Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Maconha e doença mental: níveis baixos de dopamina podem desempenhar um papel

Uma nova revisão oferece uma visão mais aprofundada sobre como o consumo de maconha a longo prazo pode ter um impacto negativo na saúde mental, depois de encontrar “evidências substanciais” de que a droga altera o sistema de recompensa do cérebro para aumentar as emoções negativas e diminuir a motivação.

[Maconha fazendo uma imagem do cérebro humano]

O estudo diz que há evidências suficientes para sugerir que a maconha, ou cannabis, reduz os níveis de dopamina no cérebro – um neurotransmissor que desempenha um papel fundamental na aprendizagem, movimento, motivação, emoção e recompensa.

Níveis baixos de dopamina têm sido associados a mudanças de humor, fadiga, depressão e falta de motivação; A deficiência de dopamina está presente em várias condições neurológicas, incluindo a doença de Parkinson e o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

Oliver Howes, líder do estudo, do Centro de Ciências Clínicas do Medical Research Council (MRC) no Imperial College London, no Reino Unido, e sua equipe publicaram recentemente seus resultados na revista.

De acordo com a Pesquisa Nacional sobre o Consumo de Drogas e Saúde, de 2014, existem cerca de 22,2 milhões de usuários de maconha nos Estados Unidos, tornando-a a droga ilícita mais usada no país.

O uso prolongado de maconha tem sido associado a várias condições de saúde mental, incluindo esquizofrenia, ansiedade e depressão, mas os mecanismos subjacentes a essa associação não são claros.

Dada a crescente legalização da maconha para fins medicinais e recreativos, os pesquisadores estão ansiosos para aprender mais sobre como a droga afeta o cérebro.

Para este último estudo, Prof. Howes e equipe realizaram uma revisão de numerosos estudos investigando como o composto psicoativo primário na maconha – tetrahidrocanabinol (THC) – afeta o cérebro.

A exposição ao THC tem efeitos a longo prazo no sistema de dopamina

Segundo os pesquisadores, agora há “evidências substanciais” em estudos em animais e humanos que a exposição a longo prazo ao THC leva a uma diminuição nos níveis de dopamina.

“A evidência disponível indica que a exposição ao THC produz efeitos complexos, diversos e potencialmente a longo prazo no sistema da dopamina”, explicam os autores. “Estes incluem aumento do disparo do nervo e liberação de dopamina em resposta ao THC agudo, e embotamento dopaminérgico associado ao uso a longo prazo.”

A equipe acredita que esse efeito pode explicar por que as pessoas que se envolvem com o consumo prolongado de maconha correm maior risco de problemas de saúde mental.

Em modelos animais, pesquisas atuais mostram que o uso de maconha inicialmente eleva os níveis de dopamina, alimentando uma sensação de recompensa, o que a equipe diz que pode oferecer uma explicação para por que alguns usuários se tornam dependentes da droga.

No entanto, os autores apontam algumas limitações nesta área. “Fundamentalmente, os estudos com animais são muito curtos e não dão cannabis repetidamente ou em combinação com outras substâncias”, observa o professor Howes.

Abordando as lacunas na pesquisa sobre a maconha

Os pesquisadores também notaram algumas outras lacunas na pesquisa, como estudos que avaliam o que acontece com o sistema de dopamina quando o uso de maconha é interrompido.

Além disso, a equipe observa que é importante aprender mais sobre como o uso de maconha afeta o desenvolvimento do cérebro, já que algumas mulheres podem usar a droga no início da gravidez, antes de perceber que estão esperando.

“Dado o uso crescente de cannabis, particularmente em jovens e mulheres que podem estar grávidas, estudos com animais são necessários para entender os efeitos do uso de cannabis a longo prazo no cérebro em desenvolvimento de uma forma controlada que não é possível em estudos humanos.” diz o professor Howes.

“Esses estudos também precisam usar técnicas que possam ser traduzidas em estudos humanos e representar melhor os padrões humanos de uso”.

Embora seja mais clara a investigação sobre os efeitos da maconha, os pesquisadores acreditam que o estudo atual ajuda a ampliar nossa compreensão.

“A mudança nos padrões de uso de cannabis, incluindo ‘cannavaping’ e produtos comestíveis, significa que é vital que entendamos os efeitos a longo prazo da cannabis no cérebro.

Essa nova pesquisa ajuda a explicar como algumas pessoas se viciam em cannabis, mostrando que um de seus principais componentes, chamado THC, altera um delicado equilíbrio de substâncias químicas cerebrais. “

Co-autor Dr. Michael Bloomfield, Centro de Ciências Clínicas, Imperial College London

Leia sobre um estudo que esclarece como a maconha causa perda de memória.

Like this post? Please share to your friends: