Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Metanfetamina: Fatos, efeitos e riscos para a saúde

A metanfetamina é um medicamento psicoestimulante altamente viciante e ilegal que é usado por seus poderosos efeitos eufóricos que são semelhantes aos da cocaína.

Em contraste com a cocaína, a metanfetamina tem uma duração de ação mais longa, é mais barata e é facilmente feita com ingredientes comumente disponíveis.

Desenvolvida no início do século 20, a metanfetamina foi usada pela primeira vez durante a Segunda Guerra Mundial para ajudar a manter os soldados acordados. Após a guerra, tornou-se um popular estimulante dietético e estimulante sem receita médica entre estudantes universitários, caminhoneiros, atletas e donas de casa.

As perigosas propriedades aditivas da metanfetamina tornaram-se amplamente evidentes e, nos anos 70, a droga foi adicionada à lista de substâncias controladas. A metanfetamina é ilegal, exceto quando é prescrita por um médico para um número muito limitado de condições médicas.

Devido à sua potência evoluída e à facilidade de sua produção, a metanfetamina continua sendo uma droga séria de abuso. O uso prolongado de metanfetaminas está associado a muitos efeitos devastadores tanto para o usuário quanto para a sociedade.

Fatos rápidos sobre a metanfetamina

Aqui estão alguns pontos-chave sobre a metanfetamina. Mais detalhes e informações de suporte estão no artigo principal.

  • Depois da cannabis, a metanfetamina é a segunda droga ilícita mais utilizada, com uma prevalência global anual estimada em 0,4%.
  • Metanfetamina domina o mercado global de drogas sintéticas
  • A maioria das metanfetaminas domésticas é produzida em laboratórios de cozinheiros “Mom-and-Pop” em cozinhas domésticas, oficinas, veículos recreativos e cabanas rurais.
  • O uso de metanfetamina durante a adolescência está associado à depressão na idade adulta
  • Comportamentos violentos são comuns entre usuários de metanfetaminas
  • A metanfetamina é neurotóxica, capaz de danificar os neurônios da dopamina e da serotonina no cérebro
  • A metanfetamina produzida ilicitamente pode incluir limpador de ralo, efedrina, anticongelante, combustível para lanterna, ácido de bateria, ácido clorídrico, acetona (fertilizante), fósforo vermelho (fósforos ou flares) e soda cáustica
  • A metanfetamina é comumente usada pelos seus efeitos afrodisíacos e está relacionada a frequências mais altas de relações sexuais desprotegidas.
  • Os efeitos das metanfetaminas podem durar várias horas, enquanto os efeitos da cocaína duram menos de 1 hora.
  • Estudos em usuários crônicos de metanfetaminas mostraram mudanças estruturais e funcionais no cérebro associadas à emoção e à memória, algumas das quais podem ser irreversíveis
  • Se usado durante a gravidez, a metanfetamina está associada a parto prematuro, sangramento vaginal, fetos menores que o normal e morte súbita da mãe ou feto em desenvolvimento.
  • A toxicidade da metanfetamina aumenta quando é combinada com álcool, cocaína ou opiáceos.

O que é metanfetamina?

A metanfetamina, uma variante da anfetamina, foi sintetizada pela primeira vez no Japão em 1893 a partir da efedrina química precursora. É um pó cristalino branco, inodoro e de sabor amargo, que se dissolve facilmente em água ou álcool. Pode ser fumado, inalado, injetado ou ingerido por via oral. Ele também é administrado por via retal (foguete ou plugging).

Parafernália de metanfetamina.

Fumar ou injetar metanfetamina provoca um “jorro” imediato ou intenso que dura por alguns minutos. O ronco não produz uma corrida intensa, mas sim uma euforia alta dentro de 3 a 5 minutos após a ingestão. Os efeitos orais podem ser sentidos em 20 minutos.

Dependendo de como a metanfetamina é ingerida, os efeitos da droga podem durar de 6 a 24 horas.

Tal como acontece com muitos estimulantes, a metanfetamina é mais frequentemente abusada em um padrão de “compulsão e queda”. Os usuários tentam manter a alta tomando mais do medicamento antes que a primeira dose desapareça. Alguns abusadores bebem por vários dias, retendo comida e dormindo enquanto usam continuamente até que finalmente fiquem sem a droga.

Os efeitos prazerosos da metanfetamina resultam da liberação de níveis muito altos do neurotransmissor dopamina, o químico cerebral envolvido na motivação, no prazer e na função motora. No entanto, acredita-se que a liberação elevada de dopamina contribua para os efeitos tóxicos da droga nesses terminais nervosos no cérebro.

O que torna a metanfetamina diferente e mais perigosa do que outros estimulantes é que uma porcentagem maior da droga permanece inalterada no corpo. Isso permite que a droga esteja presente no cérebro por mais tempo, estendendo os efeitos estimulantes.

As doses mais comuns são de 100-1.000 mg por dia e até 5.000 mg por dia em compulsão crônica.

Quando prescritos para tratar condições médicas legítimas, como a narcolepsia, as doses são de 2,5-10 mg por dia, com dosagem não superior a 60 mg por dia.

Extensão do uso de metanfetaminas

Os usuários típicos de metanfetamina são brancos, na faixa dos 20 ou 30 anos, e possuem ensino médio ou superior. Quase tantas mulheres usam a metanfetamina como homens, e o uso se espalhou para os adolescentes. O uso de metanfetaminas é difundido nos EUA, mas varia regionalmente, com maior uso no Havaí, no Ocidente e em partes do Centro-Oeste.

A metanfetamina é fabricada em “superlabs”, com a maior parte da metanfetamina no mercado dos EUA vinda da Califórnia ou do México. No entanto, a droga também é facilmente feita em laboratórios domésticos com ingredientes de balcão relativamente baratos, como a pseudoefedrina. Muitas vezes é misturado com outras substâncias, incluindo cafeína, talco e outros aditivos tóxicos.

A Lei de Epidemia de Metanfetamina de Combate de 2005 exige que farmácias e lojas de varejo mantenham produtos de pseudoefedrina e efedrina no balcão, exigindo um registro da identificação do consumidor e a quantidade de produto comprado.

Comercialmente, a metanfetamina está disponível sob a marca Desoxyn, em comprimidos de 5 miligramas, com uso muito limitado no tratamento da obesidade e do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

Uma forma de metanfetamina é a metanfetamina. Para mais informações sobre esta forma específica de metanfetamina, visite a nossa página do Centro de Conhecimento – Crystal Meth: Facts, Effects and Addiction.

Os efeitos colaterais da metanfetamina

A metanfetamina causa aumento da atividade e da fala, diminuição do apetite e uma agradável sensação de bem-estar ou euforia. Remove o cansaço e traz uma sensação de poder e autocontrole.

Efeitos comumente experimentados incluem:

Um homem está experimentando dor de dente severa.

  • Atenção aumentada
  • Fadiga diminuída
  • Aumento da atividade física
  • Vigília
  • Euforia.

Os efeitos colaterais da metanfetamina incluem:

  • Maior distração
  • Náusea
  • Boca seca
  • Pupilas dilatadas
  • Tremores
  • Espamos musculares
  • Perda de memória
  • Comportamento agressivo ou violento
  • Distúrbios do humor
  • Problemas dentários graves
  • Perda de peso
  • Feridas na pele
  • Frequência cardíaca rápida ou irregular
  • Aumento da pressão arterial.

Riscos para a saúde do uso de metanfetaminas

A metanfetamina tem um alto potencial de abuso e dependência. A tolerância se desenvolve rapidamente e os usuários podem se tornar psicologicamente dependentes em um espaço de tempo relativamente curto.

Um homem deprimido está sentado contra uma parede.

A razão pela qual a metanfetamina é tão viciante é porque uma grande quantidade de dopamina permanece nas sinapses das células cerebrais por longos períodos de tempo após o uso. A dopamina mantém as células ativadas, permitindo ao usuário experimentar os poderosos sentimentos de euforia.

Depois de um tempo, o usuário é incapaz de produzir naturalmente a dopamina e requer que a droga se sinta normal, precisando de doses maiores para experimentar sensações de prazer.

A interrupção abrupta da metanfetamina não causa uma abstinência física (como a heroína), mas resulta em extrema fadiga, depressão mental, irritabilidade, apatia e desorientação.

Temperatura corporal elevada e convulsões podem ocorrer com overdose, e se não for tratada imediatamente, uma overdose de metanfetamina pode resultar em morte.

Os usuários de metanfetaminas têm um risco aumentado de problemas cardíacos, como dor no peito, ritmo cardíaco anormal e pressão alta. Um usuário pode, conseqüentemente, morrer de um ataque cardíaco, dissecção aguda da aorta ou morte súbita cardíaca, mesmo após o primeiro uso do medicamento.

Usuários de metanfetamina a longo prazo podem experimentar:

  • Comportamento violento
  • Ansiedade
  • Confusão
  • Insônia.

Os usuários de metanfetamina a longo prazo também podem experimentar os seguintes sintomas de psicose (psicose por metanfetamina):

  • Paranóia
  • Agressão
  • Alucinações visuais e auditivas
  • Distúrbios do humor
  • Delírios como a sensação de insetos rastejando sobre ou sob a pele.

A paranóia pode resultar em pensamentos suicidas ou homicidas. Pesquisadores relataram que até 50% das células produtoras de dopamina no cérebro podem ser danificadas após exposição prolongada a níveis relativamente baixos de metanfetamina.

Os sintomas psicóticos podem durar meses ou anos depois que uma pessoa parou de usar metanfetaminas e pode recorrer espontaneamente.

O abuso da metanfetamina também pode causar cárie dentária tão grave que a maioria dos dentes apodrece (boca da mandioca) ou requer extração. Acredita-se que as razões para a cárie dentária sejam de boca seca, aumento do consumo de bebidas açucaradas, apertamento e ranger de dentes e uma falta geral de higiene dental.

Os fabricantes de drogas ilícitas são chamados de “cozinheiros” e correm o risco de inúmeras lesões relacionadas à produção de metanfetamina. Qualquer pessoa na vizinhança de um laboratório de metanfetamina também está em risco de exposição a produtos químicos, incluindo crianças.

Sintomas de abstinência do uso de metanfetaminas

A síndrome de abstinência pode ocorrer dentro de 24 horas da última dose de metanfetamina.

Os sintomas de abstinência incluem:

  • Ansiedade
  • Desejo de drogas
  • Inquietação
  • Pobre concentração
  • Irritabilidade
  • Sonhos desagradáveis
  • Fadiga
  • Insônia ou sonolência
  • Aumento do apetite.

Os sintomas variam consideravelmente em intensidade e duração e geralmente duram entre 7 e 10 dias.

Tratamento para dependência de metanfetamina

Atualmente não há medicamentos disponíveis para o vício em metanfetamina.

Os tratamentos mais eficazes neste momento são as abordagens comportamentais, como a terapia cognitivo-comportamental, a educação familiar, o aconselhamento individual e um modelo de apoio de 12 passos.

Desenvolvimentos recentes sobre o uso de drogas pelas notícias da MNT

A neurociência do impulso e do vício

A impulsividade, a busca de sensações e o abuso de substâncias estão ligados há muito tempo. Embora os indivíduos que abusam de drogas sejam conhecidos por agirem impulsivamente e terem neuroanatomia sutilmente diferente, não está claro se essas mudanças são a causa ou o efeito do abuso. Um novo estudo investiga esses links ainda mais.

Mais de 9 milhões de americanos abusam de drogas

Um estudo recente publicado mostra uma imagem sombria do estado atual da dependência de drogas nos EUA.

A metanfetamina é uma droga de abuso psicoestimulante e perigosamente viciante. Os usuários podem morrer de efeitos estimulantes graves no coração ou podem sofrer danos cerebrais, incluindo perda de memória e alterações extremas de humor.

O abuso de metanfetaminas acarreta sérias repercussões na saúde, não apenas para o usuário, mas também para sua família, a economia e a sociedade em geral.

Like this post? Please share to your friends: