Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Matar o câncer suavemente: nova abordagem interrompe o crescimento do tumor

Uma das razões pelas quais o câncer é tão difícil de ser batido é o modo como ele estimula nosso sistema imunológico a trabalhar contra nós. O tratamento mata algumas células cancerígenas, mas o que é deixado para trás pode “enganar” nosso sistema imunológico a ajudar na formação de tumores. Novas pesquisas podem ter encontrado uma maneira de quebrar esse círculo vicioso.

célula cancerosa

No que foi referido como o “paradoxo do crescimento do tumor”, matar células cancerígenas pode, por vezes, causar mais células cancerosas a espalhar-se.

Isso ocorre porque os restos celulares que são deixados para trás desencadeiam uma resposta inflamatória do nosso sistema imunológico, que, por sua vez, pode estimular a produção de mais células cancerígenas.

Mas os pesquisadores podem agora ter encontrado uma saída para esse enigma. Um novo estudo descobriu que as resolvinas – compostos naturalmente secretados pelo nosso organismo para interromper a resposta inflamatória – podem impedir o crescimento de tumores quando esse crescimento é induzido por resíduos celulares.

A pesquisa foi conduzida por Sui Huang, do Instituto de Biologia de Sistemas em Seattle, WA, bem como por Charles N. Serhan, do Brigham and Women’s Hospital da Harvard Medical School, Mark Kieran, do Dana-Farber Cancer Institute, e Dipak Panigrahy, do Centro Médico Beth Israel Deaconess, todos em Boston, MA.

Megan Sulciner é a primeira autora do artigo, e os resultados foram publicados em

Terapia convencional ‘faca de dois gumes’

Sulciner e seus colegas usaram tratamento citotóxico e outros medicamentos para matar células cancerígenas de laboratório. Os detritos celulares resultantes foram injetados em camundongos. Os roedores já tinham algumas células cancerígenas, mas estes não eram suficientes para promover o crescimento do tumor por conta própria.

Os pesquisadores também trataram camundongos com drogas tradicionais de quimioterapia.

Ambas as abordagens estimularam a disseminação de células cancerosas e aumentaram sua capacidade de desenvolver tumores. O crescimento do tumor induzido por detritos pode ser visto in vivo e nas células cultivadas.

O estudo revelou que um lipídio chamado fosfatidilserina – que é encontrado na superfície de células mortas e estressadas – faz com que as células do sistema imunológico liberem citocinas pró-inflamatórias.

Os principais autores do estudo falaram sobre suas descobertas e os mecanismos subjacentes.

“Nossos estudos”, explicaram, “juntamente com outros, mostram que a terapia tradicional do câncer pode ser uma ‘faca de dois gumes’, em que o próprio tratamento usado para curar o câncer também ajuda a sobreviver e crescer”.

Embora tenham como objetivo matar as células cancerígenas, essas terapias deixam para trás “restos de células tumorais”, que, segundo os pesquisadores, “geram uma ‘tempestade de citocinas’ de citocinas pró-inflamatórias pró-tumorigênicas”.

As poucas células cancerígenas que sobrevivem ao tratamento, “combinadas com um quadro inflamatório induzido por detritos de células tumorais, podem resultar na ‘tempestade perfeita’ para a progressão do câncer. Portanto, a quimioterapia convencional […] pode contribuir para a recaída do tumor”, explicou. Os autores.

“Os resultados ressaltam a velha idéia de que matar células cancerosas com drogas cada vez mais eficazes pode sair pela culatra”, acrescentou Huang.

“O tecido tumoral é um sistema reativo que transforma a terapia de morte celular em espadas de dois gumes: quanto mais você mata, mais você pode estimular as células tumorais sobreviventes”, acrescentou.

Huang explicou: “O crescimento estimulado de células mortas é naturalmente uma parte do ciclo de regeneração de tecidos; os detritos são interpretados pelo tecido como sinal de lesão e estimulam a cicatrização e a regeneração de feridas.”

“Se um tratamento citotóxico é bem-sucedido ou não”, ele acrescentou, “depende de se atingir uma pequena janela de oportunidade: quando o efeito líquido de eliminação é mais forte do que o estímulo das células mortas que o tratamento cria”.

Os principais autores do estudo disseram:

“Superar o dilema da progressão tumoral induzida por detritos é primordial se quisermos evitar a recorrência de tumores resistentes ao tratamento – a principal razão para o fracasso da terapia do câncer”.

Resolvimentos “matam o câncer suavemente”

A fim de enfrentar o desafio desta faca de dois gumes, os pesquisadores trataram os roedores com pequenas quantidades de resolvinas. Resolvinas são “um produto natural do tecido que serve como um sinal de parada para acabar com o processo inflamatório”, disseram os autores.

Esses compostos químicos foram, de fato, descobertos em um estudo conduzido pelo autor do estudo co-líder, Serhan, alguns anos atrás.

O tratamento com as resolvinas interrompeu o crescimento do tumor induzido por detritos e bloqueou a propagação das células cancerígenas. Além disso, as resolvins aumentaram a atividade de vários medicamentos anticâncer, tornando-os mais eficazes na luta contra os tumores.

Huang também falou sobre as implicações clínicas do estudo:

“Em resumo, aprendemos que quando se trata de terapia do câncer: ‘Não devemos matar – ou matar gentilmente e remover corpos imediatamente’.”

“Isso significa que matar ou interromper o ciclo infinito de regeneração pode ser útil: isso naturalmente leva ao uso de resolvinas que limpam a inflamação”, acrescentou.

Resolvins já estão sendo clinicamente testados por suas propriedades terapêuticas em outras doenças, observam os autores.

Segundo Huang, “direcionar as vias de resolução fornece uma abordagem totalmente nova, não tóxica e não imunossupressora à terapia do câncer”.

Huang também compartilhou com os leitores algumas de suas direções para futuras pesquisas, dizendo: “Precisamos encontrar evidências de estudos clínicos que os mesmos princípios que encontramos em camundongos (embora usando células humanas em alguns casos) [se apliquem] ao câncer humano”.

Like this post? Please share to your friends: