Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Maconha e ‘tempero’ podem desencadear convulsões, diz estudo

Embora vários estudos tenham sugerido que a maconha pode ser eficaz para reduzir as apreensões, uma nova pesquisa adverte que formas potentes e sintéticas da droga têm o efeito oposto.

maconha e o cérebro humano

Pesquisadores da Universidade de Tsukuba, no Japão, descobriram que o tetrahidrocanabinol (THC) – o químico psicoativo da maconha – e o canabinóide sintético JWH-018 causaram convulsões em camundongos.

A líder do estudo, Olga Malyshevskaya, e seus colegas dizem que suas descobertas – publicadas na revista – devem servir como um “alerta público” para os possíveis danos causados ​​pela maconha de alta potência e sintética.

Enquanto a maconha continua sendo a “droga ilícita mais usada” nos Estados Unidos, ela está se tornando cada vez mais legalizada em estados individuais para fins medicinais, fins recreativos ou ambos.

Tem havido uma pesquisa crescente sobre o uso de maconha – particularmente um canabinóide na droga chamada canabidiol (CBD) – no tratamento de convulsões em pacientes com epilepsia, embora um debate em torno de sua eficácia continue.

O novo estudo de Malyshevskaya e equipe sugere que o uso geral de maconha de alta potência – isto é, maconha que contém quantidades elevadas de THC – pode realmente desencadear convulsões.

A pesquisa também descobriu que as convulsões poderiam ser provocadas pelo JWH-018, que é um canabinóide sintético que é o principal componente da maconha sintética conhecida como “especiaria”.

Frequência de convulsão mais alta com JWH-018

Os pesquisadores chegaram às suas descobertas analisando a atividade cerebral de camundongos machos depois de receberem THC ou JWH-018.

O THC foi administrado aos roedores em doses de 10 miligramas por quilograma (o equivalente a cerca de 0,8 miligramas por quilograma em humanos) e o JWH-018 foi administrado em doses de 2,5 miligramas por quilograma (o equivalente a cerca de 0,2 miligramas por quilograma em humanos) .

A equipe implantou eletrodos de eletroencefalografia (EEG) e eletromiograma nos cérebros dos camundongos, o que lhes permitiu monitorar qualquer atividade elétrica relacionada à convulsão em resposta aos compostos da droga.

O movimento e o comportamento dos roedores também foram monitorados por meio de gravação de vídeo.

O estudo revelou que os murganhos experimentaram convulsões pouco depois da administração com THC e JWH-018, embora a frequência de convulsões tenha sido significativamente maior com JWH-018.

A atividade cerebral relacionada à convulsão persistiu por 4 horas após a administração de cada medicamento, relata a equipe, mas a atividade cerebral voltou ao normal no dia seguinte.

Curiosamente, os pesquisadores descobriram que o pré-tratamento dos camundongos com o AM-251 – que é um composto que se liga ao receptor canabinóide-1 – preveniu as convulsões em resposta ao THC e ao JWH-018.

Como tal, a equipe sugere que os antagonistas dos receptores canabinóides podem ser úteis para prevenir convulsões no caso de overdose de maconha.

Estudo adverte sobre possíveis perigos

De acordo com os pesquisadores, seus resultados “fornecem fortes evidências” de que tanto os canabinóides derivados de plantas quanto os sintéticos têm potencial para desencadear convulsões.

“Por outro lado”, observam os autores, “um volume substancial de literatura sobre canabinóides em modelos animais mostra principalmente efeitos anticonvulsivos”.

“No entanto”, eles acrescentam, “poucos deles usaram registros EEG para avaliar eventos epilépticos e muitos deles provocaram convulsões, tanto eletricamente quanto farmacologicamente, alterando as vias de sinalização e os estados cerebrais antes da aplicação de canabinoides.”

A equipe adverte que as doses de THC e JWH-018 usadas em seu estudo foram altas e podem não representar as doses normalmente vistas com uso medicinal ou recreativo em humanos.

“Seria interessante no futuro também testar doses mais baixas, tipicamente usadas medicinalmente ou recreativamente para determinar se o efeito é perdido ou diminuído”, acrescentam.

Ainda assim, eles acreditam que suas descobertas devem ser vistas como um aviso dos perigos potenciais dos canabinóides, particularmente a maconha sintética.

“Nosso estudo é muito importante porque, desconsiderando o efeito particularmente severo desses canabinóides, as pessoas veem a maconha como uma droga leve, sem efeitos perigosos à saúde.”

Olga Malyshevskaya

Like this post? Please share to your friends: