Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Micro concussões podem alterar cérebros de jogadores de futebol

Um novo estudo descobriu que os jogadores de esportes de contato têm diferenças em sua atividade cerebral quando comparados com pessoas que praticam esportes sem contato. Os autores perguntam se as micro concussões são as culpadas.

Jogadores de futebol prontos para praticar esportes

Houve um impulso significativo, nos últimos anos, para empurrar a questão da concussão para a frente das mentes das pessoas.

Agora é do conhecimento comum que alguém que está concussed não deve retornar ao campo de jogo e deve ter o cuidado de descansar.

O estudo que estamos discutindo hoje se refere a um fenômeno mais comum, mas muito menos compreendido: os impactos subconcussivos, também conhecidos como micro concussões.

Os autores do estudo definem micro concussões como “impactos no crânio, incluindo aqueles que não produzem concussão aguda, mas, no entanto, resultam em sinais e sintomas clínicos”.

Em uma temporada de futebol universitário, um jogador pode pegar mais de 1.000 micro concussões. E, à medida que a pesquisa se intensifica, os cientistas estão cada vez mais preocupados que possam ter um efeito cumulativo significativo.

Até o momento, no entanto, nenhuma conclusão concreta foi feita sobre as regiões específicas do cérebro que são afetadas por micro concussões. Os autores do novo estudo resumem a confusão.

“Alguns estudos encontram um efeito na cognição, enquanto outros não encontram nenhum efeito. O efeito subconcursivo de acertos no equilíbrio”, eles escrevem, “também é inconclusivo, com alguns relatando um efeito positivo e outros relatando nenhum efeito”.

Outros têm procurado mudanças na anatomia do cérebro, com alguns focando nas diferenças na matéria branca e outros na massa cinzenta.

A história aqui é semelhante. Como os autores do estudo explicam, “Mais uma vez, no entanto, esses estudos não produzem um consenso claro”.

Reabertura de micro concussões

Um pesquisador dedicado a chegar ao fundo desta questão é o principal autor do estudo, Nicholas Port, da Universidade de Indiana, em Bloomington.

Ele começou a explorar se havia ou não diferenças mensuráveis ​​na atividade cerebral entre pessoas que praticavam esportes de contato e aquelas envolvidas em esportes sem contato. Suas descobertas agora são publicadas na revista.

Para começar, os pesquisadores fizeram exames cerebrais de 21 jogadores de futebol e 19 corredores de cross-country usando a tecnologia de ressonância magnética funcional. Esse tipo de imagem detecta mudanças no fluxo sanguíneo relacionadas à atividade em regiões do cérebro.

Eles escolheram os jogadores de futebol devido ao alto risco de golpes repetidos na cabeça e corredores, porque eles têm um risco muito baixo de lesões na cabeça. Nenhum dos futebolistas sofreu uma concussão na temporada anterior.

A equipe também escaneou os cérebros de 11 atletas de nível não-universitário de background socioeconômico similar para usar como grupo de controle.

Em particular, Port e seus colegas estavam interessados ​​nos centros visuais do cérebro. Ele diz: “Nós nos concentramos nessas regiões cerebrais porque os médicos e treinadores encontram regularmente grandes déficits na capacidade dos jogadores de rastrear suavemente um ponto de movimento com os olhos depois de sofrer uma concussão aguda”.

E, quando as varreduras do cérebro foram analisadas, foram observadas diferenças mensuráveis ​​entre os três grupos. Aqueles que jogavam futebol mostraram muito mais atividade em suas regiões visuais do que o grupo de controle ou os corredores de cross-country.

Tirar conclusões

Embora as diferenças foram vistas, o próximo desafio é como interpretar os resultados. O aumento da atividade visual entre os jogadores de futebol é devido a uma vida inteira de pequenos ferimentos na cabeça ou porque eles praticam esportes visualmente exigentes?

Como explica Port, “todos, de músicos a taxistas, têm diferenças na atividade cerebral relacionadas às suas habilidades específicas”.

Nesse estágio, embora os resultados sejam interessantes, não há como saber por que essas diferenças foram encontradas. No futuro, Port acredita que a resposta pode vir de acelerômetros portáteis.

Embora esta tecnologia já esteja disponível, é cara e incômoda. À medida que o equipamento melhora e os jogadores podem jogar mais naturalmente enquanto o usam, melhores dados podem ser coletados.

Desta forma, o número de golpes na cabeça pode ser monitorado em tempo real e comparado com déficits cognitivos e mudanças no cérebro em uma data posterior.

No geral, porém, o estudo apenas aumenta a pilha de descobertas inconclusivas. Embora as diferenças tenham sido vistas – os centros visuais dos jogadores de futebol eram mais ocupados – a interpretação precisa é impossível nesse estágio.

Like this post? Please share to your friends: