Caros utilizadores! Todos os materiais neste site são traduções de outros idiomas. Pedimos desculpas pela qualidade dos textos, mas esperamos que venham a tirar partido deles. Com os melhores cumprimentos, A administração do site. E-mail: admin@ptmedbook.com

Insuficiência renal: malha de nanofibra ‘alternativa barata e utilizável à diálise’

O principal papel do rim é filtrar os resíduos do sangue antes de convertê-los em urina. Mas esse processo cessa para indivíduos com insuficiência renal, causando a acumulação de resíduos no sangue. Agora, os pesquisadores criaram uma malha de nanofibra que, segundo eles, pode ser uma alternativa mais fácil e barata de diálise renal.

Isso está de acordo com um estudo publicado na revista.

A diálise renal é o tratamento mais comum para pacientes com insuficiência renal. Envolve o uso de máquinas, em casa ou no hospital, que ajudam a filtrar toxinas de produtos residuais do sangue de um paciente, em substituição à função renal normal.

Mas a equipe de pesquisa – do Centro Internacional para Materiais Nanoarchitectonics (MANA) do Instituto Nacional de Ciência dos Materiais no Japão – diz que, como essas máquinas exigem eletricidade e manutenção cuidadosa, elas não estão amplamente disponíveis nos países mais pobres.

Além disso, eles observam que, após catástrofes naturais nesses países – como o terremoto eo tsunami no Japão em 2011 – muitos pacientes que necessitam de diálise muitas vezes precisam ficar sem tratamento até que os serviços hospitalares normais sejam retomados.

Com isso em mente, os pesquisadores começaram a desenvolver uma maneira mais barata de remover toxinas no sangue de pacientes com insuficiência renal. Isso resultou na criação de uma malha de nanofibra.

Uma alternativa compacta e barata à diálise

Máquina de diálisePara sua criação, os pesquisadores primeiro combinaram um polímero de matriz primária compatível com o sangue feito de álcool de polietileno-co-vinílico (EVOH) e uma variedade de zeólitos – minerais de aluminossilicato feitos de alumínio, silício e oxigênio.

Os zeólitos têm estruturas microporosas que podem absorver os resíduos do sangue.

A equipe usou eletrofiação – um método de baixo custo que usa uma carga elétrica para extrair fibras de um líquido – para desenvolver a malha.

Depois de testar a malha em sua capacidade de absorver a creatinina – um produto residual – do sangue, os pesquisadores descobriram que uma proporção específica de silício e alumínio dentro dos zeólitos é necessária.

Eles descobriram que o zeólito do tipo beta 940-HOA absorve a maior quantidade de creatinina do sangue.

Comentando sobre os resultados, os pesquisadores dizem:

“As fibras compostas propostas têm o potencial de serem utilizadas como uma nova abordagem para remover produtos de resíduos nitrogenados da corrente sanguínea sem a necessidade de equipamentos especializados.”

Os investigadores dizem que a malha ainda está em seus estágios iniciais e muito mais desenvolvimento é necessário antes que ela esteja pronta para produção.

Mas eles dizem que é possível que a malha seja transformada em um produto de purificação do sangue que seria pequeno o suficiente para o paciente usar no braço, o que economizaria dinheiro e tempo para os pacientes.

Acreditam firmemente que esta criação é viável e dizem que pode ser uma alternativa compacta e barata à diálise para pacientes com insuficiência renal em todo o mundo.

Existem outras opções de tratamento sendo exploradas para ajudar pacientes com insuficiência renal. No ano passado, relatou um estudo detalhando a criação de um rim artificial que pode extrair os resíduos do corpo como um rim normal e saudável.

Em outra pesquisa, os pesquisadores analisaram o uso de rins de porco como um “andaime” no qual construir rins humanos injetando células-tronco. As células-tronco tomariam o rim de porco, tornando-o disponível para transplante em humanos.

Like this post? Please share to your friends: