliviar o IBD

Os autores dizem que os altos níveis de lipídios, ou moléculas gordurosas, nas partículas são fundamentais para o seu efeito terapêutico. A planta do gengibre contém lipídios naturais, incluindo o ácido fosfatídico. Estes são importantes para a construção de membranas celulares.

Outras substâncias ativas importantes que ocorrem naturalmente no gengibre são o 6-gingerol e o 6-shogaol. Pesquisas anteriores indicaram que esses compostos podem ajudar a prevenir a oxidação, inflamação e câncer.

São esses constituintes que também tornam o gengibre eficaz contra náuseas e outros problemas digestivos.

A entrega desses compostos em nanopartículas pode ser uma maneira mais eficaz de atacar o tecido do cólon do que consumir o gengibre natural como alimento ou suplemento.

O gengibre pode ser uma fonte econômica de medicamento.

A equipe de Merlin também está considerando outras plantas, como potenciais “nanofábricas para a fabricação de nanopartículas médicas”.

Merlin e seus co-autores descreveram as plantas como uma “plataforma bio-renovável, sustentável e diversificada para a produção de nanopartículas terapêuticas”.

Descubra como as nanopartículas estão sendo usadas na medicina para destruir coágulos sanguíneos.

Like this post? Please share to your friends: