Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: [email protected]

Liberação de endorfina difere pela intensidade do exercício, segundo estudo

Estudos sugerem há muito tempo que o exercício desencadeia a liberação de “hormônios do bem-estar”, ou endorfinas, no cérebro. Novas pesquisas, no entanto, sugerem que esse efeito é muito dependente da intensidade do exercício.

uma mulher feliz depois de um treino

Os pesquisadores descobriram que os adultos que se envolveram em uma hora de treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) experimentaram um aumento significativo na liberação de endorfina em comparação com aqueles que participaram de uma hora de atividade física menos exigente.

A coautora do estudo, Tiina Saanijoki, do Centro de PET Turku da Universidade de Turku, na Finlândia, e colegas relataram recentemente seus resultados na revista.

As diretrizes atuais sugerem que os adultos devem se envolver em pelo menos 150 minutos de atividade aeróbica de intensidade moderada ou 75 minutos de atividade aeróbica de intensidade vigorosa toda semana para melhorar ou manter a saúde física.

Mas os benefícios do exercício não são apenas físicos. Uma série de estudos mostrou que o exercício pode melhorar o humor e ajudar a aliviar a ansiedade e a depressão. Tais efeitos foram atribuídos em parte à liberação de endorfinas desencadeadas pelo exercício.

Endorfinas – muitas vezes referidas como “hormônios do bem-estar” – são peptídeos produzidos pelo cérebro que se ligam aos receptores opiáceos do cérebro, reduzindo a percepção da dor e desencadeando sentimentos de euforia.

“O nível plasmático de β-endorfina [beta-endorfina] é geralmente elevado durante exercícios intensos”, dizem Saanijoki e colegas, “mas uma ligação plausível entre as concentrações circulantes de endorfina e as respostas do humor ao exercício agudo não foi estabelecida”.

Exercício moderado vs. intenso

Para seu estudo, os pesquisadores procuraram determinar se existem ou não diferenças na liberação de endorfina em resposta ao exercício aeróbico convencional e ao HIIT, que é uma forma de exercício que inclui rajadas curtas de atividade altamente intensa, fragmentadas por breves períodos de atividade menos exigente. .

A equipe recrutou 22 homens saudáveis, todos com idade entre 21 e 36 anos, para o estudo.

Em dois dias separados, os homens completaram 1 hora de exercício aeróbico de intensidade moderada e 1 hora de HIIT. Usando tomografia por emissão de pósitrons (PET), os pesquisadores mediram a liberação de endorfina de cada indivíduo após cada sessão, bem como após um período de descanso.

O humor de cada participante após a conclusão de cada sessão de exercícios também foi avaliado.

Os pesquisadores descobriram que o HIIT levou a um aumento significativo na liberação de endorfinas nos homens. Isso ocorreu em áreas do cérebro associadas à dor, recompensa e emoção, incluindo o tálamo, a ínsula, o córtex orbitofrontal, o hipocampo e o córtex cingulado anterior.

Além disso, a equipe descobriu que o HIIT causou sentimentos negativos nos homens, o que também foi associado a um aumento na liberação de endorfina.

“Em intensidades de exercício muito altas, a liberação de endorfinas parece estar ligada ao aumento de sentimentos negativos e dor, e pode ser necessária para gerenciar o desafio emocional e fisicamente exigente”, explica Saanijoki. “No entanto, esses sentimentos negativos podem desencorajar mais exercícios”.

Após atividade aeróbica de intensidade moderada, os homens relataram sentimentos de prazer e euforia, que eles encontraram correspondendo à liberação de endorfina.

“Em intensidades de treinamento moderadas, as sensações prazerosas causadas pela possível liberação de endorfinas podem promover o exercício habitual”, observa Saanijoki.

No geral, os pesquisadores acreditam que seu estudo esclarece como diferentes intensidades de exercício influenciam a liberação de endorfina.

“Nossos resultados destacam que a intensidade do exercício afeta a liberação de endorfina e que o sistema opioide cerebral está envolvido em sentimentos positivos e negativos causados ​​pelo exercício físico realizado em diferentes intensidades”, diz Saanijoki.

“A liberação de endorfina induzida pelo exercício pode ser um mecanismo importante que apóia a motivação do exercício e a manutenção do exercício regular. […] A intensidade do exercício deve ser levada em conta ao iniciar novas rotinas de exercícios.”

Tiina Saanijoki

Like this post? Please share to your friends: